Petro Pupe entrevista o diretor de caracterização Ariel Cohen

Diretor de Caracterização para cinema e TV, atua ativamente nas áreas de makeup artística, EFX’s e social. No mercado de trabalho tem clientes nada menos que FOX, Globo, Record, Canal Brasil, ENDEMOL, VISOM, Maria Farinha Filmes, Conspiração Filmes, dentre outras.

Formado em publicidade, graduado em artes cênicas e licenciado em artes visuais. Atualmente ocupa o cargo de Diretor de Caracterização na emissora de TV e ainda arruma tempo para gerenciar uma ONG que fundou aos 17 anos.

Ariel Cohen divide o seu tempo assinando as caracterizações de séries, novelas e reality. Realiza laboratórios de aperfeiçoamento em makeup no mercado nacional e internacional. Mas você pode ve-lo também em hospitais, vestido de palhaço brincando com as crianças.

1) Ariel, como foi o seu início na carreira? O que, lá atrás, te atraiu nessa profissão?

Eu costumo dizer que: ‘não escolhi a make, a make me escolheu’. Eu trabalhava como voluntário num projeto com crianças de rua na Cinelândia e na Candelária. Eu estava com 17 anos aproximadamente quando a chacina da Candelária aconteceu. As crianças que sobreviveram foram levadas para um abrigo – uma chácara comprada por uma igreja batista de lá. Por estar ali envolvido ganhei um curso de makeup de uma das pessoas que ajudavam aquele projeto. Era o inicio de tudo.

2) Como é sua relação com a moda?

Eu desde cedo folheava um catálogo de moda da minha mãe, ele era todo desenhado e datava da década de 50… (risos). Além de usar as folhas de moldes da minha mãe como meus mapas cartográficos nas aventuras de criança, eu tinha uma imaginação fértil… Mas minha mãe me pedia sempre para desenhar uns modelos de roupa que ela gostava para deixar na casa da costureira… Eu ja tinha uns 9 anos de idade… Anos mais tarde me pos graduaria em Indumentária, figurino e carnaval… Mas só a apenas dois anos me lancei nas passarelas com a Casa de Criadores onde assumi a make de cinco estilistas. Esse ano por conta da pandemia do Covid-19 assumi apenas uma estilista, Priscila Silva Brand. Foi lindo.

3) Você iniciou sua carreira e com 17 anos fundou uma ONG. Como surgiu esse maravilhoso projeto? Como funciona o trabalho na ONG?

Sou filho de pai e mãe judeus de linha ortodoxa, então desde meus 06 anos de idade ja os via fazendo mitzvot (boas obras) aos menos afortunados. Isso moldou meu modo de pensar. Aos 08 anos eu abri um grupo de escoteiros e tive 89 meninos participando – o grupo durou 4 anos. Depois disso eu comecei a acompanhar minha mãe em visitas a hospitais, visitava o orfanato local e um asilo onde eu ia pra fazer companhia aos idosos… Aos 17 já tinha arregimentado alguns jovens e adultos que se interessariam em trabalhar num projeto social numa invasão próxima de onde morávamos.

O trabalho da ONG se foca em resgatar a infância perdida, alcançar crianças e adolescentes em situação de risco e vulnerabilidade social, nosso site é: www.institutocohen.org.br

4) O Instagram tornou-se uma vitrine para o seu trabalho. Como foi o início desse formato de divulgar o seu trabalho e exaltar os clientes?

Sim o Instagram tornou-se a mais completa ferramenta no que se diz respeito a publicidade. Eu nunca quis me expor, mas tornou-se obrigatório pois precisava levantar recursos para nossa ONG – e deu certo, pois 100% líquidos, dos recursos advindos de meus trabalhos de makeup são destinados a manter meu projeto da ONG.

5) Sua trajetória é extensa, acumulando uma bagagem profissional belíssima. O que tem a dizer aos que estão iniciando agora na área?

Humildade é o ponto de partida, saber honrar e sempre falar de quem te ajudou no inicio de sua carreira. E se envolva com causas sociais, aprenda a dar pois só assim irá receber. Se suas mãos estiverem abertas para dar, elas estarão na posição certa para receber… Estarão abertas.

6) Quais são seus planos para o futuro?

Penso em ampliar as ações da minha ONG, e em 2021 se D’us quiser, estaremos lançando nossa primeira série para um conhecido canal de streams. Você pode acompanhar nosso trabalho em: @institutocohen.ong no Instagram.

Produção: @camelo.gad - Fotos: @giovani_ziruht
Publicação Anterior

Dr. Rondó Jr. : ‘É disso que você precisa para acabar com zumbidos no ouvido’

Próxima Publicação

Galeria Zagut comemora os 100 anos da escritora Clarice Lispector com exposição

748 Comentários