Roberto Lúcio: SUPER BOCK SUPER ROCK supera expectativas em Portugal

A Revista do Villa e o site LPM conferiram cada detalhe e trazem tudo o que rolou no Festival.

Programado para estrear em uma zona de floresta em Portugal, na região de Sesimbra, o Festival de Música Super Bock Super Rock foi transferido, às pressas, para uma arena em Lisboa, em função de uma onda de calor que contou com temperaturas de até 47°C, as mais elevadas da série histórica para o mês de julho, e uma série de incêndios pelo país.

Entre notícias tensas, a organização do festival se viu em um desafio. Apenas dois dias antes da abertura, com toda a estrutura programada, o Governo decretou Plano de Contingência e a Proteção Civil deu parecer negativo em relação ao espaço do evento. Mas ao invés de cancelar o evento, a promotora Música no Coração fez o impossível, chamou técnicos que em um passe de mágica conseguiram redefinir o planejamento, realizaram os cortes necessários para entregar um Festival ao grande público.

As redes sociais foram essenciais para comunicar a todos que já haviam garantido seus ingressos e entraram em pânico.

Em toda parte, sites de notícias prestaram apoio e divulgaram o seguinte informe:

SUPER BOCK SUPER ROCK DECORRERÁ NO PARQUE DAS NAÇÕES

AS DATAS MANTÊM-SE 14, 15 E 16 DE JULHO DE 2022

A 26ª EDIÇÃO DO SUPER BOCK SUPER ROCK VAI REALIZAR-SE NO PARQUE DAS NAÇÕES, EM LISBOA, MANTENDO-SE O CARTAZ PREVISTO PARA O MECO. OS BILHETES CONTINUAM VÁLIDOS PARA OS TRÊS DIAS. ESTA MUDANÇA RESULTA DA SITUAÇÃO DE CONTINGÊNCIA QUE SE VIVE EM PORTUGAL POR CAUSA DO ELEVADO RISCO DE INCÊNDIOS.

A partir daí, a esperança tomou conta de todos e o Festival conseguiu superar expectativas.

Com três palcos e quase 50 atrações, a Altice Arena se tornou um Oasis em meio ao clima tenso das notícias de incêndios, a crise econômica motivada pelo conflito entre Rússia e Ucrânia, além do sentimento de pesar que ainda se mantém após tantos dias de pandemia.

No primeiro dia, o Palco Super Bock foi dominado por Flume, A$AP Rocky, Leon Bridges, Metronomy e T-Rex.

Embora alguns possam lembrar do show do rapper português T-Rex como como um dos melhores momentos da noite do dia 14, as imagens da plateia dançando ao som dos hits de Metronomy e o clima nostálgico da década de 1980 apresentado pelo A$AP Rocky também foram pontos altos da programação.

Nos outros espaços, fizeram a festa, as atrações Sports Team, Hinds, Los Bitchos, Working Men’s Club, Fred, Conjunto Cuca Monga, Luís Fernandes entre outros.

Já no segundo dia, Hot Chip, DaBaby, C. Tangana, Nathy Peluso, Cosmo’s Midnight foram as atrações principais.

Mas a noite também foi animada com o brilho de Goldlink, Silva, Samuel Úria, Baba Ali, Sofi Tukker, Rui Vargas, Daft Funk Live, Capicua, Benji Prince, Classe Crua, Pedro de Tróia e Ecto Pluma.

E assim, Samuel Úria e Silva retornam para casa com um saldo extremamente positivo. Clima de vitória total. E C. Tangana fez todo mundo dançar e DaBaby será lembrado pelo atraso.

No último dia do Super Bock Rock, foi a vez de grandes nomes como: Jamie XX, Foals, Mayra Andrade, Local Natives, Capitão Fausto & Martim Sousa Tavares.

E o público que não queria viver intensamente a experiência antes que acabasse, precisou fazer um verdadeiro malabarismo para conseguir acompanhar também as apresentações de Woodkid, Son Lux, Declan McKenna, Ganso, Claptone, Tourist, Lhast, Filipe Karlsson, Lura, Golden Slumbers e Metamito.

E superando todas as dificuldades iniciais, voltamos para as nossas casas ainda cantando as melodias de Ganso e Cuca Monga. Muitos devem ter acordado no dia seguinte após um sonho com Declan McKenna e Capitão Fausto em uma noite paradisíaca.

Torcendo para que os Foals retornem na próxima edição, ficamos sabendo que em 2023, nos encontraremos no Meco. Também fica a torcida de revermos C.Tangana, GoldLink e Capicua, nomes que fizeram da edição 2022, uma das melhores da história.

Publicação Anterior

Fotos de divulgação do aniversário de Adriana Calmon no Bar do Marinho

Próxima Publicação

Bruno Breves, ator e produtor cultural, fala sobre carreira e empreendedorismo em seu Chalé Cultural, no Rio de Janeiro – Podcast por Rodolfo Abreu