As muitas faces do ator carioca Lucas Freitas – entrevista por Rodolfo Abreu

Ator Lucas Freitas mostra versatilidade na carreira – Divulgação

Aos 25 anos, o ator carioca Lucas Freitas já fez teatro, TV, streaming e publicidade. Vivendo um bom momento na carreira, Lucas acaba de chegar na Europa para participar de uma novela em Portugal. Mostrando versatilidade em suas interpretações, Lucas mergulha fundo nos personagens e mostra que ainda veremos muitos bons trabalhos seus. O ator conversou com o jornalista Rodolfo Abreu em entrevista exclusiva para a Revista do Villa.

Como e onde foi sua formação?

R: Sou ator, sempre gostei e me imaginei como ator desde criança, mas foi na CAL (Casa das Artes de Laranjeiras) que descobri meu ofício. Descobri como curtir o processo, as dores da preparação e o prazer de estar no palco.

E quando decidiu se tornar ator?

R: Quando criança eu cheguei a frequentar o Tablado com amigos, mas não levei pra frente. Mas quando estava cursando rádio e tv na faculdade, percebi que preferia estar em frente do que atrás das câmeras, larguei a faculdade e fui pra CAL.

Quais suas referências nas artes? Quem são seus atores/atrizes que admira?

R: Leonardo DiCaprio é sem dúvida meu favorito. Os medalhões me impressionam. Amo Al Pacino também. Fernanda Montenegro é sem dúvida uma referência pelo talento e o tanto que representa na área, Marília Pêra me surpreendia também. Da minha geração, o trabalho do Tymothée Chalamet me agrada.

Lucas Freitas - Divulgação

Quais são os maiores desafios da carreira de ator, na sua opinião?

R: Sem duvida a incerteza. Ser ator é a certeza de mergulhar no incerto com esperança de surfar e não se afogar. Mas sem duvida, podemos realizar vários trabalhos incríveis em um mês, e no outro simplesmente não termos nenhum. É bem complicado mas faz parte da profissão. Muitas vezes é difícil também porque o entendimento das pessoas se baseia somente que o ator tem que estar na tv. Lógico que amo quando comentam que me viram e tudo mais, mas o palco é o ápice para um ator brilhar, e muitas vezes não valorizado da forma correta por quem não é da área.

Lucas Freitas - Divulgação

Que produções que você trabalhou, como peças, teatros, comerciais, entre outros?

R: O anjo de Hamburgo (Globoplay)
Sessentinha (Amazon Prime vídeo) – personagem Ted
Peça Carícias – teatro Maria Clara Machado
Peça Morir
Novela “Além da Ilusão” (Globo) – Carlos
Comercial Tim Rock in Rio 2022 – David Bowie

Dentre os trabalhos que já realizou em sua carreira, quais são os que você pode destacar como mais importantes, e por que?

R: Bem, é difícil falar da importância de um pro outro. Mas acredito que o Ted, de “Sessentinha” (Amazon – ainda pra lançar) foi um desafio bacana por ser um personagem gay, eu fazia par com o João Cortez e foi bem bacana entender o personagem. Este ano o que mais mexeu comigo sem dúvida foi fazer o David Bowie no comercial da TIM / Rock in Rio, justamente por ser uma figura emblemática da qual eu admiro muito, mas pela valorização do meu trabalho, é algo que me alegra muito. A dinâmica também foi bem intensa, ficamos por 3 dias fazendo a maquiagem até chegar e no dia da gravação (que era um show) eu performei para cerca de 70 figurantes e realmente senti a energia de um show real, foi uma delícia. Eu usava um salto enorme, cai e machuquei o pé mas na hora nem senti, levantei e continuei sem nem sentir nada. Entrei num modo que amo, onde eu só curto o momento. E todas essas possibilidades eu devo aos papéis mais vicerais que fiz no teatro como o dependente químico que fiz em “Morir” no teatro Maria Clara Machado, fora as cenas de nudez, entender e adentrar as profundezas do que pode ser a mente de um adicto é ao mesmo tempo que prazeroso, desgastante. Esse tipo de papel nos da bagagem pra se jogar sem medo.

Como é para você poder viver personagens tão distintos em seu ofício?

R: Acho que é a parte mais prazerosa do ofício, é uma delícia enlouquecer em cada personagem e emprestar nosso corpo pra essas pessoas. É pra mim a sensação mais deliciosa que tem. E quanto mais eu puder mudar de um pro outro, mais satisfeito eu fico.

Existe algum espetáculo (seja no teatro, no cinema ou na TV) que você sempre quis fazer parte?

R: Se fosse pra sonhar alto, Scarface e Titanic sem dúvida seriam meus favoritos. Por muito tempo quando mais novo quis fazer Hamlet, mas hoje qualquer peça de Shakespeare ou Nelson Rodrigues me enchem os olhos para fazer. Shakeaspeare ainda nos diz muita coisa atualmente.

Quais são seus planos para os próximos meses? O que tem programado?

R: Bem, tem sido bem corrido. Após o comercial do Rock in Rio eu acabei imendando com a campanha global da Embratur pros EUA, mas acabei indo pro outro lado hahaha, a partir deste mês começo a gravar minha participação em uma novela em Portugal, algo que me deixa muito feliz. Ainda não tenho detalhes exatos de como será, mas já estou na Europa porque a preparação será esse mês. Estou super ansioso.

Lucas Freitas - Divulgação

Entrevista por Rodolfo Abreu
Fotos: Divulgação / Acervo pessoal

#entretenimento #arte #cultura #teatro #tv #televisão #interpretaação #streaming #ator #portugal #riodejaneiro #rj #rio #rockinrio #bowie #produção #audiovisual

Publicação Anterior

André Conrado: Campos do Jordão – O tesouro da Mantiqueira – Parte 2

Próxima Publicação

DarkCoffee apresenta novidades no menu de petiscos