As melhores trilhas e dicas para explorar Petra, a cidade perdida

Não há ninguém que tenha visto o filme “Indiana Jones e a última cruzada” que não sonhe em caminhar por entre os canyons de Petra, a cidade perdida. A história por trás de Petra é também toda ela feita do material de que as lendas são feitas: depois de ter sido construída, ou melhor, esculpida no século 4 A.C. pelo Nabateus, Petra resistiu à invasão dos Gregos graças à sua localização estratégica, mas o mesmo já não aconteceu quando o Império Romano conquistou Petra. Mais tarde toda a zona passou para as mãos dos Bizantinos até, inexplicavelmente, ter ficado abandonada e perdida desde o século 8 até 1812, quando foi descoberta pelo explorador suíço Johann Ludwig Burckhardt.

Atualmente é redescoberta pelos milhares de visitantes que a exploram todos os anos e nada melhor do que algumas dicas para tirar o melhor proveito da visita, a começar pelas trilhas mais incríveis para explorar os 60 Km2 do sítio arqueológico.

A trilha principal: também conhecido por Siq, demora cerca de 20/30 minutos para percorrer e vai da entrada do sítio arqueológico até à atração principal de Petra, o Tesouro. O caminho é quase sempre plano e sem qualquer dificuldade e é difícil descrever o que se sente ao percorrer aqueles dois quilômetros por entre uma falha geológica natural, com 4 ou 5 metros de largura e 70/ 80 metros de altura. E no fim do caminho, o vislumbre.

A trilha até o miradouro do Tesouro há vários pontos para tirar fotos e até alguns vendedores de chá. A trilha tem só um sentido por isso no fim será necessário voltar pelo mesmo caminho.

A trilha do sacrifício é só continuar a descer até passarem pelo Teatro Nabantino e pelo Túmulo Una Shu até encontrarem uma trilha à esquerda que sobe em direção à montanha. A trilha é sempre de subida durante 30 minutos até chegarem ao topo e encontrarem as melhores vistas dos túmulos. Sim, os monumentos e fachadas de Petra são, na sua maioria, túmulos de nobres nabateanos.

Daqui podem voltar para trás, para o ponto onde começaram a caminhada, ou continuar para uma outra trilha, o Wadi Farasa, que demora mais uma hora, mas termina no restaurante onde começa a trilha seguinte até o mosteiro.

A trilha do Mosteiro: esta caminhada demora pelo menos 1 hora e é a mais exigente, mas vale muito a pena.

A partir do Tesouro continuar pelo caminho em frente e atravessar o vale até ao restaurante. Aí, à esquerda, encontram uma trilha estreita por onde terão de subir e, mais tarde, voltar.

Outra atividade em Petra é o chamado “Petra by night”. Três vezes por semana, às segundas, quartas e quintas, às 20:30, toda a área à volta do Tesouro é iluminada por 1500 candeeiros. Custa 17 DN por adulto e é grátis para as crianças até aos 12 anos de idade.

Publicação Anterior

BioParque do Rio, na Quinta da Boa Vista, abre ao público no dia 22 de março

Próxima Publicação

Juan Pablo de La Plata apresenta a exposição ‘Recortes da Cidade’, com produção da Dionisio.Ag e obras de Autops, Kuêio, Paulo Ito e Rotka

114 Comentários

Deixe um comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado.