Vera Donato: Ney Matogrosso no TIM Music Noites Cariocas

Ney Matogrosso

Cantor de 80 anos, dançou e cantou no palco do anfiteatro do Morro da Urca em show irrevente e performático

Quando o primeiro bonde para subir para o Morro da Urca foi aberto ao público, às 21h, os convidados já formavam fila para assistir à apresentação única de Ney Matogrosso. A noite foi embalada pelo show “Bloco Na Rua”, que teve sua turnê interrompida pela pandemia.  

Pontualmente às 23h, o cantor subiu ao palco já embalando os presentes com “Eu Quero é Botar o Meu Bloco na Rua”, que pulavam e cantavam junto com o artista trajado de uma roupa dourada que cobria até a cabeça. Ao longo dos sucessos e danças, Ney até ameaçou se despir, abrindo um pouco o zíper da blusa, deixando o público ainda mais embalado, pura brincadeira. Ao som de “Poesia”, uma das músicas mais esperadas da noite, Ney cantou e emocionou todo o público em uma apresentação irreverente e performática. 

A banda também fez um show à parte, a percussão de Felipe Roseno e Marcoz Suzano encantou a plateia, junto com o baixista Dunga, Mauricio Negão na guitarra, Aquiles Moraes no trompete e Everson Moras no trombone. No bis, “Sangue Latino” e “Como 2 em 2”, com coro dos presentes, dando fim ao terceiro final de semana de evento. Sem dúvidas, um dos shows mais memoráveis e marcantes da temporada, marcados pela irreverência e presença do artista. 

Na plateia, Ney foi prestigiado por fãs e amigos, que lotaram o anfiteatro. Renata Ceribelli, Thalita Rebouças e Gabriel Leoni.  

Após o show, o after party foi garantido pela festa “Chá da Alice”, que levou a Dj Bruna Strait para comandar a festa, com um set variado e direito a fantasias no palco.  

Na noite anterior, sexta-feira (1º de abril), o Baianasystem subiu ao palco do TIM Music Noites Cariocas, com muitas danças e rodinhas ao som dos sucessos do grupo de Salvador (BA), que apresentaram o show “Sulamericano”. A plateia, cercada de pessoas com máscaras “caretas”, parte da estética do grupo, foi uma das mais animadas, mesmo com a chuva que caia do lado de fora do anfiteatro. Quem abriu a noite da sexta-feira foi Osmar Silveira, com tributo a Cazuza.  O artista proporcionou momentos nostálgicos, cantando os sucessos do cantor com direito a encenações e emoção de Osmar, que chorou durante a apresentação aos gritos de “Viva Cazuza” da plateia. O show contou com os maiores hits como “Ideologia”, “Codinome Beija-Flor”, “Vida Louca Vida” e “Blues da Piedade”. 

Na próxima semana acontece o último final de semana da temporada de Noites Cariocas, com show de Anvitória, na sexta (8), e sábado (9) com Baby e Pepeu.  

Publicação Anterior

Leandro Junior abre individual no Museu de Arte Sacra – Viúvas de Maridos Vivos

Próxima Publicação

“Preta de Ébano” – A peça está com tudo e é para todos – Circula por vários bairros cariocas e estreia no Youtube