André Conrado: Verão Salvador – Bahia 2022 – Parte 2

Centro da cidade de Salvador

André Conrado: Verão Salvador – Bahia 2022 – Parte 2

Centro da cidade de Salvador

Damos boas-vindas à 2022 com muita alegria e beleza no Verão Salvador.

Nesta edição falaremos das duas novas atrações culturais da cidade do sol.

O Museu Cidade da Música

O museu Cidade da Música da Bahia é o novo espaço cultural da cidade de Salvador desde o início de outubro de 2021.

Foto do Museu Cidade da Musica da Bahia - (fim do restauro da fachada) - crédito André Conrado

Palco da criação de ritmos e movimentos culturais que até hoje são grandes referências nacionais, a Bahia é celebrada através da história de sua música desde a fundação da cidade até os dias de hoje.

A Cidade da Música nasce no recém reformado Casarão dos Azulejos Azuis, na região do Comércio. Depois de mais de três anos em obras de recuperação, o edifício da década de 1850 estava tomado por escombros que resultaram do desabamento da cobertura do prédio.

Localizado em meio à cartões postais da cidade, como o elevador Lacerda e o Mercado Modelo, o casarão recebe os soteropolitanos e visitantes apaixonados pela música brasileira e baiana.

Berço de grandes artistas da MPB, samba-reggae, rock, pagode e axé, Salvador já carrega o título de Cidade da Música. Agora, a capital baiana oferece uma experiência musical audiovisual completa ao visitante, distribuída em quatro andares totalmente recuperados do belo edifício.

Foto da fachada do prédio da Cidade da Música da Bahia - crédito Betto Junior

O piso térreo conta com hall de entrada, recepção e bilheteria, salão de estar, café, loja, biblioteca, midiateca, centro de pesquisa, além da área de infraestrutura do centro cultural. Já os dois primeiros pisos abrigam acervos permanentes, com curadorias assinadas pelo antropólogo Antônio Risério e pelo arquiteto e artista Gringo Cardia.

Foto do Espaço da Cidade da Musica da Bahia

No primeiro andar, a exposição “A Cidade de Salvador e Sua Música” retrata bairros da cidade e suas músicas, histórias, depoimentos e novas tendências. Lá, é possível interagir com uma maquete, além de aproveitar as três grandes telas de projeção, estações de consulta e estúdio para gravação de depoimentos.

Foto do espaço Tropicália - Cidade da Musica da Bahia

A Tropicália é tema do segundo pavimento, onde a exposição História da Música na Bahia apresenta nove cabines de vídeos, além de três salas: “A Magia da Orquestra”, com conteúdo voltado para a música clássica; “A Nova Música da Cidade”, com exibição de vídeos com grupos novos, cantores em ascensão e grupos periféricos de música; e a sala “Quem Faz a Música da Bahia”, que exibe 260 depoimentos das pessoas mais importantes e representativas da música baiana.

No terceiro andar, parte mais interativa do museu e um ótimo ponto para tirar fotos na luz neon, é dedicado a entretenimentos educativos, com estúdio e cabine de mixagem. Ali, foram selecionados beats e artistas de trap e rap da cena baiana para serem mixados por lá mesmo.

No espaço karaokê Teka, o visitante vira cantor – e já ganha videoclipe. Basta escolher um fundo para seu vídeo, soltar a voz e, ao final, tem um clipe pronto! Uma estação de vídeo exibe todos os clipes já gravados. O conteúdo é acumulativo e dá para pesquisar quem gravou.

Como visitar a Casa da Música

Por conta dos cuidados sanitários com a pandemia de covid-19, a visitação à Cidade da Música da Bahia deve ser agendada no site do museu. Neste momento, a capacidade diária é de 400 visitantes, divididos em grupos de até 80 pessoas, em cinco horários ao longo do dia, sendo o primeiro às 10h e o último às 16h. As visitas têm duração de aproximadamente uma hora e meia.

Fundação e Museu Aleixo Belov

Ucraniano radicado na Bahia, o velejador Aleixo Belov, 77 anos, que mora em Salvador desde os seis anos de idade, criou a Fundação Aleixo Belov, e construiu um museu no charmoso e histórico bairro Santo Antônio Além do Carmo.

Foto do Museu do Mar - Aleixo Belov - Divulgação

O amplo casarão que sedia da Fundação, presidida pelo arquiteto e urbanista, Lourenço Muller, abriga inúmeras salas para encontros e reuniões, contando ainda com biblioteca, recursos multimídia e um pouco do acervo do navegador.

Do outro lado da rua, no Largo de Santo Antônio além do Carmo, está o Museu, que exibe peças e conhecimento adquiridos durante cinco voltas ao mundo e tantas outras viagens.

O belo casarão de fachada amarela que abriga o Museu, ocupa toda a frente de um quarteirão no largo, recebeu no interior o “Três Marias”, veleiro construído em 1976 quando Belov começou a perseguir o sonho de se tornar um desbravador dos mares.

O barco foi colocado no canto das portas de entrada e pode ser apreciado do térreo e de dois mezaninos no lado oposto, que podem ser acessados por uma escadaria ou por um elevador, para pessoas com dificuldade de locomoção.

Foto do Veleiro Tres Marias - Museu do Mar - Aleixo Belov

O mastro do veleiro, que extrapolaria o teto, precisou ser cortado ao meio depois que o Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural (Ipac) vetou a alteração na aparência externa do imóvel. Nas paredes sem reboco da escadaria, quadros adquiridos em viagens, sobretudo à Polinésia Francesa.

O museu é, na prática, uma forma de compartilhar com os seus visitantes os conhecimentos adquiridos mundo afora por esse ucraniano que chegou à Bahia ainda criança, junto com os pais, um casal de camponeses em fuga da Segunda Guerra Mundial.

Foto do Espaço do Museu do Mar - Aleixo Belov - Divulgação

O menino que se encantou com os mergulhos na Baía de Todos-os-Santos, formou-se em engenharia e construiu ele mesmo um veleiro com o qual fez três grandes viagens solitárias ao redor do planeta.

Aleixo Belov, cuja sede fica a poucos metros do museu, já oferece cursos de marinheiro, noções de primeiros socorros e outras atividades marinhas.

Visitas imperdíveis no verão da capital baiana.

Foto do Museu do Mar no bairro Santo Antônio Alem do Carmo - Aleixo Belov - Divulgação

Na Próxima edição, falaremos de novas atrações na capital baiana. Não percam!

Fontes:

@aclubtour

Arquivo Histórico Municipal de Salvador

Cidade da Música da Bahia

Fundação e Museu Aleixo Belov

Prefeitura da Cidade de Salvador

Publicação Anterior

Prefeitura do Rio mantém desfile de Carnaval 2022 na Sapucaí, mas cancela blocos de rua

Próxima Publicação

Jeycow Ferraz – Para 2022: Igualdade na Diversidade

283 Comentários

Deixe um comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado.