Chico Vartulli apresenta Luciana De Lamare, diretora-executiva do Vale do Café Convention & Visitors Bureau

Luciana De Lamare - diretora-executiva do Vale do Café Comvention & Visitors Bureau. Crédito: Vivian Rigueira.

Com mais de 18 anos de experiência no setor de Hospitalidade e Eventos, a diretora-executiva do Vale do Café Convention & Visitors Bureau, Luciana De Lamare, está à frente do “Bureau”, como é carinhosamente chamado, desde fevereiro de 2020. No setor privado, a executiva trabalhou em Hotelaria, Capacitação profissional, Gestão de empresas de Turismo e Eventos e se tornou uma das principais especialistas em captação de eventos do país. No setor público, ela foi diretora de Planejamento e Projetos da TurisRio/Setur-RJ até o início de 2020. No período em que estava nesse cargo ela conheceu a região do Vale do Café, pela qual se apaixonou.

 Formada em Hotelaria, pela Vatel Business School, em Lyon, na França; pós-graduada em Marketing, pela Universidade Católica do Porto, em Portugal, e com Mestrado em Turismo, pela Universidade do Porto, em Portugal, a carioca se dedica hoje exclusivamente ao Vale do Café Convention & Visitors Bureau. A entidade sem fins lucrativos foi fundada no final do século XIX, em Detroit, nos EUA, e tem o objetivo de promover a união de empresários que têm um propósito em comum: divulgar a região e suas vocações econômicas atraindo negócios e trazendo prosperidade. Para quem não sabe, o Vale do Café é a denominação turística para o conjunto de 15 municípios da lindíssima região do Vale do Paraíba do Sul Fluminense, localizada a cerca de 120 km da cidade do Rio de Janeiro.

Jardim Ecológico Uaná-Etê, em Engeheiro Paulo de Frontin. Divulgação

 Muitos desconhecem a importância, o potencial, as belezas naturais únicas, a infinidade e variedade de opções de lazer e diversão, e os tesouros da região, que, além de ser muito rica em arte e cultura, é guardiã do patrimônio natural, da Mata Atlântica e do rio Paraíba do Sul, o mais importante da região sudeste. Luciana De Lamare fala com entusiasmo sobre a região: “São mais de 120 fazendas, muitas estão inseridas em projetos de preservação ambiental e estão comprometidas com o agroflorestamento, já que a região foi devastada e castigada durante o século XIX com a monocultura do café. O Vale também é comprometido com a sustentabilidade e se destaca pela preservação do patrimônio natural e cultural.” Na região, há um legado preservado de um período histórico relevante para o Brasil. “Somos o berço de um legado do Brasil Império, algo que não existe em nenhuma outra região do país.”, acrescenta ela.

Parque  e Jardim Ecológico Uaná-Etê, no Vale do Café. Divulgação

Parques naturais, espaços ao ar livre, tradição musical, arte, cultura, experiências gastronômicas, belezas naturais, fazendas históricas que pertenceram aos famosos barões do café no século XIX, casarios antigos, igrejas, rotas de cafés especiais (a região produzia 75% do café consumido no mundo, o que garantiu ao Brasil na época a liderança mundial na produção e exportação de café), cachaçarias, museus, turismo ecológico e rural, contato com animais, pescaria, aulas de equitação, hortas orgânicas, trilhas, palácios coloniais, monumentos pitorescos, cachoeiras, mirantes, haras e escola de arquearia estão entre alguns dos atrativos e preciosidades da região abençoada pela Mata Atlântica. O Vale do Café também abriga o Jardim Ecológico Uaná-Etê, em Engenheiro Paulo de Frontin; o Parque Estadual da Serra da Concórdia, em Barão de Juparanã/Valença, e o Museu Casa da Hera, localizado no município de Vassouras.

Fazenda das Palmas, em Engenheiro Paulo de Frontin, um dos nobres salões da fazenda. Foto: Lorena Zschaber

A diretora-executiva do Bureau está de olho no futuro da região. “Geralmente se fala muito do passado do Vale do Café. Estamos preocupados com o presente e o futuro da região.”, completa a executiva. Como parte do reposicionamento do Vale do Café no cenário turístico nacional e visando concretizar ações em prol da região, o Vale do Café Convention & Visitors Bureau lançou recentemente o site de turismo na região, www.valedocafeturismo.com. A cerimônia de lançamento oficial do portal, que foi lançado no dia 11 de janeiro de 2021, contou com a apresentação do ator e cantor Toni Garrido e as presenças da chef Flávia Quaresma, da harpista Cristina Braga, do empresário Ronaldo Cezar Coelho, entre outros que elegeram o Vale do Café para viver e empreender. “O site é recheado de curiosidades, roteiros temáticos para os mais variados públicos e informações sobre os cafés especiais, os eventos musicais, as fazendas, os jardins ecológicos, a rota de produtos orgânicos, as trilhas de cicloturismo, os passeios a cavalo e muito mais.”, explica Luciana.

Ponte  Engenheiro Paulo de Frontin, em Miguel Pereira. Crédito: Lorena Zschaber.

 Segundo a diretora-executiva, “o Bureau reacendeu a chama de uma das regiões turísticas mais importantes do país, que se manteve durante muitas décadas como um tesouro muito bem guardado e que agora está acessível a todos.” Mais atual do que nunca, o Vale do Café, cenário histórico e berço da cultura cafeeira do Brasil, ressurge como destino turístico de vanguarda, um verdadeiro espaço de imersão na natureza e no turismo de experiências. “Estamos habituados a imaginar o Vale do Café como um local parado no tempo, mas a verdade é que ele é um destino de vanguarda. Em tempos de pandemia, os amantes da natureza e da arte se refugiam cada vez mais na região em busca de ar puro, privacidade, novas experiências e para se reencontrar com a nossa própria cultura.”, finaliza Luciana De Lamare, diretora-executiva do Vale do Café Convention & Visitors Bureau.

Museu Casa da Hera em Vassouras. Crédito: Lorena Zschaber.
Publicação Anterior

Ovadia Saadia: Palácio Tangará é o refúgio perfeito para staycation em São Paulo

Próxima Publicação

Parque de diversões em Dubai apresenta o balanço mais alto do mundo

740 Comentários