Xandy Novaski entrevista a atriz Norma Blum

NORMA BLUM - Crédito Estúdio Betcher

NORMA BLUM é aquela atriz que proclama emoções somente com o olhar. Completa, plena, faz parte da história da nossa teledramaturgia, cinema e teatro. Atualmente focada numa produção cinematográfica e mergulhada em seus livros, ela nos conta um pouco sobre o que tem feito no mundo da arte e o que vem por aí quando a pandemia se findar. 

Com vocês, uma grande estrela da nossa arte!

1 – Você estava rodando um filme e a produção foi interrompida devido aos perigos da covid-19, doença que vem assolando o mundo. Fale um pouco sobre o projeto e se tem uma previsão de quando os trabalhos serão continuados.

Ano passado tive a felicidade de ser convidada para um personagem no longa-metragem do diretor Ivan Feijó. Os autores do roteiro são Erikah Barbin e Francisco Costabile. É uma história deliciosa sobre o reencontro de quatro senhoras de 80 anos que foram colegas de escola na juventude e não tiveram mais contato depois de formadas. Então se reúnem para uma excursão à Aparecida do Norte em ônibus fretado. Claro que acontece de tudo na viagem. Um prazer trabalhar novamente com Eva Wilma, Neusa Borges, Miriam Mehler e Karen Rodrigues. Meu personagem é uma delícia. “Senhoras Aparecidas” é uma comédia sobre encontros e desencontros. O filme também conta com o talento de Milhem Cortaz, Gorete Milagres, Ana Kutner, Ziza Barbosa, Marcelo Serrado, Antonio Petrin e Sabrina Orthmann. Agora aguardamos o fim da quarentena para terminar quatro dias de filmagem que faltaram.

NORMA BLUM - Crédito Estúdio Betcher

2 – A Norma escreveu alguns livros sobre Poder Pessoal. Quais são eles e de onde veio esse chamado para iluminar tantos caminhos?

Há décadas trabalho com autotransformação através de workshops e palestras motivadoras. Então comecei a escrever livros baseados nesse tema. O primeiro deles foi EXORCIZE SUA BRUXA MADRINHA (baseado em PNL e com exercícios). Depois escrevi dois livros de bolso com mensagens e afirmações positivas para uso diário: PALAVRA DE ANJO e ENERGIA POSITIVA.  Em seguida criei uma história para crianças: O DRAGÃOZINHO SONHADOR, primeiro volume de uma trilogia. O segundo e o terceiro aguardam a finalização das ilustrações.  Também criei a peça teatral ARENA DE ESPELHOS. E mais recentemente a comédia de enganos DE BRUXO E LOUCO… em parceria com Sheila Gomes. Ambas já tiveram leituras dramáticas no Teatro Augusta, dentro do Projeto CENA DEZ. E publiquei minha autobiografia MUITAS VIDAS, VIDA E CARREIRA DE NORMA BLUM, pela COLEÇÃO APLAUSO, da Imprensa Oficial do Estado de São Paulo. PALAVRA DE ANJO, ENERGIA POSITIVA e O DRAGÃOZINHO SONHADOR foram relançados em edições primorosas pela EDITORA HÉRCULES no ano passado.

3 – A espiritualidade sempre esteve presente em sua vida, seja no teatro, na literatura ou TV. Como você vê essa questão de continuidade da vida?

Acredito na evolução espiritual da alma através de inúmeras encarnações. Participei de diversas peças espiritualistas como ALÉM DA VIDA de Chico Xavier, A VIDA CONTINUA, e O DESPERTAR DOS ANJOS de Gabriel Veiga Catellani, entre outras. Viajamos o Brasil de Norte a Sul durante alguns anos com esses espetáculos.

4 – Ainda sobre a literatura, temos uma novidade saindo do forno que é o livro ‘O Ovo de Cristal’, um realismo fantástico para jovens de todas as idades. Tem como revelar pra gente o que vem por aí?

Estou felicíssima com o livro inédito O OVO DE CRISTAL que está sendo impresso no momento e será lançado no fim deste ano, também pela EDITORA HÉRCULES. 

