Kênia Estevess: BURNOUT - Parte 2 ; um relato especial na visão da Psicóloga MIRNA HOLDER.

Olá amigos, sejam bem vindos a mais esse domingo de informação e integração do circuito luso brasileiro.

Como havia dito na semana passada, o assunto BURNOUT é tão extenso , que resolvi dividi-lo em 2 partes.

E para somar a primeira, hoje trago como convidada uma psicóloga de ponta e carisma especial.

Dra. MIRNA de QUEIROZ HOLDER.

Em seu relato, ela nos faz refletir a questão do tempo que nos propusemos a ter para cuidar de nós mesmo.

Reflexões profundas, que nos levam ao encontro de nossa própria… ESSÊNCIA.

Que seja igualmente bem vinda as nossas VIDAS e a REVISTA do VILLA.

“Vivemos na sociedade do cansaço. Estamos inseridos na cultura da alta performance.  A exaustão é quase uma ideologia dos nossos tempos. A frase “estou sem tempo”, foi perigosamente romantizada, pois traz o status de alguém que está ocupado é bem-sucedido na vida. Será mesmo? Qual o custo emocional de tudo isso? Quando é preciso parar? Desacelerar e imprimir um ritmo menos adoecedor para a própria vida?

Burnout, estafa e ansiedade tornaram-se vocabulários corriqueiros, não apenas nas sessões de terapia ao redor do mundo, mas também nos bate-papos entre amigos e familiares – situação que se agravou em tempos de pandemia.

A Síndrome de Burnout se caracteriza por três dimensões: exaustão emocional, despersonalização e baixo sentimento de realização.

A exaustão emocional acontece, quando o indivíduo sente que não tem energia para lidar com situações estressoras e com as exigências comuns do trabalho, da vida,  além da perda do entusiasmo. Ela pode ser percebida em diversas áreas, como  maternidade, trabalho, sucesso profissional e conectividade excessiva.

A despersonalização é caracterizada pelo distanciamento emocional com as outras pessoas. Uma apatia diante dos vínculos e perante as tarefas a serem realizadas.

O Baixo sentimento de realização, faz com que o indivíduo se sinta frustrado, desmotivado, constantemente insatisfeito com suas habilidades. Ele pensa que suas habilidades são aquém daquelas necessárias, que ele não tem a devida competência e sente-se descontente.

Os sintomas dessa exaustão emocional e do Burnout podem ser emocionais, físicos e geralmente incluem:

Alterações gástricas ou intestinais, dificuldade em dormir, irritabilidade, fadiga física, desmotivação, falta de atenção, apatia, mudança no apetite, nervosismo, dificuldade de concentração, falhas na memória, pessimismo, pouca energia.

Até qual próximo sintoma você vai aguardar para reavaliar seu estilo de vida? Até quando precisamos nos submeter a essa dinâmica social que nos coloca como máquinas produtivas?

Qual foi a última vez que você se autorizou a fazer um pouquinho menos? A fazer pausas? A contemplar, a se conectar com você mesmo para perceber qual é a vida suficiente? Qual o ritmo de vida saudável para você?  

Muitas vezes a exaustão emocional é tamanha que sozinho não conseguimos sair desse emaranhamento. Procurar ajuda profissional é uma escolha importante.”

Um abraço,

Mirna Queiroz Holder

Psicóloga.

Publicação Anterior

Queijo vira protagonista nos doces criados pela especialista Louzier Lessa

Próxima Publicação

Teatro Rival Refit apresenta: “Festa BATMAKUMBA” – Show presencial