Museu do Holocausto do Porto abre as portas com entradas gratuitas

Dezenas de pessoas estiveram presentes na abertura do Museu do Holocausto do Porto , na zona do Campo Alegre, em Portugal. 

À entrada no museu, os visitantes têm de deixar todos os seus pertences, incluindo celulares e máquinas fotografias, para  usufruir a visita.

“Este museu não é só um equipamento cultural que abriu portas, as pessoas, efetivamente, querem saber mais sobre o tema”, afirmou Hugo Vaz, curador do espaço.

À semelhança de outros espaços, o Museu do Holocausto do Porto segue uma linha cronológica, mas começa pelo fim com uma fotografia do “portão da morte” para “forçar as pessoas a pensarem em toda a história antes de começarem a visita”.

“O que aconteceu durante o holocausto pode voltar a acontecer. É imperativo passar a mensagem e informar para que tal não volte a acontecer”, disse, lembrando que essa é a principal missão do equipamento cultural.

Também na primeira sala do museu, não passa despercebida a “simbólica” menorá – um candelabro e um dos principais símbolos do judaísmo – presa por arame farpado e, logo de seguida, uma réplica de uma camarata.

“As camaratas servem para nos questionarmos e pensarmos. Nunca para substituir”, referiu Hugo Vaz.

Várias fotografias tiradas em camaratas por oficiais da União Soviética ou provenientes do Museu do Holocausto ‘Yad Vashem’, em Jerusalém, preenchem as paredes do espaço.

Na sala dos nomes, os vários que aparecem expostos nas paredes “representam os seis milhões de judeus” que morreram nos campos de concentração nazis durante a Segunda Guerra Mundial.

À semelhança da menorá, também dois Sifrei Torá (rolos da Torá, um texto sagrado do judaísmo), outrora oferecidos à sinagoga do Porto por refugiados que chegaram à cidade com as suas vidas desfeitas, estão presentes no espaço presos por arame farpado.

São precisamente os dois Sifrei Torá que encaminham os visitantes a lerem as mais de 400 fichas de refugiados judeus (que integravam o acervo da Comissão de Assistência dos Judeus Refugiados) que passaram pelo Porto.

“Estas fichas visam individualizar a história, uma vez que falam das origens destes refugiados, do que passaram e para onde pretendiam ir”, disse curador.

As fichas, outrora pertencentes a jovens, advogados, juízes e artistas, vão ser usadas como referência para o estudo sobre a “passagem dos refugiados judeus no Porto”.

Entre fotografias, fichas e legendas, vários filmes vão retratando a vida judaica antes do holocausto, o nazismo, a expansão nazi na Europa, os guetos, os refugiados, os campos de concentração, de trabalho, a solução final, as marchas da morte, a libertação e a população judaica no pós-guerra.

Além de homenagear as vítimas do holocausto, o museu homenageia também “os justos entre as nações”, isto é, as pessoas que não pertenciam à comunidade judaica, mas que acabaram por a ajudar, como é o caso de Aristides de Sousa Mendes ou do padre Joaquim Carreira.

“O ser humano tem tendência a esquecer e é preciso promover a educação”, afirmou Hugo Vaz.

O Museu do Holocausto, tutelado por membros da Comunidade Judaica do Porto, cujos pais, avós e familiares foram vítimas dos nazistas na Segunda Guerra Mundial funcionará nos dias úteis entre as 14:30 e as 17:30.

O museu, que será de acesso livre até ao final de maio, vai investir no ensino, na formação profissional de educadores, bem como na promoção de exposições.

 

 

Publicação Anterior

Claudia Pamplona inicia a série Granado, Uma História de Química e Amor desde o séc. XIX

Próxima Publicação

Flávia Correia: Missa pelos 10 anos da morte das vítimas do Massacre de Realengo.

452 Comentários

Deixe um comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado.