André Conrado e a Urca - Parte 4: Pão de Açúcar, o deslumbrante cartão-postal!

Vista da Baía de Guanabara no início do Séc XX- Augusto Malta - IMS

A bela viagem no tempo sobre o surgimento do Bairro da Urca, que iniciamos há algumas matérias atrás, está chegando ao fim. E não poderíamos deixar de falar no  maior marco do Bairro; O Pão de Açúcar, que juntamente com o Cristo Redentor, se  transformou no maior cartão postal da Cidade do Rio de Janeiro. 

O Monumento Natural dos Morros do Pão de Açúcar e da Urca é um complexo de Morros localizado no bairro da Urca, na cidade do Rio de Janeiro,  que pelas características únicas, são margeados pelas águas da baía de Guanabara, e constitui-se uma referência turística internacional para a cidade.

Vista Entrada da Baia de Guanabara - XIX - Marc Ferrez
Formato das formas de acúcar

A origem do nome Pão de Açúcar possui diferentes versões históricas.

Segundo o historiador Vieira Fazenda, foram os portugueses que deram esse nome pela semelhança do sítio geológico com a uma forma, feita de madeira ou metal, em que os blocos de açúcar eram armazenados e transportados para a Europa.  

 Outra Versão do Nome seria indígena:

A Grande pedra  teve ao correr do tempo, cronologicamente, os seguintes nomes: “Pau-nh-açuquã” da língua Tupi, dado pelos Tamoios, os primitivos habitantes da Baía de Guanabara, significando “morro alto, isolado e pontudo”; “Pot de beurre” dado pelos franceses invasores da primeira leva; “Pão de Sucar” dado pelos primeiros colonizadores portugueses; “Pot de Sucre” dado pelos franceses invasores da segunda leva. Ortograficamente, segundo a anterior ortografia da Língua Portuguesa, “Pão de Assucar”, era com ss.
O nome Pão de Açúcar generalizou-se, a partir da segunda metade do século XIX, quando o Rio de Janeiro recebeu as missões artísticas do desenhista e pintor alemão Johann Moritz Rugendas e do artista gráfico francês Jean Baptiste Debret que, em magníficos desenhos e gravuras, exaltaram a beleza do monumento natural.

Entrada da Baía de Guanabara- Final do Séc XIX
Alto do Pão de Acúcar – Primórdios do Pão de Açúcar

A cidade do Rio de Janeiro foi fundada perto do Pão de Açúcar, então uma ilha, em 1º de março de 1565. O local foi escolhido para guardar a entrada da Baía de Guanabara e a montanha era importante como ponto de sinalização. Um aterro ligou a ilha ao continente em 1697 e várias construções foram erguidas para defender o território, mas o bairro urbano da Urca só foi construído 300 anos após a fundação da cidade, como vimos ao longo dessa série de matérias.

Os Morros do Pão de Açúcar e da Urca são, desde a fundação da cidade, elementos geográficos marcantes na entrada da Baía de Guanabara, configurando-se em marco natural de sinalização marítima. Aos seus pés foi fundada a cidade do Rio de Janeiro.

 

Como dissemos no início dessa bela viagem no tempo, a Comemoração do Centenário da Abertura dos Portos em 1908, atraiu todos os olhares da cidade e do país para aquela belíssima região, antes explorada militarmente predominantemente. Com a construção do bondinho do Pão de Açúcar, em 1912, o local passou a ser um atrativo turístico, sendo visitado por pessoas do mundo inteiro.

Mirante do Pão de Acúcar - Rio Antigamente
Bondinho 1912 - Revista Fon Fon

“Bondinho do Pão de Açúcar”

Bondinho do Pão de Açúcar foi o primeiro teleférico do Brasil e o terceiro no mundo. Hoje, é um dos principais pontos turísticos do Rio.

Sua trajetória começou em 1908, durante a Exposição Nacional em comemoração do Centenário da Abertura dos Portos, quando o engenheiro Augusto Ferreira Ramos teve a ideia de construir um caminho aéreo para o alto do Pão de Açúcar. 

Ramos conseguiu a autorização da Prefeitura e, em 1909, fundou junto com um grupo de amigos, a Companhia Caminho Aéreo do Pão de Açúcar, que, no ano seguinte, deu início à construção do primeiro teleférico brasileiro. Começava a partir dali uma nova etapa do turismo nacional. Apesar de ser um grandioso projeto, grande parte da população estava desacreditada com o mesmo. 

