Ana Jardim: um passeio pelos melhores destinos de Brasília

Ana Jardim: Brasília, parte II

Olá, pessoal,

A dica de hoje é visitarmos os melhores destinos de Brasília,

considerada um Patrimônio Mundial pela Unesco, devido ao seu conjunto arquitetônico e urbanístico. Definir um espaço reservado à arte em Brasília é quase uma tarefa impossível. Isso porque toda a cidade é uma grande sala de exposições mas, mesmo assim, não faltam opções de centros culturais, teatros e museus para visitarmos.

A Capital Brasileira abriga a sede dos três poderes da República: Legislativo (Congresso Nacional), Executivo (Palácio do Planalto) e (Supremo Tribunal Federal) Judiciário, assim como 127 embaixadas estrangeiras. Mas sugiro começarmos pelo Memorial JK, que guarda toda a história da família Kubitschek e do seu mais ilustre membro, o presidente Juscelino, que recebe os visitantes com um “aceno”.

Como não nos perdermos em uma cidade tão grande e moderna?

A rodoviária é o centro de tudo. 

É o marco zero. 

A partir dela, os endereços ganham números crescentes. 

Basta seguirmos os pontos cardeais para não nos perdermos. 

O Museu do Catetinho, residência oficial do presidente durante a construção da cidade e a Belíssima Catedral Metropolitana de Brasília, também são pontos turísticos imperdíveis. 

Segundo o plano original, Brasília deveria ser um exemplo de integração e nivelamento social mas, infelizmente, isso nunca aconteceu. Deslumbrante, mas inviável do ponto de vista econômico, em Brasília, a distância entre ricos e pobres é cada vez maior. Mesmo assim, é um lugar de sonhos. Assim como foi para Juscelino e os candangos, trabalhadores que construíram uma cidade inteira em pouco mais de três anos, novos candangos, ainda hoje, saem do entorno de Brasília em busca de uma oportunidade de trabalho na capital do país. 

Após sair da presidência, Juscelino Kubistchek elegeu-se senador por Goiás. Mesmo diante de muitos obstáculos JK, que também foi médico, nunca desistiu de suas pretensões políticas, mas faleceu em um

acidente de carro, em 1976, em uma viagem do Rio de Janeiro a São Paulo. Ficou o exemplo da força, fé, luta, ousadia e coragem de um homem que tinha a meta de fazer o Brasil crescer cinquenta anos em cinco. “Levarei comigo o firme propósito de continuar servindo ao Brasil com a mesma fé, com o mesmo entusiasmo e a mesma confiança nos seus altos destinos”.

Juscelino Kubistchek

Brasília, 1962.

Parte da carta por ele enviada a seu amigo, meu avô, Vicente Jardim.

Adorei mais este mergulho na história do Brasil e espero que vocês também.

Até a próxima.

Abraços!

Ana Jardim 

Compartilhe nas redes sociais
Publicação Anterior

Didi Rocha inaugura espaço de beleza em Ipanema, no Rio

Próxima Publicação

Coletivo BASE promove encontro sobre Ativismo Quântico, no Rio

105 Comentários

Deixe um comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado.