Kênia Estevess: ONG INSTITUTO BICHO SEGURO e LAR TEMPORÁRIO em PORTO SEGURO-BA. Parte 2. Pela Vice-Presidente da ONG CLAUDIA MARTIN.

Vice Presidente do Instituto Bicho Seguro-Claudia Martin

Olá amigos,

Ao dar continuidade ao tema “LAR TEMPORÁRIO “ e suas atuações nas grandes tragédias recém acontecidas em Petrópolis e no Extremos Sul da Bahia, convidei para essa segunda parte da matéria a empresária CLÁUDIA MARTIN; vice presidente da ONG INSTITUTO BICHO SEGURO e proprietária da petshop CÃOPANHIA

Ambas localizadas aqui no distrito de PORTO SEGURO-BA.

A história me atraiu bastante, pois por coincidência estamos na semana do DIA INTERNACIONAL das MULHERES e a ONG, que tem como presidente a sra. Maria Marta Gonzales , é formatada em sua direção por 12 mulheres .

Estas que na verdade já exerciam a função de protetoras independentes e resolveram em 2020 unir forças em pro dessa causa que considero claro, da mais pura…ESSÊNCIA.

Que seja bem vinda!

Logo - Instituto Bicho Seguro

K.E. 1: Cláudia Martin , qual o propósito da ONG INSTITUTO BICHO SEGURO?

C.M.: Nossa missão que já era desenvolvida individualmente, é unir forças para proporcionar um bem estar e um lar dignos aos animais abandonados e perdidos .

K.E. 2: É uma realidade também aqui em nossa região, os PETS que deixaram de ter seus lares por causa da pandemia ou na ocasião das últimas fortes chuvas?

C.M. : Infelizmente essa realidade existe e é lamentável o número crescente de abandonos todos os dias.

K.E. 3: O INSTITUTO BICHO SEGURO , é formado por 12 mulheres.

Todas elas são ligadas profissionalmente ao universo PET?

C.M. : Não. Eu sou a única a ter um estabelecimento comercial ligado a esse universo. O restante do grupo é formatado por empresárias ou não, mas igualmente apaixonadas pelos animais.

K.E. 4: Cláudia; muito me chamou a atenção a presidente da ONG INSTITUTO BICHO SEGURO, sra MARIA MARTA GONZALES.

Sei que ela abriga 28 animais com problemas; em sua própria residência, e cuida deles com recursos pessoais. Assim como todas vocês.

Em tempos de inflação alta e redução de custos; como vocês superam as dificuldades sem a ajuda do governo?

C.M. Realmente. Apesar de prestarmos um serviço fundamental a prefeitura ao retirar os animais das ruas , cuidarmos e castra-los, não recebemos nenhuma ajuda governamental.

Vivemos exclusivamente de doações de rações, remédios e dinheiro , claro.

K.E. 5: Qual a ação que você mais destaca nesse momento?

C.M. Gosto muito de divulgar os nossos bazares mensais, onde vendemos roupas, sapatos e bijouxs doadas por nossos colaboradores.

Bazar Beneficente

K.E.6: Na primeira parte de nossa matéria sobre “LAR TEMPORÁRIO “, vimos como este funciona em PETRÓPOLIS, onde acaba de ter uma grande tragédia.

Como vocês vem trabalhando esta proposta aqui me PORTO SEGURO-BA?

C.M. : O formato é semelhante do que está sendo desenvolvido em PETRÓPOLIS.

Buscamos pessoas que além de terem possibilidade de abrir as portas de suas casas, entendem que também é preciso abrir o coração.

Compreender que esse animalzinho, poderá vir com alguma doença que exige um cuidado especial e traumas profundos.

K.E. 7: O LAR TEMPORÁRIO, se for o caso , pode vir a adotar o PET em questão?

C.M. : Quando isso acontece é uma benção.

K.E. 8: Como vocês definem a expressão LAR TEMPORÁRIO?

C.M. : Um lugar que acolhe, cuida e ajuda a socialização do pet ou mesmo da ninhada até a adoção do mesmo.

K.E. 9: E quais os critérios que a ONG INSTITUTO BICHO SEGURO exige para que este LAR TEMPORÁRIO ou adotante sejam benéficos para os peludos?

C.M.: 1: Sua casa deve estar apta para receber o visitante ou adotado.

2: Se for o caso, certifique-se que seu PET, convive bem com outros animais.

3: E o mais importante de todos, lembre que esse PET que irá ficar em sua casa por um certo período de tempo ou de forma fixa, precisará ser amado e se sentir seguro. Senão, nada adianta.

K.E.10: Vocês podem deixar um contato e uma conta corrente para quem quiser colaborar com a ONG INSTITUTO BICHO SEGURO ?

C.M. : Com certeza e desde já agrademos o investimento.

Apesar de ainda não termos uma conta comercial, por questões burocráticas; uma das integrantes de nosso grupo, disponibilizou a sua própria conta corrente para que essas doações fossem feitas.

E através de nossa página no Instagram, você pode se candidatar a ser um de nossos colaboradores ou voluntários.

Então amigos da REVISTA do VILLA?

Vamos ajudar?

Obrigada, CLAUDIA MARTIN.

Contem sempre comigo e com a REVISTA do VILLA.

Publicação Anterior

Galeria BASE abre mostra de Guilherme Almeida | “Este sorriso que em mim emana”

Próxima Publicação

Peça “O Alienista”, inspirada no texto de Machado de Assis, estreou 10 de março no Rio de Janeiro

12 Comentários

Comentários encerrados.