Sônia Belart apresenta Ilha dos Amores

Foto: Sônia Belart

 Falando de amor, contos e lendas, surge uma história de amor, porém trágica, num lindo lugar que tive a alegria de conhecer e me encantar, uma ilha romântica chamada Ilha dos Amores.

A ilha é basicamente tudo que precisamos para uma escapadinha em Portugal, situada no meio do Rio Douro no concelho de Castelo de Paiva.

A ilha também chamada de Ilha do Castelo, a Ilha do Amor foi assim denominada devido a trágica lenda de amor que consiste entre um jovem lavrador e uma fidalga de sangue azul, cujos encontros amorosos eram controlados pelo pai autoritário. Um dia, um nobre pediu a mão da jovem em casamento e o lavrador ficou de coração partido com a possibilidade de perder o grande amor de sua vida. Na altura o casamento de conveniência era habitual e, num ato de loucura, o camponês decidiu tomar medidas extremas, ao avistar o aristocrata  passar a beira do Douro, matou-o e depois o atirou no rio, para apagar qualquer vestígio do crime,  com medo de ser descoberto, escondeu – se na pequena ilha deserta; algum tempo depois, quis buscar a amada e leva- la consigo para a ilha; mas o casal atravessou o rio numa pequena embarcação em direção a ilha, onde formou-se uma tempestade e o rio acabou por engolir a embarcação onde os dois estavam. Diz a lenda que foi o espírito do nobre por vingança; e assim nasceu o nome de Ilha dos Amores.

A ilha está enquadrada numa paisagem única, entre o maior rio da Península Ibérica, o Douro, e um dos seus mais limpos e selvagens: o Rio Paiva.

A ilhota com 29 metros de altitude e 140 metros de dimensão; pensa-se que a Ilha dos Amores tenha sido um ponto atrativo para o homem desde a Idade da Pedra, sendo contínua esta permanência na ilha desde então.  “Existem vestígios arqueologicos que assim nos leva a crer, que a ilha era “habitada” ou pelo menos visitada pelos homens em 5.000 a 3.000 a.c.

No ponto mais alto da ilha, ainda existem marcas de uma torre  defensiva da Idade  Media.

Hoje o espaço, chama todos os anos, visitantes à procura de esportes náuticos ou mesmo para acampamentos, até porque, além de bonita, natural e facilmente acessível, a ilha é complementada por infraestruturas que  torna agradável  a frequência do local, com uma piscina ao ar livre, apoiada por um bar, pequeno areal e espaços a sombra. Além disso, e apesar de ser conhecida por um romance trágico, a ilha continua a atrair muitos casais para fins matrimoniais. 

A melhor maneira de se chegar a ilha é através de canoas com a ajuda de barqueiros locais, a partir do porto e Praia do Castelo. 

Vale a visita a mais um paraíso português.

Publicação Anterior

Como relaxar em meio a Pandemia de forma segura?

Próxima Publicação

Kênia Esteves entrevista Marina Magalhães, uma fotógrafa com múltiplos olhares, mas a arte em sua melhor essência.

404 Comentários

Deixe uma resposta para j.mp Cancel reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.