Em formação de câmara, OSB se apresenta na Sala Cecília Meireles dias 20 e 21 de julho

Os divertimentos nº 7 e 11, de Mozart, estão nos programas dos concertos que a Orquestra Sinfônica Brasileira levará ao palco da Sala Cecília Meireles nos próximos dias 20 e 21 de julho. Em duas formações de câmara, os músicos Nikolay Sapoundjiev, Clóvis Pereira Filho e William Isaac (violinos), Bernardo Fantini e Samuel Passos (violas), Emília Valova (violoncelo), Alexandre Brasil e Waldir Bertipaglia (contrabaixo), Felipe Destéfano (fagote) e Danillo Silles e Rafael Fossa (trompas) e Jorge Postel-Pavisic (oboé)se apresentarão na noite de sábado e repetirão o programa no domingo, em mais uma edição do Concerto da Juventude – apresentação de caráter didático, com ingressos a partir de R$5 (meia). A OSB conta com a Lei Federal de Incentivo à Cultura e tem a NTS como mantenedora, Vale, Brookfield e Eneva como patrocinadoras.

Os divertimentos ocupam um papel importante entre as obras que Mozart compôs durante seus primeiros anos em Salzburgo. Descontraídos, são peças multi-movimento e, pelo caráter intimista, eram tocadas em pequenas celebrações domésticas. O Divertimento nº 7 em Ré Maior K. 205 K6.167 foi, provavelmente, composto durante o verão de 1773 e o Divertimento nº 11 em Ré Maior K.201 foi escrito em 1776, para a irmã de Mozart.

SOBRE A ORQUESTRA SINFÔNICA BRASILEIRA

Fundada em 1940, a Orquestra Sinfônica Brasileira é reconhecida como um dos conjuntos sinfônicos mais importantes do país. Em seus 78 anos de trajetória ininterrupta, a OSB já realizou mais de cinco mil concertos e é reconhecida pelo pioneirismo de suas ações, tendo sido a primeira orquestra a realizar turnês pelo Brasil e exterior, apresentações ao ar livre e projetos de formação de plateia.

Nas últimas sete décadas, a OSB revelou nomes como Nelson Freire, Arnaldo Cohen e Antônio Meneses, e esteve à frente, maestros e compositores brasileiros como Heitor Villa-Lobos, Eleazar de Carvalho, Claudio Santoro, Francisco Mignone e Camargo Guarnieri. Também faz parte de sua história a colaboração de alguns dos maiores artistas do cenário internacional como Leonard Bernstein, Arthur Rubinstein, Mstislav Rostropovich, Igor Stravinsky, Claudio Arrau, Zubin Mehta, Lorin Maazel e Kurt Masur, entre muitos outros.


Composta atualmente por mais de 70 músicos brasileiros e estrangeiros, a OSB contempla uma programação regular de concertos, apresentações especiais e ações educativas, além de um amplo projeto de responsabilidade social e democratização de acesso à cultura. Para viabilizar suas atividades, a Fundação conta com a Lei Federal de Incentivo à Cultura, tem a NTS – Nova Transportadora do Sudeste como mantenedora e a Vale, Brookfield e Eneva como patrocinadoras e Eletrobras como copatrocinadora, além de um conjunto de apoiadores culturais e institucionais.

Foto. Cicero Rodrigues
OSB – Divertimento nº 11 Mozart (foto Cicero Rodrigues)

Compartilhe nas redes sociais
Publicação Anterior

Celebração Festa Nacional Francesa

Próxima Publicação

Ana Claudia Vaz celebra aniversário no Iate Clube do Rio de Janeiro

2.331 Comentários