Roseli Siqueira e os cuidados essenciais em dois pontos vitais

Conheço quem garanta que a idade de uma pessoa se revela pela aparência da pele do pescoço e do colo.

Discordo. Os ingleses e os nórdicos, por exemplo, por questões genéticas desenvolvidas pelos povos do norte da Europa, apresentam envelhecimento precoce nessas partes do corpo, em relação a outras etnias. E o que dizer daqueles frequentadores assíduos de praia, do tipo que ficam das 10 horas às 16 horas todos os dias, como é comum no Rio de Janeiro? Aos 45 anos já estão com o pescoço e o colo bastante comprometidos pela exposição ao sol.

O tempo faz com que os vasos sanguíneos do pescoço se degenerem, tornando a pele da região sem oleosidade natural, mais áspera e sujeita a manchas. Sem contar que a postura errada durante o sono ( travesseiros muito altos ou posições “encolhidas” ) também pode produzir vincos ou sulcos definitivos entre o colo e o pescoço. Os homens nem se preocupam tanto com isso, mas as mulheres sabem a importância de manter um colo atraente e um pescoço jovial, principalmente porque a moda feminina sempre valorizou decotes e cortes ousados na região do ombro.

Devemos considerar, portanto, o colo e o pescoço como pontos realmente vulneráveis e expostos a agressões externas. Sem contar que a pele dessas áreas é mais delicada e sensível do que a do abdômen ou dos braços, por exemplo. Pena que a maioria espere surgir os primeiros sinais de envelhecimento para começar a ter cuidados diários. Quando ocorre flacidez dos tecidos, vincos no pescoço, surgimento de manchas, perda de viço no colo, inibição da produção de fibras de colágeno e elastina, o alarme do corpo já entrou em ação.

Também de nada adianta pensar que apenas tratamentos superficiais trazem resultados. Precisamos pensar de modo mais abrangente, buscando melhorar a postura (Educação Postural Global, Pilates, RPG, Eutonia e Rolfing ), a alimentação e a posição de dormir, além de fazer exercícios que trabalhem a musculatura do colo e do pescoço. Somando-se a isso, claro, uma série de procedimentos de hidratação e tratamentos regenerativos à base de produtos naturais. Tenho sabido de casos terríveis com pessoas que aplicaram drogas nessas regiões tão cheias de vasos sanguíneos e glândulas. O uso de Toxinas Botulínica, por exemplo, oferece, entre os riscos, o enfraquecimento da musculatura que mantém o pescoço ereto e até dificuldade na deglutição de alimentos. Alguns tipos de emissões podem abrandar a poiquilodermia de Civatte, que são aquelas manchas vermelhas no pescoço, responsáveis pelo aspecto “papo de peru”. Despigmentantes só trazem problemas, é bom saber. Não será anulando as características da pele e das células que vamos obter resultados. Estaremos, assim, apenas transferindo um problema de lugar. Ou criando outros em médio prazo.

Lembre-se, também, que o mesmo produto pode não ser indicado para o colo e para o pescoço. A situação ideal, além do que comentamos acima, está em massagens à base de algas, drenagem linfatica, ionização ou microcorrentes, em ações que venham irrigar os tecidos, promovendo nova vida às células que produzem fibras e ativando a circulação comprometida.

Compartilhe nas redes sociais
Publicação Anterior

Mosteiro São Vicente de Fora, em Lisboa, guarda a história de Portugal e um dos melhores miradouros da cidade

Próxima Publicação

Kênia Esteves entrevista Dayane Almeida, proprietária do Manito Praia

Deixe um comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado.