Kênia Estevess: Como funciona o LAR TEMPORÁRIO de PETS, nas grandes tragédias? Por MARINA SILVA e Dr.. MIGUEL SELEM.

O casal MARINA e MIGUEL SELEM, em ARRAIAL d’AJUDA

Olá amigos!

Em meio a tantas tragédias naturais , não tem como abstrair as ações de resgate dos PETS das casas que desmoronaram e das pessoas que ali faleceram.

E para dar um relato do que é verdade e o que é fake, nesse triste momento, convidei o casal MARINA SILVA SELEM e o veterinário Dr. MIGUEL SELEM, moradores de ITAIPAVA, distrito de PETRÓPOLIS e apaixonados por nossa região .

O casal se encontra em sua respectiva residência em Itaipava com a cacatua LUDOVICO

Eles que são daquelas pessoas que param na madrugada, no meio de um viaduto no RJ, para resgatar um gato que estava todo queimado, e que agora , mora com eles e que se chama FUFEU. Rsrs. Uma analogia ao estado que ele encontrava na ocasião.

FUFEU e LUDOVICO

Espero que com essa matéria, eu e a REVISTA do VILLA possamos esclarecer alguns pontos e colaborar com um novo olhar sobre esse tema, claro, da mais pura….ESSÊNCIA.

MIGUEL e MARINA em recente atendimento em PETRÓPOLIS

Que sejam bem vindos!

K.E. 1 : Marina, o que é um LAR TEMPORÁRIO?

M.S. Chamamos de LAR TEMPORÁRIO, o lugar que se disponibiliza a ficar e a cuidar de PETS resgatados durante um certo tempo.

K.E.2: Você comentou que existem alguns formatos de LAR TEMPORÁRIO.

Quais são eles?

M.S.: Para o PET que achamos ter um dono, ficamos até o mesmo aparecer . E para que isso aconteça, uma verdadeira campanha com os protetores é organizada para que possamos achá-lo.

Já no caso do Pet ser abandonado como citei anteriormente, ficamos até encontrar um adotante.

K.E.3: Como estão funcionado os LARES TEMPORÁRIOS na tragédia de Petrópolis?

M.S.: Na verdade , nesse momento, não temos como saber se esses PETS tem ou não donos.

Então estamos criando novos espaços para que possamos cuidar até chegar alguém que queira adota-los.

K.E. 4: Voce e Miguel costumam fazer LAR TEMPORÁRIO na casa de vocês em Itaipava, mesmo tendo outros cães , 2 gatos e uma Cacatua; que vale ressaltar que possui anilha e registro nos órgãos ambientais.

Como administrar o que acaba virando uma matilha?

M.S. : O perfil de nosso LAR TEMPORÁRIO , é mais restrito, pois passamos praticamente o dia todo no RJ.

Assim, para que pudéssemos colaborar, criamos um espaço reservado a PETS que não precisasse de cuidados de UTI, por exemplo.

K.E. 5: Tenho a informação que várias frentes se formaram para atender os PETS vítimas da tragédia.

Quais são elas?

M.S.: Bem, o FABULOSO MUNDO dos PETS de Gabriela e Valdir; está construindo um espaço especial na sua própria residência em PETRÓPOLIS; para receber especialmente esse nicho.

Além disso ela mantém alguns cães em outros abrigos e doa rações.

Outras pessoas , estão aceitando PETS de porte pequeno , mas com um número limitado também.

Venho lembrar que todos esses LARES TEMPORÁRIOS, são mantidos por recursos próprios e doações de colaboradores.

K.E. 6: E antes desses PETS irem para os LARES TEMPORÁRIOS , eles passam por alguma avaliação veterinária?

M.S.: No caso de tragédias como a de Petrópolis, nenhum PET passa por avaliação antes de ir para o LAR TEMPORÁRIO, não.

Nosso objetivo é retirá-lo daquele lugar e acolhê-lo. Depois , caso a pessoa que está se disponibilizando queira fazer algum exame, ok. Mas tudo por conta própria, repito.

K.E.7: E o projeto AMIGOVIRALATA?

M.S.: Este é um lindo projeto, que sua criadora CRISTIANE SOPHIA, desenvolveu em PETRÓPOLIS.

Rações e doações são levadas aos LARES TEMPORÁRIOS e possui também como objetivo buscar lares fixos para os pets resgatados.

K.E. 8: Voce e Miguel costumam viajar para outros lugares fora do circuito RJ , como ANÁPOLIS/GO; para atender outros LARES TEMPORÁRIOS. Conte-nos a respeito dessa vivência.

M.S: Conheci o Edu(@megaedu1) pelas redes sociais.

Edu tem 19 anos e desde os 9 faz proteção animal.

Lutou contra um câncer desde a infância e mesmo internado procurava donos e soluções p animais em risco.

Ano passado ele ficou curado do câncer , após 15 anos de muita luta e superou todos as muitas adversidades que surgiram pelo caminho.

Como me tornei uma enorme admiradora dele e de seu trabalho, resolvi junto a miguel irmos visita-lo e ajudar a organizar seus 24 cães e 11 gatos. Todos resgatados em situação de muito risco e/ou abandono . Vamos lá 1 vez por ano e ficamos 3 dias.

Ele tem uma clínica em que confia , a qual é muito boa, mas sempre conta com a ajuda financeira de seus seguidores para manter os PETS resgatados.

K.E. 9: Voces tem planos de ampliar esse território de ajuda? Quem sabe Bahia?

M.S. Adoraríamos; porém como os custos de passagens, hotel , carro de aluguel e alimentação mais elevados e por conseguinte a agenda no RJ cada dia mais comprometida , resolvemos otimizar o tempo e focar mais na carência da região de PETRÓPOLIS e adjacências.

Miguel atende aos mais necessitados com consultas , doação de remédios e possíveis cirurgias.

K.E. 10: Qual a dica que vocês deixam para quem quer ajudar e desenvolver um LAR TEMPORÁRIO, independente de qualquer tragédia?

M.S. :A dica é em primeiro lugar amar os animais, ter boa vontade e alguma disponibilidade de tempo, dedicação e não contar mto c os outros e sim consigo mesmo.

Acontece de quem se compromete em ajudar com dinheiro ou ração , ajuda no começo e depois não mais.

Tem que adequar alguns itens que consideramos fundamentais nesse processo.

São eles: TEMPO, ESPAÇO, DEDICAÇÃO e muito AMOR por eles.

Se vale a pena e algum sacrifício? Vale 1000x.!!!

De mais eu e a REVISTA do VILLA, agradecemos ao casal por essa entrevista de amor e de entrega aos nossos MELHORES AMIGOS.

Que SÃO FRANCISCO de ASSIS os abençõe.

Publicação Anterior

Teatro Rival Refit apresenta: ” CONECÇÃO 4 ” – show presencial

Próxima Publicação

Sardinha Taberna Portuguesa traz sabor e essência da terrinha em almoço executivo