Jeycow Ferraz apresenta: LAYLA RIKER - "As Cores do Sucesso"

Caros Leitores

É com imensa alegria que começo essa Edição Comemorativa por UM ANO como COLUNISTA deste conceituado veículo Editorial, a Revista do Villa, agradecendo cada um de vocês, pela parceria sensível e pelos olhares generosos e receptivos àos conteúdos que aqui tenho trazido relacionados ao universo da Diversidade; seja por entrevistas, artigos, temas atuais ou eventos.

A conquista do espaço que aqui ocupo não é só minha: é do múltiplo, é do coletivo, é de todos nós.

E para CELEBRAR essa data em grande estilo e fechar com chave de ouro o MÊS DA DIVERSIDADE, trago em uma ENTREVISTA INÉDITA, a  Estrela das Passarelas e dos Palcos LGBTQIA+ do Rio e do Brasil, recordista de títulos no mundo Miss Gay, a bela e talentosa Layla Riker, uma das maiores referências transformistas da atualidade.

Com vocês e pra vocês:

LAYLA RIKER – As cores do Sucesso.

PERGUNTA: Sabemos que Layla Riker é um nome de referência no Showbiz e nas Passarelas LGBTQIA+ pelo Brasil afora.

Conta pra a gente como surgiu Miss Riker em sua vida?

RESPOSTA: Primeiramente, gostaria de agradecer o convite e carinho com minha personagem. Me sinto honrada em integrar o quadro de artistas entrevistadas por um colunista de tamanho gabarito!

Layla Riker surgiu em 2009, em uma brincadeira/ desafio entre amigos na minha cidade natal, São Gonçalo. Minha primeira vez foi mais para experiência e diversão com o apoio de amigos, usando uma coisinha de cada um e daí, me apaixonei pela arte transformista. Na segunda aparição eu já tinha minha peruca, meu vestido e já começava a dar meus próprios passos.

PERGUNTA: Por trás de todo Artista existe, o outro “lado da moeda” e nessa relação entre o criador e criatura, como se dá a relação entre ambos para que a harmonia exista entre os dois universos?

RESPOSTA: Bem, eu sempre digo que a existência de um, não pode de maneira alguma intervir na existência do outro. No dia a dia, eu levo a vida como um rapaz e desta forma, tenho um trabalho formal, estudo, faço cursos, me relaciono com amigos e parentes. Para a Layla reservo o glamour das noites. Gosto da gritante lacuna entre a imagem de um e outro. A Layla é uma espécie de alter ego, uma viagem a outro mundo, onde posso brincar com as cores, com o imaginário e com minhas maiores fantasias.

PERGUNTA: Uma carreira tão brilhante e de sucesso com inúmeros títulos, merecidamente conquistados, qual o momento que você poderia nos pontuar como algo que foi incrível em sua trajetória?!

RESPOSTA: Essa é uma pergunta que sempre me deixa de “saia justa”. (Rs) Tive grandes momentos em minha trajetória, momentos estes que só de lembrar deixam meus olhos cheios d’água. Não posso ser injusta e mencionar apenas um entre tantos. Mas, não fugirei da pergunta e vou destacar alguns, pode ser?!

Minha derrota no Musa OK em 2014 e minha vitória no ano seguinte me fizeram resignar muitas questões no tocante a minha arte drag. 

Comecei a valorizar ainda mais cada degrau subido, mesmo naqueles momentos em que eu precisasse dar dois passos para trás pra dar um um maior à frente. Comecei a valorizar ainda mais cada profissional que com seu trabalho e dedicação faziam dos meus sonhos os deles também. Essa foi sem dúvidas uma das vitórias mais marcantes da minha trajetória e que abriu precedente para novos sonhos que foram se realizando e me marcando nos anos seguintes; destaco aqui a conquista do título de Miss RJ Oficial e o de Miss Glamour Gay Brasil, ambos no ano de 2017… De lá para cá novos sonhos surgiram e alguns já foram realizados, principalmente dentro da casa me acolhe, a Turma OK.

PERGUNTA: Embora veterana na arte do Transformismo, e ser inspiração dentro dessa geração que se renova constantemente, qual conselho ou dica você daria pra quem está chegando agora e tornando essa nova safra mais múltipla?

RESPOSTA: Sempre digo às meninas que me acompanham, de longe ou de perto, que o segredo para o sucesso é o produto obtido da soma de humildade e autenticidade. Não adianta apenas copiar o que já foi feito, mesmo sendo algo que deu certo. Cada menina deve sim, se espelhar e se inspirar nas pessoas e artistas que admira, mas deve encontrar em si, seu próprio estilo e fazer disso sua marca. Para as “concurseiras de plantão” mando uma dica mais específica, construam uma equipe forte com profissionais bons,de sua confiança, e se preparem para ir atrás de seus sonhos e nunca deixem de sonhar.

PERGUNTA: Podemos dizer que estamos vivendo um período “pós pandêmico. Momento esse que obrigou o mundo a parar e a desafiar todos nós. 

Qual o legado negativo e positivo que vc considera ter sido deixado por esse capítulo da humanidade? 

RESPOSTA: Acredito que o maior saldo negativo deixado por esta pandemia são os mais de 6 milhões de óbitos causados por este vírus em todo o mundo , número este que muitos estudos apontam ser 3x maior que o registrado. São milhões de famílias que perderam cônjuges, pais, avós e/ou filhos.. São milhões de famílias que perderam o único bem insubstituível, a VIDA!

Por outro lado, acredito que a pandemia nos tornará mais humanos, mais amigos. Daremos mais valor aqueles que continuam, com vida, ao nosso lado. Tenho certeza, que quando esta pandemia passar de vez, tiraremos as máscaras dos nossos rostos e não exitaremos em dar um sorriso sincero e um beijo forte naqueles que amamos… É hora de amar mais ao próximo, esquecer pequenas desavenças e levar uma vida mais leve, valorizando acima de tudo, o HOJE.

*Jeycow: Pra finalizar, deixe uma mensagem aos leitores dessa Coluna e aos admiradores do seu trabalho.

**Layla: Querido Jeycow e toda equipe de redação, agradeço novamente o carinho ao meu trabalho e o espaço para me me aproximar mais dos leitores e daqueles que acompanham minha trajetória. Espero que gostem desta entrevista e continuem acompanhando as próximas, porque certamente este espaço ainda será palco de muitos outros artistas. 

Um grande beijo e até a próxima!

..

Por Jeycow Ferraz

Publicação Anterior

DIA INTERNACIONAL DO CEVICHE – 28/06

Próxima Publicação

Dia 28 de Junho/2022 tem o show AS DIVAS DO SAMBALANÇO