Flávio Santos e o início da Câmara Portuguesa de Comércio e Indústria do Rio de Janeiro

Feira de Amostras, Revista Vida Doméstica, 14/7/1923, Ed. 48

O objetivo de uma Câmara de comércio, entidade civil sem fins lucrativos, é a de promover o intercâmbio entre países. No mundo atual ela já não se prende ao tradicional, que era o de ocupar-se apenas do desenvolvimento do comércio bilateral. A “Camara Portugueza de Commercio e Industria” no Brasil, em especial, já nasceu com visão mais ampla e diversificada. Não poderia ser diferente, dadas as características peculiares da relação entre Brasil e Portugal.

Já em maio de 1896 a legação portuguesa oferecia ao governo brasileiro proposta de criação de uma câmara de comércio que concorresse para a prosperidade dos negócios. Mas ela só foi inaugurada no dia 10 de Agosto de 1912, em sessão comemorativa no salão de honra da Associação Comercial do Rio de Janeiro. Sob a presidência, inicialmente, do jornalista Botto Machado, cônsul geral no Rio, e depois, Bernardino Machado, ministro português na mesma idade. A instituição nasce de um apelo geral dos comerciantes portugueses domiciliados na capital do Brasil e legalmente autorizada pelo ministro português no Rio e do seu ministro português do Fomento. No ano anterior, um decreto de autorização do governo português, de 16 de Setembro, deu permissão oficial.

Bernardino Machado, Correio da Noite, 4/12/1913, Ed. 0281

O leitor da coluna já conhece a dinâmica da colônia no Brasil, já que não foi tarefa difícil compor os quadros dessa nova instituição com boa e numerosa inscrição de sócios-fundadores, grandes e pequenos comerciantes e industriais portugueses. A entidade tinha uma arrumação interna composta por comissões temáticas: tecidos, “molhados”, despachantes, livraria, ferragens, navegação e ourivesaria, com uma diretoria de 19 membros. Foi eleito para ser o primeiro presidente o senhor José Pereira de Souza.

A sede funcionou em vários pontos do Rio. Inicialmente no edifício da Bolsa de Valores da cidade, na rua 1.o de Março. Depois, em 1914, se instalou no 2.o andar do prédio do Jornal do Commercio. Em 1930, com a construção prédio do consulado português na rua 1.o de Março, algumas instituições, incluindo a Câmara Portuguesa foram transferidos.

Se o antigo palácio da legação portuguesa no Brasil, no bairro do Cosme Velho, nunca perdeu a condição de salão visitas da colônia portuguesa, onde eram recepcionadas as autoridades portuguesas, os da Câmara de Comércio era o local preferencial dos negócios. Suas dependências abrigavam uma feira de amostragens dos produtos portugueses mais consumidos no Brasil, era local de apresentação de seminários temáticos e além de deter um vasto acervo com dados da economia portuguesa e do comércio bilateral.

Não só tratava de questões burocráticas, questões menores e desagradáveis, como roubos de brindes retirados dos caixotes de vinho no porto do Rio, reclamações endereçadas ao ministro da fazenda sobre portarias que modificaram tarifas de importação de produtos estrangeiros, além de fazer arrecadação de fundos para indigentes e mutilados de guerra.

Sessão inaugural, Gazeta de Notícias do Rio de Janeiro, 11/8/1912, Ed.A0224

Outras câmaras foram abertas no Brasil, uma no estado de São Paulo (de comércio e indústria e arte), em 23 de novembro de 1912 e outra em Porto Alegre, em Maio de 1913.

Hoje a Câmara Portuguesa do Rio continua funcionando com princípios muito parecidos, porém atualizados, com atividades culturais, religiosas, workshops empresariais, reunindo empreendedores portugueses para inseri-los em um novo e competitivo mercado global.

Fontes:

O Paiz, 11/10/1911, Ed. 9866; 22/10/1912, Ed.10243; 28/10/1912, Ed.10249; 10/11/1912, 29/0/1913, Ed. 10262; 7/2/1913, Ed. 10350; 13/5/1913, Ed. 10445; 18/5/1913, Ed. 10450; 14/6/1913, Ed.1913; 28/11/1913, Ed. 10644; 21/5/1914, Ed. 10818; 14/07/1914, Ed. 10872; 8/8/1914, Ed. 10897; 27/10/1914, Ed. 10977; 7/12/1914, Ed.11018; 7/3/1915, Ed.11108;

Jornal do Brasil, 18/08/1912, Ed.231; 7/10/1914, Ed. 280; 26/01/1916, Ed. 0026;

Almanak Laemmert, 1914, Ed. A0070;

Coleção de Leis Municipais. 1930, Ed.0054;

Jornal do Commercio do Rio de Janeiro, 20/5/1896, ED. 0141; Retrospercto Comercial, 1912, Ed.01;

Jornal do Commercio do Rio de Janeiro, edição da tarde, 22/4/1912, Ed. 0775 10/8/1912; ED. 870;

Correio da Noite, 4/12/1913, Ed. 0281;

A União 4/2/1917, Ed. 0010; 1924, 16/11/1924, Ed.091;

O Século, 9/8/1912, Ed.1837;

Sites:

camaraportuguesa.com.br

camaraportuguesa-rj.com.br/

Compartilhe nas redes sociais
Publicação Anterior

Hotéis portugueses convidam para almoço de domingo com iguarias do país

Próxima Publicação

Marisa Monte lança o site ‘Cinephonia’ com textos, vídeos e músicas

4 Comentários

  • … [Trackback]

    […] Find More on that Topic: revistadovilla.com.br/2020/06/14/flavio-santos-e-o-inicio-da-camara-portuguesa-de-comercio-e-industria-do-rio-de-janeiro/ […]

  • … [Trackback]

    […] Information on that Topic: revistadovilla.com.br/2020/06/14/flavio-santos-e-o-inicio-da-camara-portuguesa-de-comercio-e-industria-do-rio-de-janeiro/ […]

  • … [Trackback]

    […] Find More to that Topic: revistadovilla.com.br/2020/06/14/flavio-santos-e-o-inicio-da-camara-portuguesa-de-comercio-e-industria-do-rio-de-janeiro/ […]

  • … [Trackback]

    […] Find More here to that Topic: revistadovilla.com.br/2020/06/14/flavio-santos-e-o-inicio-da-camara-portuguesa-de-comercio-e-industria-do-rio-de-janeiro/ […]

Deixe um comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado.