André Conrado: Valença. RJ - A princesa da serra – Final

Foto da Catedral Nossa Senhora da Gloria – Valença – 1970 – Arquivo Nacional

Foto da Catedral Nossa Senhora da Gloria - Valença - 1970 - Arquivo Nacional

Nesta última matéria desta séria de matérias, chegaremos à atualidade e falaremos sobre a vocação turística da bela princesa da serra.

Desde o século XIX, Valença reúne grandes riquezas herdadas dos áureos tempos do café. A cidade mantém suas tradições, belas e memoráveis festas e seus costumes.

Foto Fazenda São Luiz - Séc XIX - Valença - RJ - Instituto Cidade

O município de Valença, localizado na Região do Vale do Café, fica a 148 km de distância da capital, num percurso de aproximadamente 2 horas e 30 minutos. Na cidade, o passado ligado ao apogeu cultural do Ciclo do Café está plenamente intacto, com várias propriedades de arquitetura colonial ainda preservadas. São casarios, igrejas, parques, jardins e fazendas que contam um pouco do dia a dia dos personagens que viviam na região.

Foto da Fazenda Vista Alegre - Valença - RJ

O Jardim Glaziou, a Fundação Cultural Lea Pentagna e os monumentos históricos com arquitetura do século XIX contam outra parte dessa história.Entre os principais pontos turísticos destacam-se o Morro do Cruzeiro, assemelhado ao Pão de Açúcar e com 800 m de altura. No seu topo há um cruzeiro, datado de 1803, época em que foi celebrada a primeira missa no local. De lá avista-se o Pico da Torre de TV e grande parte da área rural do município.

Foto do Jardim Glaziou em revitalização - Valença - RJ - Divulgação - @aclubtour
Foto do Mirante do Cruzeiro - divulgação

O Pico de Valença, mais conhecido como Pico da Torre de TV, possui altitude em torno de 1.100 m. Dele avista-se toda a cidade de Valença e seus arredores, com o relevo característico de toda a região, com serras de altitudes diversas formando um imenso “mar de morros”.

Foto do Pico de Valença - Divulgação - @aclubtour

Outro passeio imperdível, é ao Museu da Catedral, instalado no andar superior da ala direita da Igreja Matriz. Ele foi criado nos anos 50 e contém cerca de 80 peças, dentre pratarias, ourivesaria, imagens, óbitos, pia batismal, mobiliário, cálices, joias, turíbulos, sinetas, coroas, fotografias, candelabros, andores, nichos, paramentos, esplendores, campainhas, estandartes, talha de água dos índios coroados, entre outros.

Foto da Igreja Matriz e Museu - Divulgação - @aclubtour

Conservatória, distrito de Valença e mostramos na matéria passada, é uma atração à parte. Trata-se de uma cidade movida pela música, que é conhecida, por muitos, como a “Cidade das Serestas”. No fim de semana, os seresteiros se reúnem para encantar os moradores e turistas. Na década de 70 surgiu o projeto das plaquinhas de metal colocadas nas esquinas, onde consta, além do nome da música, o nome do compositor. Os moradores aprovaram a ideia e começaram a colocar placas com o nome de suas músicas preferidas fixada nas residências.

A cidade, com suas bucólicas ruas de pedra, ainda oferece atrações como sobrados coloniais, uma antiga estação ferroviária, a Igreja Matriz de Santo Antônio e vários museus ligados à música. Além dos grandes hotéis-fazenda, a cidade tem rios, cachoeiras, trilhas e dois atrativos imperdíveis: a Serra da Beleza, ponto de curiosos por ETs, e o Túnel que chora, construído por escravos.

Foto do Tunel - Conservatória - Valença - RJ - Divulgação - @aclubtour

Casa de Cultura Lea Pentagna.

Foto da Fundação Casa Lea Pentagna - Valença - RJ - Divulgação - @aclubtour

A casa-museu é uma construção do século XIX que merece destaque. Passou para as mãos da família italiana Pentagna com a falência da lavoura cafeeira e a abolição da escravatura, quando muitas propriedades em Valença foram vendidas a preços baixos. Os Pentagna montaram na cidade a fábrica de tecidos Santa Rosa. Nesta época, a casa, feita com as tradicionais pedras usadas na arquitetura da Belle Époque, sofreu sua primeira grande reforma. Mas só em 1927, com outra obra, adquiriu o estilo neoclássico, preservado na restauração pela qual passou em 2000. A casa foi transformada em centro cultural da Fundação Cultural Filantrópica Léa Pentagna, a partir de testamento deixado por sua fundadora com o desejo de eternizar o ambiente em que viveu sua família.Uma encantadora visita.

Damos um até breve ao belo e histórico Vale do Café, com sabor deste fruto que tanta beleza e riqueza trouxe ao nosso país.

Foto-do-Vale-do-Cafe-RJ-Divulgacao

Fontes:

@aclubtour
Arquivo Nacional
Biblioteca Nacional
Instituto Moreira Salles
IBGE
IPHAN

Publicação Anterior

Juan de la Plata: “Raízes: A Recuperação Turística” é Tema do 8° Encontro de Turismo

Próxima Publicação

EVINHA volta ao Brasil em outubro/2021 e apresenta Show nos dias 29 e 30/10 com seus muitos sucessos em 52 anos de Carreira Solo.

1.864 Comentários