A cada minuto que passa, os do Lado Escuro ficam mais fortes e conseguem implantar seu poder com mais violência. O perigo é que o Ovo de Cristal não retorne a tempo. Ele é a chave, a fonte de energia de todos os Mundos. Foi roubado por um bruxo poderoso e só poderá ser resgatado por um humano. Restam apenas sete dias. Se os malignos conseguirem estabelecer seu domínio, o Universo inteiro será totalmente destruído. Será que a menina Mariana, escolhida para transportar o Ovo de Cristal ao seu lugar sagrado, conseguirá salvar a humanidade a tempo?

Novela Senhora, Rede Globo - Crédito Arquivo Pessoal Norma

5 – No sábado (20.06.2020), ocorreu uma live do maravilhoso texto “Mãe”, escrito pelo Vítor de Oliveira. Essa peça já teve uma leitura presencial em 2017, e foi um grande sucesso. Quais serão os próximos passos para que, em breve (pós-pandemia), o público possa assistir a montagem?

Ainda não sabemos quando o espetáculo MÃE poderá ser encenado no teatro. Espero que em breve porque muitos espectadores merecem conhecer de forma presencial o texto inspirado de Vitor de Oliveira sobre relações familiares. Um passo importante é conseguir verba para a montagem. O sucesso da Live demonstrou mais uma vez como o público se apaixona pelo texto.

6 – A Globoplay tem lançado alguns presentes para os noveleiros de plantão, dentre eles as tramas ‘Insensato Coração’, ‘Além do Tempo’, ‘Celebridade’, e ‘Joia Rara’, das quais você faz parte. Quais outros folhetins com a sua atuação você gostaria que fossem eternizados na plataforma? Por quê?

Gostaria de rever “Ciranda de Pedra” em sua primeira versão, “A Escrava Isaura”, “Vejo a Lua no Céu” e “Senhora” porque considero essas novelas dos anos 70 e 80 exemplos primorosos das primeiras produções de impacto da emissora. O público mereceria assistir o desempenho de inúmeros grandes atores que não estão mais entre nós.

7 – Um olhar meu sobre as produções de novelas: a televisão há anos insiste na tecla do elenco jovem e, muitas vezes, esquece os grandes atores da terceira idade. Isso tem, inclusive, cansado um pouco o gênero. Parece que estamos revivendo os mesmos arcos dramáticos, mas com atores distintos. Não estaria na hora de uma maior participação dos que formam a história na nossa teledramaturgia?

Concordo. Os elencos eram mais variados com a ala jovem e a ala dos veteranos. Isso sempre contribuiu para uma riqueza maior nas tramas e nos conflitos geracionais.

Novela Vejo a Lua no Céu, Rede Globo - Crédito Arquivo Pessoal Norma

8 – Na sua juventude, você viu a televisão invadir o espaço do rádio. Agora temos a internet, que invadiu o espaço da televisão. O que diz dessas mudanças na comunicação que acontece de tempos em tempos?

Vivi os primeiros momentos da televisão no Rio de Janeiro onde as novelas radiofônicas e os espetáculos musicais de auditório predominavam. Era constante ouvir que a tevê acabaria com o teatro e com a literatura. Pior ainda, acabaria com o cinema. Nenhuma dessas previsões se concretizou. Agora falam que a internet vai destruir a tevê. No entanto há lugar para todas as formas de arte. A literatura e o teatro serão eternos, mesmo quando usarem novas plataformas tecnológicas. Os avanços acontecem com celeridade. E vieram para ficar. Cabe aos diversos segmentos artísticos adequarem sua linguagem às novas plataformas. Ainda assim nenhuma transmissão de internet consegue ser mais forte do que a presença em uma sala de teatro ou de concerto.

9 – Além do filme e da peça, quais são seus planos para quando o mundo estiver livre da pandemia?

Finalmente, cedendo às tendências, estou prestes a criar meu canal de Youtube. Comecei a escrita de um romance de fundo histórico sobre sete gerações de mulheres guerreiras. A criação deste romance adulto levará alguns meses. Espero lançá-lo em 2021. Estou trabalhando num projeto de seriado de comédia para plataformas digitais. E continuo disposta a aceitar convites para atuar na televisão e no cinema como atriz.

NORMA BLUM - Novela Escrava Isaura, Rede Globo - Crédito Arquivo Pessoal Norma
Compartilhe nas redes sociais
Publicação Anterior

Chef Emanuel Wollz e as curiosidades sobre o café expresso, uma paixão nacional

Próxima Publicação

Havaianas lança coleção Pride com parte da venda revertida

1.329 Comentários