XANDY NOVASKI A INTERNACIONAL LA BENGELL (SAFIRA BENGELL) DESEMBARCA NA REVISTA DO VILLA!

SAFIRA BENGELL (a dama da diversidade cultural Brasileira) é ícone como Showgirl! À frente de sua própria trajetória, ela desvinculou a ideia de que só o eixo Rio-São Paulo poderia lançar as mais talentosas artistas. Tanto que é reverenciada de norte a sul no Brasil e no exterior!

Atriz e Comendadora (Sim! Ela detém o título após receber a medalha do Mérito Renascença, a mais alta comenda concedida pelo Governo do Estado do Piauí.), “La Bengell, a internacional”, como é conhecida pelos amigos e fãs, também é parte da história artística televisiva, já que esteve e fez sucesso nos lendários programas de TV “Clube do Bolinha” e “Show de Calouros”. Um acontecimento tamanho que a levou a fazer carreira pela Europa e Ásia, deixando sua marca por onde passou.

Seu propósito sempre foi divulgar para toda a sociedade os mais tarimbados profissionais, com suas marcas consolidadas no mercado artístico, principalmente o teatro mambembe, exaltando sua arte pelos quatros cantos do país e até internacionalmente. Ou seja, há muita alegria, momentos lúdicos e inclusive luta política pela estrada e shows proporcionados por Safira Bengell. Confira!

SAFIRA BENGELL - Espetáculo Les Girls Forever - Crédito Nilson Linhares
  • “Descobrir, registrar e lembrar.” Quero iniciar com essas palavras, pois você está trabalhando num projeto de resgate da memória das mais diversas artistas que fizeram história pelos quatros cantos do país. Como está sendo essa pesquisa e o que o público poderá esperar como resultado?

Essa pesquisa vem sendo trabalhada há cinco anos e tem o objetivo de oficializar a vida artística de personagens das diferentes regiões brasileiras. Será um compendio repleto de informações socioculturais, visando divulgar talentos que até agora foram excluídos pela discriminação regional.

  • Você foi à primeira cover da Maria Alcina. Conta pra gente: como surgiu essa identificação com a cantora?

A cantora Maria Alcina venceu o festival da MPB com a música “Fio Maravilha” e eu, muito andrógena, me identifiquei pelo seu estilo musical e pela a dúvida que a cantora deixava pelo seu timbre de voz. 

SAFIRA BENGELL - Crédito Nilson Linhares
  • Assim que assinalou seu nome artístico como Safira Bengell, diversos programas de TV contaram com a sua participação, como o lendário “Clube do Bolinha” e o “Show de Calouros” do Sílvio Santos. Como era estar na telinha naquela época de ouro?

Uma glória! O Brasil inteiro almoça assistindo as bonecas. Verdadeiros talentos! Éramos conhecidas pelo público durante a semana. 

 

  • Sua trajetória artística é marca pela quebra de paradigmas. Ou seja, você deixou o eixo Rio-São Paulo e viajou pelo Brasil como mambembe. O que ficou daquele tempo na sua memória?

Trabalhar diariamente em casas noturnas das maiores capitais brasileiras e cidades do interior. Bons cachês, alimentação, moradia e temporadas que muitas vezes se repetiam devido ao sucesso, pois só viajava quem tinha cara e coragem, mais coragem do que cara e ter que segurar a platéia por 40 minutos, manchetes nos principais jornais, faixas com o nome estampado nas praças das cidades e reconhecimento profissional.

SAFIRA BENGELL - Crédito Trajano
  • Seu papel de ativista da Diversidade Cultural a levou a ultrapassar fronteiras. Foi a primeira Showgirl nordestina a conquistar um espaço no cenário artístico nacional e internacional. Esteve em vários países da Europa e Ásia. Assinalou seu nome na Rússia e fixou residência na Itália. Inclusive, em Milão, você foi sócia proprietária da lendária “American Disaster”, uma casa de show que marcou época. Como é representar o Brasil lá fora?

Uma responsabilidade muito grande, devido ter que divulgar a arte e cultura brasileira e principalmente da minha região nordeste, como uma verdadeira embaixadora, com muito profissionalismo, sem frescuras, egos ou ostentações.

 

  • Você detém o título de Comendadora após receber a medalha do Mérito Renascença, a mais alta comenda concedida pelo Governo do Estado do Piauí. Seu ativismo cultural e ações humanitárias continuam?

Sim. Coordenando o grupo ANJOS, de Direitos Humanos, Arte e Cultura, e integrante do Movimento Nacional de Direitos Humanos (MNDH), realizando ações humanitárias e articulando com diversos setores da iniciativa privada e pública, políticas afirmativas que possam favorecer a parcela mais carente da sociedade. Tendo inclusive articulado a criação de um comitê técnico de cultura, dentro do ministério da cultura (MIC), no qual fui avaliada no processo de seleção ficando em segundo com a nota 8,5 em notório conhecimento da diversidade Cultural Brasileira.

SAFIRA BENGELL - Crédito Divulgação
  • Você criou jurisprudência na justiça do Piauí e foi a primeira travesti do Brasil a ter o direito de poder modificar o prenome e usar o nome artístico nos documentos sem ter feito a transgenitalização. Hoje, isso é um direito gratuito para todas. Quais foram os maiores embargos nessa luta?

Ter sido negado em primeira instancia por não ser uma pessoa redesignada sexualmente, mas no apelo o juiz Luiz Gonzaga Brandão de Carvalho e mais 5 (cinco) desembargadores, foi dado o parecer favorável, levando em conta a notável carreira artística documentada em acervo histórico.

Veja aqui no vídeo e também no site do CNMP:

https://www.youtube.com/watch?v=oiaQWs0Ms-A&t=31s https://www.cnmp.mp.br/portal/images/Normas/Notas_Tecnicas/NOTATCNICA08.assinado.pdf

Atualmente, devido à falta de informação por parte da sociedade, existem cartórios que cobram preços altos para atualizar a retificação. 

  • Hoje você é responsável pela criação e produção do musical “Les Girls Forever”, apresentado em várias cidades brasileiras. O que o espetáculo reverencia? Como o público recebe o show?

O espetáculo mostra, em cenário virtual, o primeiro musical de travestis no Brasil. No qual eu participei da última apresentação nos anos 80 em São Paulo com Jerry Di Marco e Wilza Carla. A cada temporada ele vem sendo atualizado com momentos históricos da vida artística de travestis de diversas regiões do Brasil. Estamos aguardando o sinal verde da vacinação em massa para a 3ª temporada nas principais capitais brasileiras.

SAFIRA BENGELL com o Ex Governador WILSON MARTINS concedendo a Medalha do Mérito Renascença do Estado do Piaui pelas ações humanitárias e ativismo cultural - Crédito Divulgação
  • Atualmente você tem um Canal no Youtube, o “Arteculando by Safira Bengell”, salvaguardando a memória artística, histórica e tradicional de uma época de ouro. Como é entrevistar personalidades de diferentes vertentes da sociedade e trazer à tona épocas tão importantes da nossa trajetória artística no Brasil?

Graças à internet podemos driblar o preconceito regional, principalmente das grandes emissoras de rádio e TV no Brasil. E nos dá a possibilidade, através do mundo virtual, falar de diversos temas que contribuem para educar e esclarecer a sociedade, satisfazendo um público que gosta do entretenimento de qualidade com arte e cultura, e ainda articular e compartilhar ideias e conhecimentos. É hora das emissoras integrarem massiçamente talentos de outras regiões do País.

  • O que você tem a dizer para as artistas de hoje que brilham nos palcos e que têm como referência de estrada você, a saudosa Rogéria, e tantas outras?

Que busquem conhecimento, profissionalização, que procurem pensar no coletivo, continuar a luta política, menos amadorismo, egos, ostentação e mais simplicidade, engajamento em fazer políticas mais afirmativas para a categoria e se valorizem.

(O sol nasceu para todos e a sombra para quem merece!).

 

Créditos das fotos: Divulgação e Trajano

Publicação Anterior

Na coluna de Juan Pablo de la Plata: Smile Train elege HRAC-USP como o primeiro Centro de Liderança em Fissuras Labiopalatinas do Brasil

Próxima Publicação

PEREGRINOS REGRESSAM AOS POUCOS AO SANTUÁRIO DE NOSSA SENHORA DE LOURDES

188 Comentários

Deixe um comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado.