A dinastia das Abelindas - Consciência ambiental, respeito às diferenças e superação são temas abordados pela jornalista Manoela Ferrari no seu 12º livro – o terceiro para o público infantil

As abelhas entraram, em outubro de 2016, na lista de animais em risco de extinção. O alerta foi dado pelo US Fish & Wildlife Service (FWS), órgão norte-americano equivalente ao nosso Ibama. Esses insetos não são apenas produtores de mel no planeta. São também agentes polinizadores e responsáveis, portanto, pela perpetuação das flores no mundo. E é a esses animaizinhos que a escritora e jornalista Manoela Ferrari volta sua atenção em A dinastia das Abelindas (Jordem), seu terceiro livro para o público infantil, sendo o 12º título de sua carreira literária, iniciada em 2011. A edição é ricamente ilustrada por Gabriel Medeiros e chega às livrarias em julho.

A preocupação ambiental, presente em “Um Pingo fora do lugar”, livro anterior da autora, permanece em “A dinastia das Abelindas” numa trama que traz à tona também questões como superação e fé, cultivadas como impulso de transformação. As personagens são três irmãs com características físicas especiais. Uma delas tem somente a cor amarela, faltando-lhe as faixas comuns às abelhas. Na outra, só aparece a cor preta, pois é toda peluda. A terceira é cadeirante, pois nasceu impossibilitada de usar as patinhas traseiras.

Ambas sofrem discriminação, mas, como naquela canção, podem voar… Eis que o vento muda (literalmente) a história das três. E, justo por causa de suas características físicas, elas acabam alertando sobre o perigo que se aproxima. Com isso, motivam não somente a comunidade onde vivem, mas a floresta como um todo, num exemplo em que cada um de nós pode realizar algo de útil e importante para si e para a sociedade onde estamos inseridos.

A edição encerra com uma lista de nove itens entre curiosidades e informações sobre as abelhas. São dados que vão desde as características físicas (possuem cinco olhos, por exemplo), como informações relacionadas ao risco de extinção, atribuído a fatores como poluição e o uso de pesticidas. O jornalismo lida com fatos. A Literatura, com invenção. Apoiada nesses dois pilares, Manoela Ferrari mostra que é possível educar e conscientizar de forma atraente e cativante.

Sobre a autora:

Manoela Ferrari é jornalista e escritora, graduada em Comunicação Social e em Letras pela PUC (RJ). Trabalhou como repórter na hoje extinta TV Manchete e na TVE (hoje TV Brasil), tendo apresentado nesta última o “Caderno 2”. Assina no “Jornal de Letras”, para o qual colabora desde 2003 a coluna “Livros e autores” e a seção “Breves”. Estreou na Literatura com “Entrelinhas” (Consultor, 2011), ao qual, pela mesma editora, seguiram-se “Dr. Chagas – Depoimentos” (2012); “Yedda Maria Teixeira – Marcas do tempo” (2013); “Fotobiografia do Acadêmico Arnaldo Niskier” (2015); “Sinfonia de Sônia – Vida e obra da pianista Sônia Cabral” (2016); “Ilha do Frade – Paraíso Capixaba” (2019) e “A grandeza de Monteiro Lobato” (2019).

Sua estreia na literatura infantil foi provocada justamente pela pandemia da Covid-19. Impossibilitada de estar com as crianças do Dispensário Santa Terezinha, onde é voluntária há 24 anos, a saída para romper o distanciamento foi colocar no papel as histórias contadas nas suas aulas, sempre elaboradas a partir de temas pedagógicos. E, assim, nasceram “O medo amigo” e “Um Pingo fora do lugar”, lançados pela Jordem em 2021.

Serviço:

Título: “A dinastia das abelindas”
Autora: Manoela Ferrari
Ilustrações: Gabriel Medeiros
Editora: Jordem
Lançamento: julho de 2022
Formato: 20 X 20cm
Número de páginas: 16
Preço: R$ 30,00

Mais informações:
Chevalier Comunicação
Christovam de Chevalier

(21) 9 9177-4761 ou christovam.chevalier@gmail.com

Publicação Anterior

Gilberto Chateaubriand e seu legado para a arte brasileira – Homenagem por Rodolfo Abreu

Próxima Publicação

Arraiá da HOB Hamburgueria – Sábado 23/07 Tijuca (RJ)