Bragança em Portugal: da história à gastronomia

Bragança, situada no extremo nordeste de Portugal, é a capital do distrito, na Região Norte e sub-região de Terras de Trás-os-Montes (Nordeste Transmontano). É limitado a norte e a leste por Espanha, a sueste por Vimioso, a sudoeste por Macedo de Cavaleiros e a oeste por Vinhais. Fazendo parte da Rota da Terra Fria. Ainda não conhece? Planeje uma viagem à região através destas dicas.

Quem visita a região precisa conhecer os produtos da terra – castanha, mel, posta e carne de caça, enchidos, cogumelos – e sucumbir ao pecado da gula nos ótimos restaurantes que Bragança oferece. Bons museus, eventos culturais, lojas com novos conceitos, artesãos de excelência, onde o cosmopolitismo e a tradição dialogam em sintonia. O Norte do país é mestre exímio na arte do paladar e, em Bragança, o selo e a diferença estão nos pratos de caça (javali, veado, perdiz…), confeccionados nos tradicionais potes de ferro, servidos com a suculenta posta de vitela e o cabrito. Não há mesa transmontana onde falte os enchidos – alheiras, chouriças, salpicões, presuntos, chouriços de mel – e o típico butelo tradicionalmente acompanhado pelas casulas (cascas de feijão secas). Em Trás-os-Montes há mais três ingredientes que são magistrais – os cogumelos, as castanhas e o mel de castanheiro – O ideal é experimentar um pouco de tudo.

A Cidadela de Bragança é um espaço fortificado, que fica na zona alta da cidade. Dentro das muralhas temos o Castelo e a sua Torre de Menagem, que abraça o Museu Militar, um Pelourinho, a Domus Municipalis e a Igreja de Santa Maria. Também pode visitar lá dentro o Museu Ibérico da Máscara e do Traje. Fora das muralhas encontra uma grande oferta cultural, patrimonial e comercial. A antiga Sé de Bragança, que foi construída durante o séc. XVI e a sua praça. O Centro de Arte Contemporânea Graça Morais, o Centro de Fotografia George Dussaud e o Museu Abade de Baçal. Além disso, ao longo do Rio Fervença na Zona Polis de Bragança, visite o Centro de Ciência Viva e a Casa da Seda. Suba ao Miradouro da Nossa Senhora da Piedade. Pelas ruas muitos solares, pequenas igrejas, mas também uma aposta na arte urbana, que tem em paredes velhas novas linguagens. 

Passar e parar nas várias aldeias que estão inseridas no Parque Natural de Montesinho é obrigatório. Se quiser conhecer a arquitetura da casa transmontana (casas em granito e telhados de lousa) e perceber como se conserva a memória da vida rural, as suas tradições e lendas. Destacamos as aldeias de Montesinho, França , Aveleda, Varge e Gimonde.

Publicação Anterior

O convidado de Chico Vartulli é o artista plástico Lucio Salvatore, entre o Brasil e a Itália, com suas belas obras contadas por ele poeticamente

Próxima Publicação

Nova York anuncia cronograma de reabertura de parques temáticos e atrações

952 Comentários