Juan de la Plata: Floresta Beachwear aposta em slow fashion para público infantil

Empresária de Brasília transforma necessidade em negócio com marca de roupa de banho infantil com pegada eco-friendly.

A crise ambiental é assunto que envolve todos os setores sociais, e não há como negar que esta crise representa um somatório das ações do processo civilizatório pela desenfreada busca do desenvolvimento. As novas gerações já perceberam que são um forte agente de mudança para a reversão desse quadro alarmante, e esta conscientização vem tornando os jovens consumidores um público mais exigente quando vai escolher um produto.

Roberta Fernandes, graduada em Odontologia e mãe de três meninas, hoje com 16, 13 e 6 anos, viu uma oportunidade de negócio em uma necessidade dentro de sua realidade, além de atuar em um nicho que poderia agregar saúde, bem-estar, conforto, dentro de um contexto de empresa sustentável. “Depois que me tornei mãe encontrei muita dificuldade em conciliar a profissão de dentista, que me mantinha ausente de casa por longos períodos. Isso despertou em mim um enorme desejo e necessidade de trabalhar mais próxima das minhas filhas. Ao mesmo tempo, a vida prática de mãe me apresentava algumas lacunas e possibilidades de empreender. Duas das minhas filhas têm pele muito clara e sensível, e ir à praia ou à piscina era sempre um desafio. As crianças não tinham paciência para ficar reaplicando o filtro solar (que deve ser utilizado a cada 2 horas). As roupas de banho com fotoproteção que encontrávamos, normalmente eram muito folgadas, com malhas muito finas e ficavam desconfortáveis depois de molhadas”, desabafa Roberta.

Roberta Fernandes

Assim nasceu a Floresta Beachwear, que segue o modelo slow fashion, o qual preza pela diversidade, prioriza o local em relação ao global, promove consciência socioambiental, contribui para a confiança entre produtores e consumidores, pratica preços reais que incorporam custos sociais e ecológicos e mantém a produção entre pequena e média escalas. “Nossa postura engloba, desde a escolha de matéria prima sustentável, consumo consciente, geração de lixos e qualquer outra prática ou hábito que pode ser substituído por ações positivas sociais e ecológicas”, completa Roberta.

Em média, as crianças se expõem ao sol três vezes mais que os adultos, e grande parte – cerca de 80% – da radiação UV (ultravioleta) é acumulada na pele durante a infância e adolescência. Os protetores solares possuem tipicamente até 20 compostos químicos, sendo o mais frequentemente a oxibenzona. Para cumprir o efeito de barreira, o componente tem uma elevada capacidade de penetração nas camadas mais profundas da pele, levando a que parte da substância se mantenha no organismo após a aplicação. Alguns estudos científicos têm sugerido que a oxibenzona provoca danos celulares e desequilíbrios hormonais, acumulando riscos para a saúde humana.

Contando com os avanços da tecnologia, as peças da marca possuem fotoproteção UV50+, bloqueando 97,8% dos raios ultravioletas prejudiciais à saúde e possuem certificação da ARPANSA (Agência Australiana de Proteção à Radiação e Segurança Nuclear). A matéria-prima contém elastano Creora® HighClo, tecnologia que protege a malha do cloro e mar e garante 3 vezes mais durabilidade do que os elastanos convencionais, menos desgaste, e garantia de compressão. 

Pensando em soluções para diminuir o impacto do lixo, a Floresta tem parceria com a Ciclou, empresa de São Paulo que desenvolve serviços sustentáveis de transformação – upcycling – de peças e objetos em novos produtos, aumentando seu ciclo de vida útil. Trabalham em parceria com artesãos e artistas para preservar a história de afetividade dos produtos de seus clientes impulsionando a economia circular ao reutilizar materiais que seriam descartados. Os biquínis se transformam em lindas e estilosas pochetes. Além disso, semanalmente, toda a sobra de retalhos é doada para uma comunidade de artesãs, fomentando a arte e garantindo insumo para confecção de produtos artesanais que são vendidos por elas em feiras livres.

Segundo Roberta: “ao proteger a pele de forma consciente, usando roupa com fotoproteção de uma marca certificada, não existe necessidade de passar bloqueador solar nas áreas do corpo cobertas, consequentemente se reduz a quantidade de filtro, reduzindo a intoxicação da pele, e protegendo o oceano. Estudos revelam que cerca de 14 mil toneladas de protetor solar que vão parar aos oceanos anualmente”. Todos os anos, toneladas de plástico acabam nos oceanos prejudicando a vida marinha e humana. O cenário é pouco animador, estudos apontam que  90% das aves marinhas comeram resíduos desse material pelo menos uma vez na vida, e 83% da água que sai das nossas torneiras contêm partículas do material, e seus químicos tóxicos podem ser encontrados em nossa corrente sanguínea.

A Floresta tem parceria com o Instituto Mar Urbano, uma ONG estabelecida no posto 6 da praia de Copacabana, que tem a missão de aproximar as pessoas da natureza, levando o conhecimento científico para a população e debatendo as problemáticas ambientais que vivemos hoje. A partir de atividades de educação ambiental somadas à divulgação de produtos audiovisuais, buscam inspirar, conscientizar e mobilizar a sociedade.

Com apenas 5 anos, a carioca Nina Gomes é a embaixadora do instituto, e comparada internacionalmente como a ativista ambiental Greta Thunberg. Recentemente foi vencedora do Oscar da ecologia, o Prêmio Hugo Werneck, como Melhor Exemplo de influenciadora Ambiental. Nina é orgulhosamente embaixadora da Floresta.

Pensando em formas de impactar positivamente o planeta, na compra de 3 produtos da Floresta, o cliente colabora com o plantio de uma árvore em área de reflorestamento. O cliente pode escolher a área de plantio e o tipo de árvore. Ele recebe um código, baixa um aplicativo e pode acompanhar desde o plantio da muda até o desenvolvimento da árvore.

Todo o processo é realizado através de uma parceria da marca com ONGs responsáveis por reflorestamentos, elas organizam uma teia de plantio de árvores nativas em áreas degradadas ou de alta fragilidade ambiental. Somando forças para preservar nosso mais precioso bem: a mãe Natureza.

Para mais conteúdos sobre causas sociais, sustentabilidade, saúde, artes e turismo, siga: @juandelaplataofficial.

Publicação Anterior

Sonia Belart: Porto: Histórias e lendas  (Estação de São Bento)

Próxima Publicação

Fresno apresenta VTQMV RMXS 01, primeiro compilado de remixes do álbum Vou Ter que Me Virar

9 Comentários

Comentários encerrados.