André Conrado: Barra da Tijuca – De sertão à Miami carioca – Parte 2

Foto da Barra da Tijuca – Pedra da Gávea – Anos 50 – Arquivo Histórico Nacional

Marco Histórico

O grande marco da história da Barra da Tijuca surgiu com o arquiteto-urbanista Lúcio Costa, que foi contratado pelo então governador do Estado da Guanabara, Negrão Lima, para fazer um projeto urbanístico e estratégico para a região: O Plano Piloto da Barra da Tijuca, de 1969, similar ao Plano de Brasília, de inspiração no urbanismo racionalista, com grandes avenidas e grandes espaços abertos, marcou definitivamente o início do estilo de vida peculiar do futuro morador.

Foto da Propaganda da Barra da Tijuca - Anos 50 - Biblioteca IBGE

Um bairro enorme, incompleto, muito longe do Centro da Cidade, com transporte público insuficiente e, ainda por cima, sem as esquinas e os simpáticos botequins da Zona Sul, Zona Norte e Centro; assim foram os nada glamourosos primeiros anos urbanizados da história Barra da Tijuca, que teve iniciada timidamente seu desenvolvimento urbano, durante as décadas de 60 e 70, pelas regiões ou sub-bairros do Jardim Oceânico e da Barrinha.

Foto da Barra da Tijuca - Paisagens de antigamente - IBGE

Outro importante marco histórico da cidade aconteceu em terras da Barra.

O bairro protagonizou a prova os 500 Quilômetros da Guanabara em 1964, a nata do automobilismo nacional driblava as precárias condições do “autódromo” para levar as máquinas ao limite.

Nomes como Chico Landi, Emerson e Wilson Fittipaldi, José Carlos Pace, Chico Lameirão, Piero Gancia, Bob Sharp dentre outras feras da época.

Foto da Corrida - 100 milhas da Guanabara - 1964 - Arquivo Nacional

Os carros eram uma festa para qualquer amante do esporte à motor, protótipos loucos criados por brasileiros, esportivos europeus como Porsche e Simca Abarth, finos carros de gran turismo, como Alfa Romeo Guilia e Ford Cortina, carros nacionais esportivos como o Malzoni e e Willys Interlagos.

O circuito com algumas pequenas intervenções, principalmente abrindo-se passagem nos canteiros centrais pode ser restaurado a qualquer momento.

A largada era na Av. Armando Lombardi quase em frente à Igreja São Francisco de Paula, dali os carros entravam na rua Rodolfo Amoedo onde chegavam na famosa “Jesus está chamando” na praça do O , hoje praça São Perpétuo, e logo depois ainda na praça o famoso S, ali eles entravam na praia onde chegavam a maior velocidade, até fazerem a curva do Sobre as Ondas, ou do Bob’s, ou da Esso, essa tinha várias denominações, e entravam na rua Olegário Maciel até chegarem novamente no início.

Um circuito de altíssima velocidade, onde as pessoas ficavam empoleiradas no meio fio, sem nenhuma proteção, e a precariedade do piso das ruas junto com a terra e a areia de uma barra quase deserta provocavam vários acidentes, alguns carros se esborrachavam nos postes ou caiam dentro da praia.

Foto dos acidentes do Circuito da Barra da Tijuca - Anos 60 - Biblioteca IBGE

O início dos anos 80 marcou fortemente a história da Barra da Tijuca. O bairro passou por uma efervescência, principalmente depois da inauguração da Autoestrada Lagoa-Barra (Autoestrada Engenheiro Fernando Mac Dowell), que reduziu muito o tempo de transporte para a Zona Sul. Por essa mesma época, consolidaram-se grandes condomínios fechados, inspirados num então novo modelo de vida, com destaque para o Nova Ipanema e o Novo Leblon; de cerca de 20 mil moradores, antes da Lagoa-Barra, a Barra passaria a ter os atuais cerca de 400 mil habitantes.

Foto da Barra da Tijuca -Jardim Oceânico - Anos 80 - IBGE

Foi também no início da década de 80 que a inauguração do BarraShopping marcou uma virada, e a Barra da Tijuca viveu uma explosão demográfica, com as avenidas ganhando sinais e sendo duplicadas e suas margens ocupadas por condomínios residenciais, parques, supermercados, escolas, hospitais etc. Nessa época houve um movimento de emancipação da região da Barra tendo a maioria dos eleitores votado pela separação, mas o resultado do plebiscito não foi suficiente para implementá-la, ficando aquém do mínimo.

Foto da Construção do Barra Shopping - Anos 70 - World Press

Mesmo com a abertura do sistema de túneis e elevados do Joá, tão importantes como bonde e o Túnel Velho foram para Copacabana 80 anos atrás, o bairro ainda se encontrava pouco povoado.

Foto primórdios da Barra da Tijuca - Anos 80 - Biblioteca IBGE

O transporte precário era um problema, pois o bairro foi criado pensando-se no transporte individual e numa futura linha de metrô, que pelos planos do Estado da Guanabara estaria concluída em 1996/98, quando os acessos começassem a ficar complicados. Nessa época os moradores contavam com pouquíssimas linhas de ônibus, quase todas apenas de passagem e a linha Frescão Castelo-Alvorada inaugurada poucos anos antes.

Essa linha era sempre usada praticamente pelas mesmas pessoas que iam à trabalho para o Centro da cidade, e dada a baixa taxa ocupacional do bairro, muitas vezes o motorista aguardava alguns minutos algum passageiro habitual que não estava no ponto, pois poderia estar atrasado. Também se desenvolveu nos condomínios um transporte exclusivo dos moradores dos principais condomínios do bairro; que facilitara bastante a vida dos que ali viviam.

Nesta época alguns memoráveis Restaurantes marcaram gerações, como o Farol da Barra, Palhota, Vice-Rey e na Barrinha o Bar do Oswaldo, existente até os dias atuais.

Foto do Restaurante Farol da Barra - Praia da Barra da Tijuca - Anos 80

A Barrinha e o Jardim Oceânico loteamentos antigos do bairro, que por isso ficaram fora do Plano Lúcio Costa, ainda eram pouquíssimos ocupados, e praticamente todas as suas ruas eram de terra, situação que permaneceu até o fim da década de 80.

Foto da Barrinha - Anos 80 - MultiRio

A Barra desenvolveu uma cultura de bairro própria, diferente da cultura carioca, possivelmente pelas suas características urbanas. Sendo algo que não agrada os cariocas mais tradicionais, mas o bairro por dispor de espaços, que em breve sumirão, atraiu nos anos 80 e 90 um grande sortimento de grandes lojas, supermercados, Shoppings e complexos de lazer, sendo essa característica importante.

Foto aérea da Barra da Tijuca - Final anos 80 - IBGE

Na próxima edição, adentraremos os anos 90 com grande desenvolvimento e mudança na imagem da grande restinga. Não percam!

Fontes:

@aclubtour

ACIBARRA

Arquivo Nacional

Biblioteca Nacional

Biblioteca IBGE

GuarAntiga

MultiRio

Publicação Anterior

Peça “Brilho Eterno”, com Reynaldo Gianecchini e Tainá Müller na visão de Jorge Farjalla, é sucesso em São Paulo

Próxima Publicação

Sucesso de crítica e público, musical “Naked Boys Singing!” fica em cartaz no Rio até esse final de semana