A operação envolveu cerca de 400 operários. Para erguer a estrutura, alpinistas escalaram os morros da Urca e do Pão de Açúcar levando equipamentos em mochilas, arriscando-se a 400 m de altura. 

Foto tirada do Bondinho com Praia Vermelha - Caminhos

Finalmente, em 27 de outubro de 1912, foi inaugurada a 1ª linha (que ia da Praia Vermelha até o Morro da Urca). Três meses depois, em 18 de janeiro de 1913, foi inaugurada a 2ª linha (que ia do Morro da Urca até o alto do Pão de Açúcar). Iniciava-se então uma nova forma de lazer pela cidade.

Bondinho e Pão de Acúcar em 1912

 Em 1969, a Companhia do Pão de Açúcar obteve autorização para duplicar a linha. Em 1970 as obras foram iniciadas e dois anos depois, quatro novos bondinhos foram inaugurados, com design moderno.  Em 2008, o Bondinho passou por mais uma mudança; ganhou um novo sistema digital de comando e potência, além de vidros fumê, antirreflexo e sistema de ventilação.

Com esse belíssimo cartão postal, e marco internacional de nosso país, encerramos essa série de matérias do lindo Bairro da Urca, que mais que belo e histórico é um símbolo da beleza mundial!!!

Bondinho na atualidade - reprodução

Não percam a próxima matéria!  Embarcaremos rumo à uma histórica e bela ilha no interior da Bahia de Guanabara, considerada romântica, e misteriosa! Até a próxima! 

Fontes e Créditos: 

Urca.net

Rio Antigamente

Instituto Moreira Salles

Caminho Aéreo Pão de Açúcar

Augusto Malta – Marc Ferrez

Compartilhe nas redes sociais
Publicação Anterior

Xandy Novaski entrevista os cabeleireiros e maquiadores Aramis & Freitas

Próxima Publicação

Azul sai na frente e é eleita melhor do mundo pela TripAdvisor

12 Comentários

  • Sempre MARAVILHOSO!!!!! Belíssima reportagem! PARABÉNS!!!!

  • Que massa! Adorei, fiquei aqui imaginando como deve ter sido difícil a construção deste teleférico com 400 metros de altura. Parabéns!

  • André! Ficou Muito bonito! ESPETACULAR!!!!MUITO BOM MESMO!!!!ADOREI!!!

  • Matéria Maravilhosa!!!

  • Realmente é lindo o nosso cartão postal!
    Parabéns pela matéria!! 👏🏻👏🏻👏🏻

  • Simplesmente maravilhoso!!!! Adorei!!!! Sempre encantador!!!!

  • Espetacular 👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻

  • Amo tua coluna, André!!!
    Esse formato de açúcar é comercializado no Marrocos até hoje. Coincidentemente, mostrei este açúcar em meu canal no YouTube há 3 semanas, quando foi ao ar a minha visita aos nômades berberes marroquinos.
    Juroooooo que quero te ouvir dizendo “Pau-nh-açuquã”, que deve ter a mesma pronúncia de um chocolate (piada interna)… haha. Vou comprar passagem pra Salvador agora, só pra ouvir esse esse pain au chocolat… preciso, s’il vous plait! Hahahaha

  • A Urca é tão linda e o Pão de Açúcar apaixonante. Como sempre aprendi mais um pouco com essa coluna. Uma delicia de ler!

  • … [Trackback]

    […] There you can find 21126 more Info to that Topic: revistadovilla.com.br/2020/08/05/andre-conrado-e-a-urca-parte-4-pao-de-acucar-o-deslumbrante-cartao-postal/ […]

  • … [Trackback]

    […] Read More on to that Topic: revistadovilla.com.br/2020/08/05/andre-conrado-e-a-urca-parte-4-pao-de-acucar-o-deslumbrante-cartao-postal/ […]

  • … [Trackback]

    […] Read More on that Topic: revistadovilla.com.br/2020/08/05/andre-conrado-e-a-urca-parte-4-pao-de-acucar-o-deslumbrante-cartao-postal/ […]

Deixe um comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado.