Rodolfo Abreu apresenta a série “Primavera nas Artes” – Parte 5 – Alphonse Mucha

A beleza inspiradora da Primavera nos leva a quinta e última parte da série “Primavera nas Artes”, da Revista do Villa, onde comento cinco obras de arte que retratam a estação das flores. Encerrando essa série de matérias, analiso a obra “Primavera”, de Alphonse Mucha.

“Primavera” (1896), de Alphone Mucha

Nascido na República Checa, Alphonse Mucha (1860-1939) ficou bastante conhecido como um importante representante da Art Nouveau. Pintor, ilustrador e artista gráfico, Mucha morou a maior parte da vida em Paris. Sua arte, de identidade visual bastante característica, foi muito solicitada para cartazes teatrais estilizados e decorativos, particularmente os da grande atriz francesa do final do século XIX e início do XX, Sarah Bernhardt. Produziu ilustrações, anúncios e painéis decorativos que se tornaram algumas das imagens mais conhecidas do período.

Visão geral de “Primavera” (1896), de Alphone Mucha

O painel que analisamos aqui é “Primavera” (Primtemps) e faz parte da série de litografias “As Estações”, do artista, juntamente com mais três painéis, representando as demais estações “Verão”, “Outono” e “Inverno”.

Este foi o primeiro conjunto de painéis decorativos de Mucha e se tornou uma de suas séries mais populares. Era tão popular que Mucha foi convidado pelo editor Champenois para produzir pelo menos mais dois conjuntos baseados no mesmo tema em 1897 e 1900. Desenhos para mais dois conjuntos também existem.

Os quatro painéis da série “As Estações”, de Alphonse Mucha

A ideia de personificar as estações não era novidade – exemplos podiam ser encontrados nas obras desde a Antiguidade. No entanto, as mulheres parecidas com ninfas de Mucha, sobrepostas a vistas sazonais do campo deram nova vida ao tema clássico. Nos quatro painéis mostrados aqui, Mucha captura os humores das estações – Primavera inocente, Verão sensual, Outono frutuoso e Inverno gelado, e juntos representam o ciclo harmonioso da Natureza.

A Primavera de Mucha é representada pela ninfa de cabelos dourados e longos, que parecem balançar na brisa primaveril. Flores variadas estão presentes na composição, não somente no fundo, mas em um arranjo em sua cabeça e no vestido branco que usa. O branco, inclusive, é para reforçar o conceito da inocência, que Mucha designou para a Primavera.

Detalhes: Flores na cabeça e no vestido da Ninfa da Primavera

A Ninfa da Primavera segura com as duas mãos um galho verde curvo, onde seus cabelos ondulados se enroscam. Fios de seu cabelo, esticados no galho em distâncias iguais, fazem esse galho se converter em uma lira, instrumento musical inventado pelos gregos e associado aos anjos. Pequenos pássaros posados em frente a lira parecem assistir a Ninfa da Primavera tocar belas melodias. Numa análise mais ampla, considerando a posição do corpo da Ninfa e seu vestido longo de inspiração grega, a Ninfa como um todo se parece com uma harpa¸que é o instrumento correspondente a uma versão maior de uma lira.

Ao ganhar um reconhecimento público mais amplo como o “Mestre do cartaz Art Nouveau”, Mucha alcançou grande sucesso em um novo gênero: painéis decorativos (‘panneaux décoratifs’). Painéis decorativos eram cartazes sem texto, projetados exclusivamente para apreciação artística ou decoração de paredes interiores. Foi o impressor Champenois quem inventou essa ideia do ponto de vista comercial: maximizar a oportunidade de negócios, reciclando os projetos de Mucha para muitas edições diferentes. No entanto, foi Mucha que os transformou em uma nova forma de arte, acessível e disponível para o público em geral, enquanto que, tradicionalmente, as obras de arte estavam disponíveis apenas para os poucos privilegiados. Mucha acreditava que, através da criação de belas obras de arte, a qualidade de vida poderia seria melhorada. Ele também acreditava que era seu dever como artista promover arte para pessoas comuns. Ele conseguiu cumprir ambos os objetivos por meio do seu conceito inovador de painéis decorativos produzidos em massa.

“Primavera nas Artes” – série de 5 matérias de Rodolfo Abreu

E assim fechamos a série de matérias que trazem cinco obras de arte inspiradas na estaçao das flores, comentadas e analisadas de uma maneira leve e informativa. “Primavera nas Artes” é uma iniciativa para despertar o gosto pela arte e uma maneira de mostrar um pouco dos artistas geniais e como suas obras podem – e devem – ser acessíveis a todos. A arte, em todas as suas formas, é universal e democrática.

Publicação Anterior

Vera Donato: Arte em Cor marcam a vernissage da exposição Interseções Existenciais do artista plástico Léo Moreira na Caza Artha da Gávea – Fotos Vera Donato

Próxima Publicação

Chico Vartulli: A psicóloga Érica Rangel e sua psicologia das relações.

1.072 Comentários