Francisco Martins: Milão - Paris / Moda - TENDÊNCIA MODA MASCULINA

Foto em reprodução da marca

As semanas de moda Outono – Inverno 2022-2023, em Milão e Paris, traz a moda masculina com elementos que foram apresentados por algumas das marcas internacionais. As tendências que serão incorporadas no guarda-roupa dos homens nas próximas temporadas, do clássico ao esportista, passando pelo romântico e criativo. Entre os grandes nomes do luxo, Dior Men, Fendi, Louis Vuitton, Loewe e Kenzo também optaram por um espetáculo físico, um dos destaques da semana com a primeira coleção assinada pelo seu novo diretor artístico, Nigo, protagonista do streetwear japonês.

FENDI – OUTONO INVERNO

Foto em reprodução da marca

Para a coleção Outono-Inverno Masculina, Silvia Venturini Fendi, diretora artística da Casa italiana, reinterpreta o guarda-roupa de um cavalheiro para uma nova loucura dos anos 20. Neste guarda-roupa, a sofisticação sobrepõe uma concepção lúdica de formalidade. Tons de preto, creme, bordô, framboesa e branco são realçados por texturas preciosas e gráficos arrojados. O tweed xadrez tradicional e os ternos houndstooth dialogam com conjuntos de malha de cabo, enquanto o icônico padrão de corrente O’Lock se torna a novo monograma. A bolsa Baguette se transformam em acessórios tecnológicos de luxo para a LEDGER Nano X, uma carteira digital dedicada a criptomoedas e ativos digitais. E é desse jeito que o guarda-roupa dos sonhos de um neo-dândi combina com o requinte das inovações tecnológicas.

LOUIS VUITON – OUTONO INVERNO

Foto em reprodução da marca

Para a última coleção de Virgil Abloh, a Louis Vuitton revelou “Louis Dreamhouse“, uma ode ao devaneio. Em um cenário cativante, violinistas e dançarinos tocaram músicas compostas por Tyler, The Creator, mergulhando os convidados em uma atmosfera mágica. As peças são um aceno ao legado de Virgil Abloh e incorporam um único lema: lançar o olhar inocente de uma criança sobre o mundo. Materiais e técnicas, que não são o que parecem, estão transformando os códigos de vestimenta herdados dos arquétipos sociais. A coleção convida a todos a viver seus sonhos, abolindo a fronteira entre a imaginação e a realidade. Para encerrar o desfile, trinta integrantes da equipe de Virgil Abloh se juntaram às modelos na passarela para uma despedida final do falecido estilista. Looks monocromáticos com destaque para o branco e o preto, modelagem ampla, estampas florais dominaram as passarelas. O homem Vuitton não conhece as fronteiras entre a rua e as academias. Destaque para a estrutura dos ternos e a inesperada combinação do marrom com lilás.

DIOR OUTONO INVERNO

Foto em reprodução da marca

Dior – JOGGING LIBERADO

A nova coleção, Kim Jones, diretora artística de Coleções Masculinas, encontra inspiração nos arquivos de Christian Dior. O desfile acontece em uma manhã de inverno na ponte Alexandre III, em Paris. O guarda-roupa é uma mistura de formal e informal, combinando tons de cinza e pastel e sobretudos adornados com flores bordadas e sandálias Dior by Birkenstock. A sobreposição entre o prático e o decorativo irriga roupas e artigos de couro: a alfaiataria de alta costura convive com roupas esportivas contemporâneas, enquanto a icônica bolsa Saddle é complementada por um novo Dior Corolle Tote. Símbolos que remetem à Christian Dior – a estrela, a rosa, a cana, o leopardo, o lírio-do-vale e a corrente – pontilham as peças. Para o 75º aniversário da Maison parisiense, Kim Jones celebra a herança do fundador e a linhagem de criadores que formam uma ponte entre o passado, o presente e o futuro, unidos pelo know-how atemporal dos artesãos.

