Chico Vartulli: A psicóloga Érica Rangel e sua psicologia das relações.

A psicóloga Érica Rangel pronta para o seu exercício, ou seja o trabalho.

A psicóloga Érica Rangel pronta para o seu exercício, ou seja o trabalho.

A Doutora Rangel, psicóloga tem vasta experiência em atendimento clínico, tendo atuado desde sua formação em diversas áreas da psicologia, e psicanálise.

Tem a psicologia como um hobby e declara;
“Quem ama o que faz jamais irá reclamar de uma segunda feira”.

A paixão por psicologia das relações já estava designada a frente de sua graduação lá nos primordios, quando defendeu a tese “dependência emocional”.

Motivada pela grande demanda por atendimentos voltados a casais, pré, pós weedings, conflitos relacionais, dependência afetiva, separações, luto em vida e todo o universo que envolve e transita as relações humanas, tornou se uma referência neste tipo de atendimento no Brasil.

Érica em momento de concentração nos estudos psicanalistas.

Outra área de atendimento de interesse da Érica é a psicologia esportiva;

Esta área da psicologia sempre a interessou, tratando com muita dedicação, maestria, respeitando a subjetividade de cada profissional, e a modalidade pela qual ele levanta a bandeira.

O esporte que de forma competitiva leva o emocional ao ápice gerando em muitos casos pressão psicológica, e alguns destes atletas e profissionais do esporte desenvolvem síndrome de bournot, em seu consultório são acolhidos, acompanhados e em psicoterapia aprendem a gerênciar toda esta montanha russa competitiva que é ganhar e perder.

Rangel atenta ao paciente.

Para a psicóloga Érica saúde mental é primazia, sem ela não se chega a lugar nenhum, a Clinica psicológica é um reflexo de todas as somas de uma vida.

De como nos conhecemos, de como nos relacionamos de como realizamos as nossas escolhas de vida.

Somos seres biopsicossociais e espirituais, afetados e afetamos a todo instante.

Para tudo necessitamos autoconhecimento.

Se relacionar é uma das mais complexas artes, mas o primeiro relacionamento é o que o indivíduo nutre com ele próprio.

É preciso ter um bom relacionamento intrapessoal para que seja possível, sucesso nos conhecimentos extrapessoais.

O resumo de boa parte da demanda relacional é em suma pura falta de autoconhecimento pura ausência de contato com a própria pele, comenta Érica.

Érica em debate em seu consultório, discutindo possibilidades de relacionamentos e agregado

O ser humano é um ser de relação, e a comunicação é sem dúvida a chave mestra das relações.

Psicologia no período pandêmico ganhou força e perdeu a conotação estereotipada, hoje ela vem sendo urgência na saúde que foi bastante impactada no cenário pandêmico.

Teremos reflexo deste impacto por anos na saúde mental,

Que se reflete no meio social com muita intensidade.

Por este motivo vemos tantas pessoas adoecidas ou se relacionando mal.

Psicologia é vida.

A psicoterapia é um instrumento de cura para psiquê humana ela é para psicóloga Érica, para o médico, para o psiquiatra, para os pacientes, enfim para todos.

Psicoterapia é o Plus na saúde mental.

Ela se inspira amorosamente o que no que se propõe a fazer na sua atuação enquanto instrumento vivo da psicologia, finaliza Rangel.

Publicação Anterior

Rodolfo Abreu apresenta a série “Primavera nas Artes” – Parte 5 – Alphonse Mucha

Próxima Publicação

Deborah Ribeiro: Adeus aos boletos?

765 Comentários