Domingos Antunes apresenta a trajetória do pintor, gravador, ilustrador e muralista Ciro Cozzolino

Entre 1975 e 1979, o pintor, gravador, ilustrador e muralista Ciro Cozzolino estuda no Instituto de Artes e Decorações – Iadê . Em paralelo, participa de salões em diversas cidades brasileiras, sendo premiado no 1º Salão da Escola Artpop, em 1976. 

No ano seguinte, participa do Festival de Cinema de Gramado, na categoria Animação Experimental. Em 1979, freqüenta o ateliê de litogravuras de Paulo Menten. Ingressa na Faculdade de Belas Artes de São Paulo em 1980, mas parte para a Europa no ano seguinte, fixando-se em Madri (Espanha) e, entre 1982 e 1985, em Paris (França). Nesta cidade, torna-se assistente de Piza em 1982, aluno da École Supérieure de Beaux-Arts em 1983, e colaborador da Galerie de Bellechasse, entre 1982 e 1984. 

De volta ao Brasil, integra o projeto Arte na Rua 2, em 1984, e participa da mostra Como Vai Você, Geração 80?, na Escola de Artes Visuais do Parque Lage – EAV/Parque Lage, no Rio de Janeiro. Em 1985 retorna a Paris, e no ano seguinte, fixa-se novamente em São Paulo, onde realiza a sua primeira individual em 1987, na Subdistrito Comercial de Arte. Em 1990, ingressa no grupo Tupinãodá com os artistas Zé Carratu e Carlos Delfino. 

Em 1992, ao lado de Arthur Lara e Carlos Delfino, funda o grupo Rastronautas. Em 1997, participa da mostra Infláveis, realizada em São Paulo, Salvador e Belo Horizonte. Em 2002, expõe na coletiva Rendam-se, Terráqueos!, na Casa das Rosas, em São Paulo. Em 2003 integra a exposição coletiva “2080” no Museu de Arte Moderna em São Paulo.  No ano de 2004, participa da reedição da Mostra “Como vai você, Geração 80?”, no Centro Cultural Banco do Brasil, no Rio de Janeiro. Em 2011, participa da coletiva na Spray Galeria. Em 2014, ao lado de Leda Catunda, Sérgio Romagnolo, Sergio Niculitcheff e Ana Maria Tavares apresentam a reedição da mostra “Pintura como Meio, 30 anos depois” no MAC Ibirapuera em São Paulo. Em 2017, voltou a se juntar aos artistas Carlos Delfino e Zé Carratu para fazer intervenções urbanas. Pintaram dois painéis de prédios no centro da cidade de São Paulo e em 2019, na Galeria Barco, fizeram a exposição “Caminho Suave”. Ciro Cozzolino possui obras no acervo do MAC Niterói, RJ e MAC Ibirapuera, SP.

 

Colaborou Ahmad Kamal Jabra Taha

Compartilhe nas redes sociais
Publicação Anterior

Cristo Redentor e Hemocentros do Brasil se unem em homenagem ao Dia Nacional do Doador de Sangue

Próxima Publicação

Xandy Novaski visita o memorial árabe em Curitiba

Deixe um comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado.