Kênia Esteves entrevista Vinicius Parracho, o vereador raiz do Extremo Sul da Bahia

Olá amigos! Hoje trago à vocês, leitores de toda parte do mundo, um pouco da ESSÊNCIA do Extremo Sul da Bahia.  Acolhedora e com praias divinas sim, mas também com uma pró-atividade evolutiva , formada por pessoas de todos os continentes. Acredito  que esse multi formato seja bem interessante, pois agrega várias culturas em uma só. A cultura que chamo de RAIZ. 

E, para defender no melhor “mood unhas e dentes”, essa cultura e terra de uma bela e imensa região, convidei para contar um pouco dessa logística de crescimento, o vereador mais votado nas últimas eleições. O nativo VINICIUS PARRACHO. Com nome e sobrenome de peso, competência e know how sobre as pessoas e necessidades locais, este jovem rapaz, traça uma trajetória marcante; assim como sua família; na história de nossa querida cidade de PORTO SEGURO e adjacências. Que seja bem vindo! “

1: Vinicius Parracho, qual a sensação de aos 32 anos, ser um dos vereadores mais votados no Extremo Sul da Bahia?

Foi uma conquista e tanto! Em especial pelas circunstâncias. Fiz uma campanha super barata, não aceitei receber verba do fundo partidário, tampouco apoio dos candidatos a prefeito. Além disso, focamos em propostas efetivas, ideias inovadoras, que podem efetivamente ser implementadas, então fiquei muito feliz de ver essas ideias conquistarem tanta gente. Agora a sensação é de compromisso com a cidade, para que possamos provocar as mudanças que queremos, para que Porto ocupe o lugar que merece.

2: Sua família fez história aqui em Porto Seguro e adjacências. Portanto, está no seu DNA continuar esse legado?

A minha família tem um histórico de um amor profundo por essa terra. Não só o meu avô Parracho, que governou o município por duas vezes e fez muito, mas todos os demais. Meu bisavô, por exemplo, já se envolvia em diversas questões da cidade, certa vez brigou até com um bispo que tinha vindo aqui para levar os tesouros da igreja de Nossa Senhora d’Ajuda. Minha tia-avó Sônia Parracho, por exemplo, foi uma das primeiras professoras da cidade e sacrificou toda a vida para conseguir educar os moradores. Meu pai foi e ainda é um dos atletas de maior projeção do município, por ter sido campeão mundial de Windsurfe. Então temos dentro de casa essa sensação de pertencimento, um caso de amor mesmo. rs. Espero poder responder à altura essa responsabilidade!

3. O que te levou a se candidatar como vereador?

Cresci dentro do “Senadinho”, ambiente criado pelo meu avô Parracho na varanda de casa. O dia inteiro era um entra-e-sai de gente pra falar de tudo, em especial de política. Uma boa descrição do Senadinho seria a dada por Machado de Assis à Sociedade Petalógica da qual fazia parte: “Lá se discutia de tudo, desde a retirada de um ministro até a pirueta da dançarina da moda, desde o dó do peito de Tamberlick até os discursos do Marquês do Paraná“, era desse jeito. Então sempre gostei da política, acho um tipo de arte, quando feita da forma certa. Apesar de muito participativo na política desde muito novo, evitei enquanto pude disputar um cargo eletivo, afinal, adorava a política e abominava os políticos. Fiz política muito tempo através de associações, da Ordem dos Advogados, da comunidade. Mas o amor pela minha cidade me arrastou para a candidatura a vereador de uma forma muito natural, a vontade de cuidar da cidade foi quem me fez romper a barreira e me colocar ao pleito como candidato. Fico feliz em ter dado certo!

4: Sua plataforma é Sustentabilidade, Saúde e Educação. Como está sendo desenvolvido nesse momento de Pandemia, o qual mudou a vida de todos nós? 

A pandemia é, sem dúvida, a maior crise que vivemos nas últimas décadas e atinge Porto Seguro de forma muito cruel, por ser uma cidade turística. Estamos tentando ao máximo focar na única solução possível: a vacinação em massa. Em paralelo precisamos pensar na recuperação da cidade no pós-pandemia, momento que espero que chegue o quanto antes. Então tenho tentado debater com os colegas de Legislativo e com os representantes do Executivo estratégias para que a cidade faça reformas estruturais importantes nestas áreas. Em sustentabilidade, que possamos nos comprometer com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU e nos tornemos uma cidade modelo. Esse objetivo passa pela transformação do nosso turismo em um turismo sustentável, que gere desenvolvimento econômico, social e preserve a natureza. Passa também pela reformulação da nossa política urbana, nossas leis ambientais e nosso comportamento enquanto sociedade. No campo da saúde é preciso fortalecer o SUS, melhorar a estrutura do serviço e principalmente humanizar essa relação. Já no campo educacional, tenho conversado muito com a Secretaria de Educação, precisamos copiar bons exemplos. Para isso, eu apresentei a Carol Campos para a secretária Dilza, uma especialista em educação de Sobral, no Ceará, município com o melhor IDEB do Brasil, para colaborar com esse retorno às aulas no pós-pandemia. O objetivo principal precisa ser oferecer aula em tempo integral. 

5: E o engajamento político-população ? Você tem obtido um bom feedback?

O feedback tem sido muito positivo. Eu lancei no primeiro dia de sessão na Câmara o aplicativo “Tem Meu Voto”, onde os cidadãos podem relatar problemas que acontecem em seu bairro, em sua rua, além de acompanharem toda a pauta de votação e votarem junto comigo os projetos de lei. Mesmo com a pandemia tenho tentado realizar encontros online pra debater projetos e trazer a população pra perto da política. Começaremos nos próximos dias também o projeto Câmara Jovem, para oferecer uma formação política para os jovens do município. As pessoas precisam participar mais da política, e eu tenho tentado criar meios para que essa participação efetivamente aconteça.

6: Tive a oportunidade de conversar com profissionais de diversas áreas que trabalham no SUS que me falaram de desafios enfrentados diariamente e o que me deixou muito feliz ao ler seu briefing, que você tem uma proposta para melhorar essa situação e agregar ainda mais valor aos serviços. Portanto, qual é essa proposta?

Eu iniciei um projeto de monitoramento dos postos de saúde, utilizando uma metodologia consagrada do Observatório Social, outros vereadores tem feito o mesmo. Visitamos as unidades de saúde verificando toda a estrutura física, corpo técnico, medicamentos, ouvindo a população. Este projeto permite, na ponta, verificar efetivamente se o serviço de saúde está sendo bem prestado. Cada visita gera um relatório que é entregue para a Secretaria de Saúde para que as providências sejam tomadas. É possível também verificar a partir deste monitoramento zonas descobertas, para que novas estruturas sejam construídas onde efetivamente há necessidade. Nossa preocupação no momento tem sido vencer logo a pandemia, já que o sistema de saúde diminuiu muito a atenção com as demais enfermidades.

7: Com essa atuação tão significativa a qual você desempenha sua trajetória; qual a sua visão sobre o futuro de nossa região?

Porto Seguro é uma cidade única. Belíssima, com uma natureza exuberante, com uma cultura expressiva, um povo acolhedor, uma história inigualável. Temos condições de ocupar uma posição de destaque no mundo, mas precisamos reformular por completo nossas políticas públicas. Não se pode mais gerir um município desta envergadura, em pleno século XXI, de forma amadora, improvisada, aos tropeços, como sempre foi. É preciso transformar a cidade em um destino sustentável, com rios limpos, florestas preservadas, fauna e flora respeitadas. É preciso investir em saneamento universal, uma revolucionária política de resíduos sólidos, um adequado sistema de parques e unidades de conservação. É preciso repensar toda a nossa política urbana, combatendo a especulação imobiliária, as invasões, planejando o crescimento aliado à preservação ambiental. É preciso mudar a nossa mobilidade urbana, com investimentos em transportes limpos como a bicicleta, o aprimoramento do transporte público, a redução do uso do veículo automotor particular. É preciso investimento massivo em cultura, na nossa história, no nosso povo. É preciso uma educação pública de qualidade, aliada às melhores práticas, mantendo nossos alunos no ambiente escolar, bem alimentados, com professores preparados. Estes precisam ser os objetivos da nossa cidade, não mais pensar a política local de quatro em quatro anos, mas sim metas claras que devemos buscar, independente do governante do momento.

8: Em relação as suas vivências pessoais, quais você destaca e traz para sua gestão como vereador?

Sou advogado e professor de Direito, com Mestrado em Estado e Sociedade, estas atividades auxiliam muito nas funções de vereador. Mas acredito ter uma qualidade que é ainda mais significativa e que não se ensina nos bancos das academias: gosto de unir pessoas em torno de objetivos em comum. Gosto de conectar gente, para que compartilhem sonhos e principalmente colaborem para tirar do papel as boas ideias. A política é fruto de construção coletiva. Se engana quem pensa que um indivíduo sozinho vai dar conta de resolver os problemas complexos que nos afligem. Todos nós temos algo a ensinar e a colaborar nesse processo. Então eu tento a todo momento unir atores sociais para que possamos juntos alcançar essa cidade que tanto sonhamos.

9: A cultura também faz parte de sua plataforma. Já podemos dar o spoiler de algum projeto ?

A lista é extensa! Meu objetivo inicial é tirar do papel o Museu do Arraial d’Ajuda, numa política macro de valorização dos nossos museus. Precisamos enxergar Porto Seguro para além do Descobrimento.Tenho reforçado também a importância de trabalharmos vertentes do turismo para além do modelo “praia e festa” que exploramos. Precisamos valorizar o etnoturismo, as nossas aldeias, nossas manifestações culturais como o samba de couro, o terno de reis, os jogos indígenas, o forró pé-de-serra. Apresentei também um projeto de lei que valoriza o movimento hip hop e as rodas de rima, um movimento que explodiu nas periferias de todo o país e aqui em Porto Seguro não é diferente. Precisamos valorizar nossos artistas locais, nossos sítios históricos, nossos lugares de memória. Para o ano que vem, estamos tentando realizar a comemoração do Centenário da Primeira Travessia Aérea do Atlântico Sul, um feito histórico importantíssimo que aconteceu na cidade e caiu no esquecimento. Esta cidade é culturalmente riquíssima, estamos sentados em cima de um pote de ouro!

10: E a pergunta que não quer calar; qual o lifestyle de VINICIUS PARRACHO em sua própria…ESSÊNCIA?

Sou um cara simples, um surfista, apaixonado pelo mar. Aliás, um dos fatores que mais pesou na decisão da política foi a falta de tempo pra conseguir continuar pegando onda! Mas ajustamos a agenda e com jeitinho dá pra fazer as duas coisas. Ainda vou ter tempo de morar uma temporada na Indonesia! rs. Gosto muito de literatura, estou trabalhando num romance que pretendo lançar em breve. Adoro cinema também, me arrisco em alguns roteiros. Quem sabe no futuro eu volte aqui pra revista como escritor ou roteirista? hahaha. Obrigado pela oportunidade! Vamos em frente!

Compartilhe nas redes sociais
Publicação Anterior

Dr. Rondó Jr. explica: ‘Se você usa adoçantes, pode estar destruindo o seu sistema imune como se estivesse ingerindo inseticida’

Próxima Publicação

Viagem minimalista propõe mala menor e mais experiências

315 Comentários

Deixe um comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado.