O talentoso, criativo e excelente artista-plástico Mario Camargo é o convidado da semana de Chico Vartulli

O talentoso artista plástico Mario Camargo.

Mario Camargo, carioca descendente de família paulista, mais precisamente de Capivari, cidade onde nasceu a grande pintora Tarsila do Amaral, sua prima.

Mario, desde jovem, teve seus interesses divididos entre o desenho e a matemática. Cursou engenharia na UFRJ e chegou a cargos importantes em multinacionais europeias.

O trajeto Rio/Bruxelas/Liege, rotas obrigatórias por força da profissão, tinha sempre Paris como parada obrigatória. Em Paris, o artista visual se via diante das suas grandes paixões: Monet, Courbet e Daniel Buren.

Este trabalhos são da série, Peles das paredes em que foram abandonados os chassis e a forma retangular. A busca pela terceira dimensão, evidência seu desejo escultórico.

Pouco a pouco, a pintura passou a ocupar o seu tempo de forma integral e as oportunidades artísticas começam a surgir. A família cresceu: mulher e os 3 filhos transformaram o seu o dia a dia, mas o binômio arte/engenharia continuou.

Os seus, cada vez mais frequentes encontros com artista e curadores, resulta em importantes aproximações – Esther Emilio Carlos, curadora do Ibeu, o convida para uma exposição individual, seguida de exposições em galerias em Paris, além de indicá-lo para um encontro de artistas sul-americanos. em Santiago do Chile.

Além de Mario, representavam também o Brasil, os artistas Ianelli e Carlos Vergara. Ainda em Santiago, também participou de uma exposição no Museu de Belas Artes com o patrocínio da empresa de Energia Enersis, montada com todos os artistas participantes deste encontro. 

De forma de losango é uma homenagem ao pintor brasileiro Raymundo Colares, que Mario Camargo dedicou.

Foram surgindo oportunidades de exposições em Feiras de arte em Paris, exposições em Nova York, Roma, Miami e Namir. Uma vez em Paris, o crítico de arte Pierre Restany fez um comentário sobre a obra de Mario e anos mais tarde o artista viu que na verdade fora um previsão: 

“Mario seu trabalho se libertará dos chassis e será as peles das paredes…”Para alguém que passou a vida na prancheta, se libertar dos chassis e do retângulo era improvável, mas que todavia foi vital para seu crescimento.

No Parque Lage a importância de mestres como João Magalhães, Iole de Freitas, Sonia Salcedo e  do amigo David Cury, formaram um alicerce para sua obra.

Foto de Mario ao lado de um dos seus colecionadores e amigo o ator Matheus Solano.

Prêmios de viagem, ao Chile, França e USA fazem parte de sua trajetória, como também a participação na Bienal de Florença à convite do curador Ruy Sampaio.

Colecionadores importantes possuem suas obras: Esther Emilio Carlos, Carlos Alberto Serpa, Empresa de petróleo Shell, C.C.Correios, Grupo Eduardo Kalache, Mateus Solano, Sonia Madeira de Lei, Ruy Sampaio e Coleção Arden Smith Laguna Beach.

Com uma nova exposição no IBEU, programada para o início de 2021, Mario Camargo mostrará trabalhos sem formas retangulares, sem chassis e buscando ao mesmo tempo ser as ‘’peles das paredes’’ e flutuar no espaço.

Mondrian Passou pôr aqui, uma singela referência, em tinta  acrílica comenta Mario.
Compartilhe nas redes sociais
Publicação Anterior

Xandy Novaski entrevista o artista plástico, cantor e músico Josué Valentim

Próxima Publicação

Gero: a sofisticação reabre em novo endereço

Deixe um comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado.