Petro Pupe: 'Quando a palavra é “luxo” certamente um nome aparece: Louis Vuitton'

 A glamourosa marca tem um espaço reservado no imaginário de toda a população mundial, conquistando o público de uma maneira única. Além da qualidade de seus produtos, o sucesso da grife é atribuído ao fato de trabalhar com itens exclusivos, criando verdadeiros objetos de desejos em quantidade limitadas, que muitos sonham em ter. A Louis Vuitton passou por diversas situações em sua trajetória alcançando o seu status, para conseguirmos entender, precisamos voltar mais de cem anos, quando o seu criador começou a escrever essa bela história, que é considerada por muitos e pela própria empresa, uma lenda.

Um francês chamado Louis Vuitton

 A história da Louis Vuitton está totalmente vinculada à trajetória do seu criador que a emprestou o nome. Nascido em uma pequena aldeia localizada no interior da França, Louis Vuitton tinha origem humilde, descendente de trabalhadores moleiros e carpinteiros. Quando completou 14 anos, decidiu percorrer 400 km a pé até Paris para trabalhar com madeira. Logo foi contratado como aprendiz por um fabricante de baús de viagem, utilizados pela alta sociedade francesa, durante o seu expediente de trabalho, o jovem Vuitton se destacava no ramo do designer, por fazer objetos de viagem que aliavam beleza e praticidade. 

Em pouco tempo ele se transformou em embalador oficial do imperador francês Napoleão III e da imperatriz Eugênia. Em 1854, o designer fundou a sua primeira oficina, a Maison Louis Vuitton Malletier. As pessoas que podiam procurar os seus serviços contavam com novidades no setor de acessórios para viagem, como malas à prova d’água, feitas com um material impermeável em substituição ao couro, criando uma revolução no setor. Os cantos dos baús também ganharam revestimentos, tornando-os mais resistentes. 

Louis Vuitton continuou produzindo por encomenda acessórios que eram muito exclusivos e únicos. Mas sua inovação artesanal era a característica que o fazia ser reconhecido entre os ricos e nobres da época. Nas viagens de navios e trens, as pessoas que apareciam com um acessório revestido com essa estampa eram logo reconhecidas com nobres e de bom gosto.

 Quando Louis Vuitton ganhou o mundo depois de conquistar Paris, a empresa de Louis Vuitton começou a ganhar o mundo a partir de 1870. Um dos responsáveis por essa expansão foi Georges Vuitton, filho do designer, que comandou a inauguração do estabelecimento em Londres. A marca continuou investindo pesado em produtos para viagem e grande parte de suas inovações foram feitas sob encomenda. Georges não somente herdou os negócios de seu pai, mas também a habilidade de atuar no ramo do designer. Na tentativa de driblar as imitações (sim, desde aquela época a empresa já tinha que lutar contra a pirataria), ele modificou muitas peças clássicas.

Além disso, criou uma nova impressão em marrom e bege batizada de “Daimier”, inspirado nos tabuleiros de jogos de damas, que recebia a inscrição “marque L. Vuitton déposée” (marca registrada Louis Vuitton). Mas foi somente seis anos depois de sua morte que a grife estampou seus produtos com a sua marca registrada: monogramas das letras LV granulados, coloridos de marrom e bege e acompanhados de símbolos que reproduziam flores.

O monograma LV hoje é um ícone, além de ser conhecido em todo o mundo, também estampa a maioria de seus produtos como bolsas de luxo, artigos de couro, sapatos, relógios, acessórios, óculos, livros e joias também.

Viva a Louis Vuitton!

Compartilhe nas redes sociais
Publicação Anterior

Churrasqueira Rio lança linha de hambúrgueres com seis receitas exclusivas

Próxima Publicação

Sem festival, Cannes lança cinema dentro dos carros com pipoca e máscaras

65 Comentários

Deixe um comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado.