Chico Vartulli convida o artista plástico Renato Sant’Ana o mago das tintas.

O meu convidado é o artista plástico Renato Sant’Ana o mago das tintas.

Visitar o Atelier de uma artista já é uma viagem por si só. Imaginem subir o Morro da Conceição, bem ali atrás da Praça Mauá, estacionar no largo, antigo mercado de escravos do Rio. Pela sua dimensão nos faz pensar que estamos em Portugal, tendo ao centro um pilar coroado pela Virgem- Nossa Senhora da Conceição. Seguindo pela ladeira João Homem chegamos ao tradicional sobrado. Um pé direito altíssimo nos eleva o pensamento num  mundão de  cores que nos esperam.Três andares de surpresas. É nesse ambiente cheio de alquimia que aparece a Vênus, nascida ali mesmo de um processo de reações químicas, desenvolvidas pelo artista ao longo dos anos.
  Renato fez faculdade de Belas Artes na UFRJ e para complementar seu aperfeiçoamento cursou a Escola de Artes Visuais no Parque Laje.
   O artista visualiza a arte no Brasil como uma das melhores do mundo.
    O gosto pela pintura, vem desde criança,onde adorava rabiscar os cadernos da escola.
Começou  os novos movimentos na pintura com técnicas adquiridas por ele.
  Seus experimentos nasceram com gotas e foi ampliando ,sugerindo padrões fractais com características das próprias tintas de densidade, miscividade,viscosidade e fluidez.
  A pintura nasce de um ponto que se propaga como uma onda num lago sereno dando a sensação e expansão permanente de infinito,comenta Renato.
   O seu trabalho, é uma arte que provoca uma atenção imediata. Ação que gera reação. Ele é um bicho raro no universo das artes plásticas de hoje:Uma voz consistente, profunda, pessoal e intensamente independente, enfim, magnífico.
 Renato tambem gosta muito dos grandes mestres da pintura como: Leonardo DaVinci, Matisse, Bosch,Vincent Van Gogh, entre outros.
 Renato Santana fez várias exposições entre elas: 
1994- centro cultural Cândido Mendes
1999 centro cultural universidade Estácio de Sá- curadoria Laura Marsiaj-RJ
2004- galeria Lana Botelho- texto Fernando Cocchiarale
2004-oxidação da tabela periódica- Tramas Arte Contemporânea
2012- Poças Quânticas- Centro cultural dos correios
2014- Todas às cores do Mundo e mais algumas que não posso contar- Tramas arte contemporânea.
 
 Tinta é água e pedra. Mais é também pensamento líquido. Este é um fato essencial que a História da Arte ignora. Finaliza o mago das tintas.
 
 
Compartilhe nas redes sociais
Publicação Anterior

ANA JARDIM APRESENTA CAPITÓLIO E OS ENCANTOS DAS PRAIAS DE MINAS

Próxima Publicação

Na coluna de Daniel Braga: Rafael Direito Convida Bruna Barros para Piano e Voz

67 Comentários

Deixe um comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado.