Cláudio Vaz entrevista Érika Santos - grande influenciadora digital brasileira

A Revista do Villa e Cláudio Vaz apresentam a influenciadora Érika Santos que é psicóloga, palestrante e escritora. Hoje ela conta um pouco sobre sua experiência na moda internacional e viagens mundo afora.

Érika Santos possui 1.4 milhões de seguidores no Instagram que estão acostumados a acompanhar seu estilo de vida e viagens por todo mundo. São mais de 70 países visitados e também atua como correspondente de fashion cobrindo as principais semanas de moda nas principais cidades como NYC, Londres, Paris, Milão e Budapeste. No ano de 2019 a influencer foi ganhadora do prêmio World Blogger of the year pela Forbes, recebido durante o festival em Cannes, que ocorre anualmente sob o “tapete vermelho”. Foi ganhadora também do prêmio World Influencers Congress de melhor blogger em 2019.

Em 2020 durante a quarentena foi entrevistada pela Revista Forbes onde falou sobre a transformação digital e o papel dos influenciadores durante a pandemia.

Érika Santos sabe exatamente como cortar o barulho – sair da superficialidade e se conectar profundamente de coração para coração com seus seguidores. Ela acredita no futuro pós-pandemia, porém alerta que todos serão conhecidos pelo seu legado neste período: “Você não será conhecido mais por sua experiência profissional mas por como se comportou durante o mundo pandêmico e como atuou durante a situação, apoiando pessoas e empresas em necessidade”, afirma Érika.

Do Irã a Grécia, do Brasil aos Estados Unidos, suas mensagens de positividade, conectividade e despertar alinhadas com ações estratégicas e empáticas, colaboração mútua e sustentabilidade continuam ecoando.

C.V – Poderia nos falar sobre engajamento social, relevância do conteúdo e comportamento dos seguidores antes e depois da COVID-19. O que mudou? Está mudança veio para ficar ou é temporária?

E – O fundamento do que fazemos em nosso setor é servir às pessoas. Valorizo o fato de que nossa atividade seja baseada em ajudar o próximo através do fornecimento de informações valiosas e que podem melhorar suas vidas. Esse é realmente o nosso trabalho daqui para frente.

Acredito que este momento constitui a maior oportunidade empreendedora da história e representa uma pequena parte de um desenvolvimento natural e lógico de nossa economia. As pessoas possuem uma grande necessidade agora, precisam de orientação, conselhos e coaching, e você pode dar isso a elas e fazer uma diferença substantiva usando sua plataforma para fazer o bem. Isso vai gerar real engajamento e mudará a forma como nos relacionamos com nossa audiência. Algo dentro de mim entendeu que ajudar e ensinar outras pessoas é a trajetória para uma vida significativa. Meu foco sempre esteve no meu público e nos meus valores: ser sempre verdadeira, honesta, humilde e real. Eu acho que REAL é a palavra chave. E agora que estou usando todo meu aprendizado de uma vida para ensinar meus alunos e mentoria-los.

C.V – Você é influenciadora de moda e viagens. Como isso se conecta e quais seus destinos favoritos?

E – A moda sempre fez parte da minha vida. Começou com minha mãe costurando para mim e transformou-se em uma carreira de mais de 20 anos de experiência. De vendedora da loja Forum do shopping Iguatemi, visual merchandising, stylist, internacional buyer, diretora de varejo e marketing de empresas multinacionais. Hoje sou correspondente de de moda cobrindo os principais eventos de moda e colaborando com revistas renomadas como a L’Officiel Brasil e Glamurama.

Há alguns anos, governos de países começaram a me convidar para Press Trips para cobrir o estilo de vida, cenas de moda e cultura. Minhas viagens favoritas são para lugares exóticos onde as pessoas geralmente não querem visitar por preconceitos ou idéias preconcebidas, baseadas na falta de informações, cobertura unilateral da mídia e completo mal-entendido sobre como o país e as pessoas realmente são. É por isso que adoro apoiar projetos de mudança de percepção – onde posso mostrar ao público a realidade e o que a grande mídia não cobre sobre esses destinos talvez complicados, mas fascinantes.

C.V – Você esteve recentemente no Irã – você pode compartilhar alguma história interessante dessa viagem?

E – Existem 02 lados diferentes no Irã. Quando o projeto @feeliran me convidou para ir até lá, a maioria das perguntas eram: Por que? Para que ? Mas não é perigoso? Você está segura?

O Irã não é a primeira opção quando pensamos em um destino de viagem. O primeiro grande impacto foi a hospitalidade. Recebi diariamente mais de 5.000 directs no meu Instagram com mensagens como: “ Muito obrigado por mostrar ao mundo que não somos terroristas”, “Estou me apaixonando pelo próprio país através de seus olhos”, “Obrigado por usar o hijab, porque é exigido por lei”, “Érika nós amamos você”. As mais surpreendentes mensagens de amor, carinho e gratidão – isso nunca aconteceu comigo em nenhum outro país do mundo e me conectou com o povo iraniano em um nível emocional e me fez apaixonar pelo povo e pelo país.

C.V – Que mensagem você deseja compartilhar com as jovens Iranianas que desejam mais liberdade de moda?

E – Eu mantenho contato com meu povo iraniano e alguns deles tornaram-se bons amigos e conversamos diariamente. Partilho com eles minhas histórias da vida real e minhas lutas desde que eu era jovem e como isso me fez uma mulher forte hoje. A compreensão de que – nunca podemos nos deixar congelar em nossa dor e isso é muito importante.

O impacto da viagem na minha vida e na vida delas é muito comovente e eu sempre digo a elas para não olharem para o que está acontecendo agora, mas para focar onde elas desejam estar e trabalhar duro para alcançar seus objetivos. Não esperar nada de ninguém ou casar por suporte financeiro, mas estudar, trabalhar e conquistar a vida que elas querem viver. Toda a dor e sofrimento fizeram delas as mulheres fortes que são hoje e se elas se conectarem com essa força real e com o coração maravilhoso que elas possuem – elas conseguirão tudo o que querem.

Por exemplo, a famosa artista iraniana Shirin Neshat que gravita entre fazer arte falando sobre tirania, ditadura, repressão e injustiça política – uma expressão de protesto, um grito pela humanidade. Ela é uma respeitada artista iraniana que exibe seu trabalho nos mais importantes museus em todo o mundo. Ela está aqui em Los Angeles no The Broad, e realmente amo o trabalho dela. Ela canalizou a dor para criar força através da arte.

Para conhecerem mais do incrível trabalho dessa influenciadora sigam o perfil @erikasantos.

Compartilhe nas redes sociais
Publicação Anterior

Castelo de Numão em Portugal: enorme complexo que sofreu com guerras e catástrofes

Próxima Publicação

Kênia Esteves entrevista Marcelo Miranda, diretor executivo da M.M. Produções, pioneira no Sul da Bahia no segmento Audiovisual

Deixe um comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado.