Jeycow Ferraz - Gatilhos: aliados ou inimigos da nossa mente?!

Vivemos numa sociedade em que, o tempo todo, precisamos estar nos colocando como o que de fato somos e de como queremos e desejamos ser vistos; seja eticamente falando, socialmente, profissionalmente e nas relações interpessoais em seus mais diversos prismas. O que acontece é que, dentro da comunidade LGBTQIA+ os nossos gatilhos são bem mais intensos e complexos.

São os gatilhos emocionais que trazem histórias, traumas, frustrações, necessidade de superação, a tal resiliência tão abordados nas rodas de assuntos corriqueiros em nosso dia a dia. São os gatilhos mentais que nos levam à um lugar onde nem sempre gostaríamos de estar, e/ou por hora, outros tantos lugares de posição ou colocação pessoal ou social que gostaríamos de já ter alcançado mas por algum motivo ainda lá não estamos.

O fato é que, o tema “gatilhos” tem sido cada vez mais frequente e necessário de ser abordado; talvez pelo mundo moderno que, despercebidamente, nos traz danos causados pela urgência em termos que estar inseridos no universo da tecnologia que não pára, que se renova velozmente, e nós seguimos ou pelo menos tentamos, caminhar nesse mesmo fluxo.

Quando se trata de questões comportamentais, de colocação social ou da defesa de seu próprio gênero diante do outro, os gatilhos são muito mais aflorados à sensibilidade.

Eis um exemplo clássico:

“Se você já comprou um produto por impulso e depois buscou motivos para defender a sua ação, saiba que um ou mais gatilhos mentais podem ter sido ativados.”

Os gatilhos mentais são agentes externos capazes de provocar uma reação nas pessoas e tirá-las da zona de conforto. Uma coisa é certa: o nosso cérebro é repleto de mistérios.

Sabemos, por exemplo, que a nossa mente toma decisões com base em um contexto social e emocional. Assim, um gatilho mental, quando ativado, pode provocar um sentimento favorável ou desfavorável. Por essa razão, é preciso usar essa técnica com responsabilidade e foco nos objetivos.

Existem diversos gatilhos mentais, mas alguns deles são mais utilizados.

A seguir, você confere os principais:

GATILHO DE ESCASSEZ 

Este é um dos gatilhos mentais mais famosos. Ele consiste em incitar nas pessoas a sensação de perda. 

GATILHO DE URGÊNCIA 

O gatilho mental de urgência explora um hábito comum dos seres humanos, que é deixar tudo para depois quando há essa opção. 

GATILHO DE RECIPROCIDADE 

Assim como no gatilho da urgência, o da reciprocidade se vale de um comportamento bastante comum dos humanos, que é retribuir algo que lhe é dado de graça. 

E descartaria aquele que mais nos assola diariamente:

GATILHO DA PROVA SOCIAL

Entre as necessidades dos indivíduos, está a de ser aceito e conviver bem em grupos. 

Em todos esses e muitos outros, o que se eu fosse citar todos tornaria esse Editorial uma imensidão, você pode usá-los à favor ou contra você. A decisão mais do que nas suas mãos está na sua cabeça, na sua mente, em como vc administra a resposta aos gatilhos que existem em você.

E sobre seus gatilhos:

Reconheça-os e administre-os.

Você pode. Você consegue!!

E nunca em hipótese alguma, permita que um gatilho,ou pessoas e acontecimentos que o acionem em seu interior, faça com você não se orgulhe de ser QUEM VOCÊ É e como VOCÊ É.

Auxílio de Pesquisa: UCS – Universidade Caxias do Sul.

Publicação Anterior

Estrada do Pontal, bairro carioca do Recreio, tem iluminação e segurança resgatadas

Próxima Publicação

TV VILLA: Entrevista com Raphael Mota e Aquiles