LOEWE

Foto em reprodução da marca

CASACOS CUSTOMIZADOS

Para esta nova coleção, Jonathan Anderson, diretor artístico da Loewe, define um universo alternativo onde a ilusão é a palavra-chave para questionar nossa percepção da realidade. O corpo, ponto de partida e chegada, é revelado por um jogo de luz hábil que revela peças trompe l’oeil, casacos de couro transparente oleado e suéteres de mohair. Lâmpadas de LED iluminam casacos, macacões e botas como a luz projetada do corpo. A cenografia do desfile reflete os movimentos das silhuetas graças a Flags, Paris 2022, uma instalação in situ dos artistas Joe McShea e Edgar Mosa composta por fitas de treze cores diferentes penduradas em postes de alumínio. O guarda-roupa, imaginado por Jonathan Anderson, é uma experiência que se desenrola sobre um corpo em movimento cujos contornos redesenham os limites de nossa percepção.

DSquared2

Foto em reprodução da marca

Dsquared2 propõe deixar tudo para trás e empreender uma viagem. Na sua coleção masculina outono-inverno 2022, propõe conectar-se com o seu verdadeiro amor, a Mãe Natureza. Depois de dois anos a vestir-se em casa, a marca faz um grande regresso à passarela para o seu desfile da coleção masculina.

Sob o conceito #D2Hi_king, a Dsquared2 brinca com as palavras – fiquemos no alto da vida e dominemos o mundo enquanto descobrimos uma montanha de cada vez. Estes viajantes pegam em peças essenciais na sua missão de exploração. Acumulando camadas, cores e padrões nos seus looks, há uma espécie de cobertor que se transforma num casaco pendurado no ombro, uma saia de kilt enrolada em jeans e uma mochila cocriada com a marca italiana de acessórios para outdoor Invicta.

Casacos acolchoados em padrão de quadrados vermelhos e pretos, com bolsos externos, possuem logótipos gráficos e abrem nas laterais. Um puffer é cortado em estilo bolero para ser usado por cima de um casaco de inverno. Shearlings são bordados com florais tridimensionais em cristais e lantejoulas. Os corta-ventos de tecido tecnológico apresentam calças a condizer. Os blusões acolchoados Argyle apresentam fechos de mosquetão e cordão de caminhada coloridas e luxuosas.

As botas e os acessórios são inspirados em equipamentos para pesca ou de expedições em montanhas geladas: botas de camurça, botas técnicas de caminhada equipadas com grampos, mochilas bordadas com remendos, com detalhes de mosquetões e arreios. E, para se ficar a descansar numa cabana de madeira, meias e tamancos macios de mohair.

Kenzo

Foto em reprodução da marca

Fiel ao real-to-wear que era intrínseco a Kenzo Takada, Nigo combina alfaiataria e workwear para uma silhueta que vai além dos gêneros. É assim que o robusto macacão japonês com costura amarela encontra o xadrez Prince of Wales e os ternos listrados que Kenzo Takada adorava. Esboços originais do fundador também recebem um lugar de destaque em conjuntos brancos masculinos e femininos como telas brancas. Com as malhas, Nigo se aventura em texturas e cores lúdicas que lembram os primórdios da Maison. A data de 1970 é onipresente no desfile, como em muitas boinas, espelhando a data de nascimento de Nigo no Japão e o ano em que Kenzo Takada alcançou a fama em Paris como um dos futuros melhores designers de sua geração. Sua coleção unissex Outono-Inverno 2022 respira poesia em um espírito real-to-wear combinando herança e códigos contemporâneos.

Crédito

Montagem e criação – Francisco Martins – Jornalista de Moda @francisco46martins

Foto em reprodução das marcas

Publicação Anterior

Dia 14/07 a cantora IZABELLA BICALHO convida ÁUREA MARTINS para Show no Dolores Club e 15/07 canta BETHÂNIA no Centro da Música Carioca Artur da Távola, na Tijuca

Próxima Publicação

Ígor Lopes: Prefeitura do Rio de Janeiro doa parte da Arena do Futuro à Portuguesa para ampliação do Estádio Luso-Brasileiro