Kênia Estevess: Consciência Ambiental e Revitalização da Lagoa Azul. Parte II. Sob o olhar do Prof: MARCOS EDUARDO CORDEIRO BERNARDES.

Olá amigos!

Através dessa matéria, dou sequência a segunda parte dos relatos sobre a revitalização da LAGOA AZUL; localizada em ARRAIAL d’AJUDA-BA.

Para dar continuidade a essa pauta, convidei um profissional, recifense de alma e de coração, o qual costumo brincar que por ele ter um currículo extenso , que envolve pós graduações e vivências nacionais e internacionais, ele é “a cereja do bolo” desse projeto e de minha coluna neste momento. Rsrs.

Algumas de suas atuais funções é colaborar com a equipe do vereador VINICIUS PARRACHO, que visa o bem comum com responsabilidade e sustentabilidade ; e também Prof da Universidade Federal do Sul da Bahia e do Instituto de Humanidades, Artes e Ciências Sosigenes Costa.

Formado em Oceonografia e doutorado em MARINE SCIENCES, na Plymouth University; localizada em PLYMOUTH -INGLATERRA; entre outras instituições, Prof: MARCOS BERNARDES relata com a devida autoridade, as reais necessidades para que esse projeto se desenvolva e seja aprovado o mais breve possível pelos órgãos governamentais.

“Entendemos que este é um patrimônio histórico e cultural com uma atratividade turística gigantesca, que pode vir a contribuir para o desenvolvimento deste setor na região.”

A consciência ambiental das pessoas que frequentam esses espaços, em especial os que são localizados junto à praia, é outra importante ferramenta para que essa preservação perpetue.

E assim, trazer um novo foco para outras atratividades turísticas , mas igualmente com o devido comprometimento de todos os envolvidos. Incluindo a sociedade.

Para que esse projeto seja realizado com bases reais e seguras, o apoio de um grupo chamado de COMITÈ de BACIAS HIDROGRÁFICAs dos RIOS dos FRADES, BURANHÉM e Sto ANTÔNIO foi de grande valia para o desenvolvimento do mesmo.

Este grupo de expertise ímpar, compõe-se de profissionais docentes e estudantes de instituições como a UNIVERSIDADE FEDERAL do SUL da BAHIA; INSTITUTO FEDERAL da BAHIA( IFBA); UNICAMP e claro a Sociedade Civil.

E nesse esforço coletivo, estes acreditam chamar a atenção para duas iniciativas.

A primeira delas, é a publicação dos termos de referência sobre o estudo e abrangência de unidade de conservação, que incluem várias categorias.

Estas que já foram citadas na PARTE I , desta matéria.

E a segunda parte que se complementa muito bem a primeira, é a revitalização da Lagoa Azul em si.

A garantia do fluxo de água como no passado e a questão da segurança sobre as estruturas das falésias também estão sendo analisadas.

Vide as últimas tragédias que aconteceram na Praia da Pipa-RN e em Capitólio-MG , os pontos como erosão e a retirada das argilas pelas pessoas que ali frequentam, se tornou uma das principais prioridades.

A preocupação com a revitalização existe claro, mas pensar no entorno que deve estar totalmente integrado a natureza também é ponto pacífico.

Pensamos inclusive de como a nascente que está localizada no subsolo possa ressurgir com mais efetividade, assim como a cachoeira que voltou a cair após as fortes chuvas.

Os estudos e projetos já foram entregues a Prefeitura de Porto Seguro, desde JULHO de 2021 e conta com as diretrizes necessárias para um revitalização segura, tanto para o meio ambiente, quanto para quem frequenta esse lugar mágico e encantador que é nossa LAGOA AZUL.

Por uma questão de …ESSÊNCIA, agradeço a participação especial de MARCOS BERNARDES que após estudar nos 4 cantos do mundo , reside em Porto Seguro-BA e compartilha seus conhecimentos com a Revista do Villa .

Sucesso e conte sempre conosco.

Publicação Anterior

Adele Fátima, primeira Madrinha de Bateria do Brasil, abre o coração em entrevista para Rodolfo Abreu

Próxima Publicação

Titta Aguiar: O UNIVERSO DOS DIGITAIS INFLUENCERS

8.956 Comentários