Chico Vartulli: A minha convidada é  a excelente curadora e artista plástica Lu Valença. 

Uma foto exclusiva da talentosa curadora e artista plástica Lu Valença.

A primeira faceta que nos chama atenção na artista plástica niteroiense Lu Valença é a sua arte, as suas formas e cores, a sua sensibilidade ímpar para captar o belo e nos devolver emoções. A artista é daquelas presenças que são arte por si só, e por isso mesmo não poderia trabalhar com outra faceta. Ela respira arte, se entrega, nos brinda a cada nova produção com um deleite novo aos sentidos, não apenas aos olhos. As cores e formas da Lu nos emocionam e causam identificação.

Lu conta com mais de 18 anos de experiência no mercado da comunicação visual, trabalhou em grandes corporações, como a Petrobras Distribuidora, e prestou serviços a editoras, como a Brahma Kumaris, Penalux e In-Finita.

Uma obra de Lu com um nome bem sugestivo, a Vida. Lindíssima

No início da pandemia consolidou sua vertente de curadora com a criação da Contemporâneos Galeria de Arte, uma galeria virtual, que lança novos artistas e propõe trabalhos de cocriação, além de cursos livres e seminários gratuitos.

A artista/curadora se prepara para a montagem da grandiosa Exposição Modernistas 1922-2022 no Museu Casa dos Contos na cidade histórica de Ouro Preto em abril e em seguida para o Casa Design que acontecerá em maio deste ano.

Em Ouro Preto a equipe com a curadoria de Lu, conta a história do Triângulo das Artes. Acredita nos movimentos e coletivos, principalmente, no momento que atravessaram, por isso em 2020, logo depois de criar a Contemporâneos, convidou seus parceiros da Arte4 Galeria de Búzios e da Casa Alphonsus de Ouro Preto, para formar o Triângulo. O objetivo é o intercâmbio e união de forças. Desde então, fizeram várias ações, como exposições em Búzios, seminários virtuais gratuitos e estava na vez de Ouro Preto. Homenagear o Centenário da Semana de Arte Moderna foi natural pra todos eles.
O acervo da exposição é riquíssimo.

Apresentarão obras originais de pintores Modernistas da coleção de Carlos Eduardo Leal. Dentre eles estão, Anita Malfatti, Di Cavalcanti, Tarsila do Amaral, Alfredo Volpi, José Pancetti, levarão também 32 obras de artistas contemporâneos.

A equipe já estão trabalhando há 8 meses na montagem,  a produção e  exposição é financiada pelos próprios artistas, conta com um grupo na montagem e criação,  de  pessoas muito antenadas, envolvidas nas artes , como: Denise Greco, Eduardo Tropia, Giancarlo Diniz e Patricia Penna.

Um belo trabalho de Lu, a Raiz

Lu comenta que tem sido uma grande emoção ser curadora-chefe de um projeto como este. Os artistas mergulharam de cabeça em suas produções e pesquisas. Montaram um grupo de estudos e o retorno não foi só artístico, mas de aprofundamento das relações. Acredita que o público vai sentir em cada obra que irão apresentar nesta exposição, esse comprometimento e paixão pela arte. A exemplo dos Modernistas, também propoe questionamentos e reflexões. 

Briza Fresca uma exótica e linda obra

Tanto a Contemporâneos, como o Triângulos das Artes não podem parar. Em maio, Lu Valença , leva alguns artistas da galeria para o Casa Design para o projeto da Fika Arquitetura. E quem sabe no segundo semestre pretendem montar Modernistas 1922-2022 no Rio de Janeiro finaliza a artista dizendo: Acho que o povo merece!

Fotos: Arquivo pessoal/Divulgação. 

Publicação Anterior

Figurino usado pelo ator Paulo Gustavo será sorteado pela Fraternidade sem Fronteiras

Próxima Publicação

Claudia Melo: Moysés Faria, o diretor do audiovisual com um legado admirável.