André Conrado: Nova Friburgo - RJ - A Suíça brasileira – Final

Foto histórica de Nova Friburgo – 1900 – Arquivo Nacional

Foto histórica de Nova Friburgo - 1900 - Arquivo Nacional

Localizada a 131 km do Rio de Janeiro, a bela Nova Friburgo é famosa pelo clima agradável e pelas belezas naturais.

A cidade desde sua fundação pelos suíços no século XIX, construiu e deixou um rico legado que vai além dos charmosos prédios históricos.

Imagem de Litografia de Debret - 1826 - Arquivo Nacional

No distrito de Mury, polo gastronômico de Nova Friburgo, os restaurantes especializados oferecem uma completa gastronomia suíço-alemã que incluem os deliciosos fondues e racletes.

Outros colonizadores que ajudaram a construir a cidade foram os alemães. E sua culinária também está presente nos restaurantes locais, sempre acompanhados de boas cervejas.

Foto Culinária - Fonte Ouverney Gastronomia

Ainda em referência aos colonizadores de Nova Friburgo, outra atração para o turista é a Praça das Colônias, onde se passeia pelos países que fazem parte da história da cidade. A praça é composta por dez espaços físicos onde cada colônia expõe e divulga sua cultura, arte e tradições. O principal atrativo turístico natural e um dos cartões-postais da cidade é a Pedra do Cão Sentado, que fica dentro do Parque Ecológico de mesmo nome. A formação rochosa, que fica a 1.100 metros de altitude e tem 111 metros de altura, é acessível após uma caminhada de um quilômetro, passando por dentro de uma mata, pontes rústicas e grutas.

Foto do Mirante da Pedra do Cão Sentado - IBGE

Localizada na área da Reserva Florestal de Macaé de Cima e a 35 km do centro de Nova Friburgo, o distrito de Lumiar também é muito procurado pelos turistas que visitam a cidade, principalmente os que procuram por aventura. Com cachoeiras e rios, a prática de esportes como rafting, canoagem e rapel é comum na região. Outro passeio tradicional é circular pelo bairro de Olaria e pela Ponte da Saudade. Por lá, se encontra o polo de moda intima; o que torna a região conhecida como “capital nacional da lingerie”.

Chalet do Barão de Nova Friburgo

Uma atração imperdível na cidade é o antigo Chalet do Barão de Nova Friburgo localizado no Nova Friburgo Country Clube.

Foto de Tela da Chacara do Challet ( Challet do Barão de Nova Friburgo) 1897 - Acervo do Nova Friburgo Country Clube

Em 23 de novembro de 1860 — a história de um sonho começava a ser escrita, com o lançamento da pedra fundamental do futuro chalé do barão de Nova Friburgo. O primeiro bloco foi assentado pelas mãos do próprio imperador, D. Pedro II, como consta na trolha (colher pequena usada por pedreiros) utilizada na cerimônia. De origem maçônica, o rito era geralmente realizado em construções públicas, e impressiona por conter a inscrição de que ela foi oferecida a D. Pedro II.

Foto rara do troller (colher de pedreiro) da pedra fundamental do Chalet do Barão - 1860 - Nova Friburgo - Fonte Salvador Canto Jr.

Foi construído para ser a residência de Antônio Clemente Pinto – o Barão de Nova Friburgo, considerado o quarto homem mais rico do Brasil no período imperial, durante a segunda metade do século XIX, sendo que o seu acervo arquitetônico guarda semelhanças daquela época. Naquela época chamavam a residência de Chácara do Chalé por causa da arquitetura do imóvel, mas tarde quando a residência foi passada como herança a seu filho eles a chamavam de Parque São Clemente, pois o seu filho era Conde de São Clemente.

Foto dos afrescos restaurados - Chalet do Barão de Nova Friburgo - Acervo NFCC - @aclubtour

Em 1883 recebeu novamente a visita do imperador Dom Pedro II. No ano de 1913 o imóvel foi vendido pelos sucessores do Barão de Nova Friburgo a Eduardo Guinle, integrante da tradicional família Guinle, mas tarde o seu filho, Carlos Guinle, cedeu a mansão do Parque São Clemente que seu pai havia comprado para ali ser instalado o Nova Friburgo Country Clube.

Foto do Interior do Chalet do Barão de Nova Friburgo - @aclubtour

Redescobrindo a obra original

O Iphan deu início a reforma do casarão em abril de 2013. Um longo e necessário restauro se fazia necessário.

O rosa era cor muito comum no século 19, e as tintas eram feitas a partir de corantes naturais, retirados de plantas, minerais e insetos. Como a parte externa exigia uma grande quantidade, não havia muitas opções disponíveis, sendo as mais comuns as cores amarelas (açafrão) e rosa (ipê ou cochonilha). O teto sua vez, é de estuque, uma técnica muito parecida com a taipa o revestimento todo decorado por pinturas.

Descobriram que a aparente boa conservação das decorações do forro foi, na verdade, fruto de repinturas. Tal serviço foi executado com falhas e sem respeito aos tons primários, que descaracterizaram a aparência original. Após a retirada da tintura inadequada, os traços ficaram, em alguns pontos, bem apagados, tornando mais minucioso o trabalho de retoque das pinturas, segundo restauradores.

Foto do Teto restaurado do Chalet do Barão de Nova Friburgo - Acervo NFCC - @aclubtour

O forro da sala também é ricamente decorado com ornatos de gesso. Há uma variedade de modelos, como folhas de acanto, gavinhas, flores, figuras aladas. A cornija que circunda todo o teto possui emblemas de instrumentos musicais como lira, partituras, pandeiro, corneta, flauta e triângulo — é a Sala de Música; uma verdadeira obra de arte a ser comtemplada pelo público.

O Clube

O seu patrimônio é hoje gerido por uma sociedade civil sem fins lucrativos – o Nova Friburgo Country Clube. Além de ser um dos cartões postais da cidade, o local é também palco de festas e eventos. Parte do Nova Friburgo Country Clube é aberta à visitação pública, enquanto algumas de suas dependências funcionam exclusivamente para os associados ou ocasiões especiais.

Hoje o clube conta com um centro de esportes que inclui piscina, campos de futebol, quadras poliesportivas, quadra de basquete, três quadras de tênis e quadras de squash.

A fim de possibilitar a todos a oportunidade de conhecer o trabalho de restauro e acompanhar o desenvolvimento da obra, o clube tomou a iniciativa de abrir a casa. Em novembro de 2019, o chalet teve suas portas novamente abertas ao público, após 10 anos. Durante dois fins de semana do mês, a casa recebeu sócios e turistas para visitas guiadas. Porém com a eclosão da pandemia da covid-19 e a necessidade do isolamento social, a ação foi interrompida. Com o avanço da vacinação, a visitação foi normalizada.

Com um convite a este belo templo histórico terminamos esta série de matérias. Até a próxima expedição!

Foto da Chacara do Challet (Challet do Barão de Nova Friburgo) Atual - Acervo Nova Friburgo Country Clube

Fontes:


@aclubtour

Arquivo Nacional

Biblioteca Nacional

IBGE

Instituto Moreira Salles

IPHAN

Publicação Anterior

Claudia Pamplona: Série “100 anos da Obra Portuguesa de Assistência” – PARTE 2

Próxima Publicação

Ricardo Schöpke apresenta crítica do filme: “Você Não Sabia de Mim” de Alan Minas, selecionado para a sessão Heart Beat do doclisboa 21.

1.620 Comentários