Douglas Delmar apresenta Deolinda Rodrigues, um talento precoce do fado

Deolinda Rodrigues - Crédito Cá e Lá, o Intercâmbio Cinematográfico entre o Brasil e Portugal

Jovem talento do fado, Deolinda Rodrigues nasceu em Telheiras, Lisboa, no ano de 1924. Ainda cedo, perdeu sua mãe e a família passou a viver com limitações financeiras. Iniciou a carreira ainda na infância, onde começou a cantar por brincadeira na Sociedade de Recreio União Familiar de Telheiras. 

Suas qualidades artísticas foram sendo reconhecidas e apreciadas. Com vinte anos, participou do Concurso da Primavera organizado pelo Diário Popular, onde obteve a segunda colocação. Foi contratada por um empresário chamado José Miguel para cantar na casa O Retiro dos Marialvas. Trabalhando em um escritório, Deolinda passa a realizar as duas atividades, se dedicando exclusivamente à música quando seus ganhos financeiros se tornam mais significativos.

Vinil Deolinda Rodrigues  - Crédito Tecla

Estreou no teatro, com a peça Cartaz da Mouraria. Atuou também em diversas operetas. Dona de uma boa voz e uma capacidade artística e sentimental para interpretar, aliada de atributos como beleza clássica e forte presença física, não tardou para que Deolinda Rodrigues chegasse ao cinema. Após um período de dois anos afastada da vida artística, fez participações em filmes como Cantiga da Rua (seu primeiro filme onde atuou com a atriz Eunice Muñoz) em 1950, Madragoa (1956) e O Passarinho da Ribeira (1960). Embora cantasse no rádio, preferia apresentar-se pessoalmente, segundo ela: “Nas casas típicas o público está perto de mim e posso ver a reação. E quando sinto que o público sente aquilo que canto, eu sinto ainda mais profundamente. E sou eu, só eu. Ninguém interfere”.

Cartaz de Cantiga da Rua - Crédito CINEPT

Deolinda Rodrigues passou pelas melhores casas de fado de Portugal, mas também realizando apresentações em países como o Brasil (fazendo enorme sucesso), Moçambique, Angola, Espanha, EUA e Canadá. Lançou sucessos como Valeu a Pena, Fado da Saudade, Triste o Meu Fado, entre outros. Em 1996 esteve entre o elenco da telenovela Vidas de Sal.

Comemorou seus 60 anos de carreira em 2005 com um espetáculo realizado em Lisboa. Recebeu a medalha Municipal de Mérito, Grau Prata, destacando-a como um nome “incontornável da canção nacional na primeira metade do século XX”.

Em 2015, Deolinda Rodrigues faleceu em Lisboa, aos 90 anos, contribuindo para o enriquecimento da cultura lusitana, assim como outros artistas de Portugal.

Deolinda Rodrigues - Crédito Museu do Fado
Compartilhe nas redes sociais
Publicação Anterior

Xandy Novaski entrevista o modelo Caio Moraes

Próxima Publicação

Ana Jardim: ‘Era uma vez uma poetisa’ – Parte I

59 Comentários

Deixe um comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado.