André Conrado: Portugal – Verão 2022 – Sintra - Parte 1

Foto da Vila de Sintra – Turismo de Portugal

A Vila encantada de Sintra

Sintra em Portugal é muito mais do que a histórica e charmosa vila. Visitar ou morar significa conviver com o clima das montanhas, mas também ter diversas opções de praia logo descendo a serra.

Fotos construções e mar - Azenhas do Mar - Sintra - Guia de Portugal

O pequeno município é conhecido pelo seu charme, castelos, palácios, deliciosos travesseiros, pelo clima bucólico que ronda o centro histórico e pelos turistas de toda parte do mundo.

Foto do Centro Histórico de Sintra - Portugal

Embora o turismo seja muito importante, Sintra é um município muito representativo para todo o país e só perde para Lisboa em população residente. 

Está localizada a 40 minutos de Lisboa, pela via com pedágio e uns minutos a mais pelas vias não pedagiadas, mas também possui muitas opções para transporte público. Por isso, a melhor forma de se deslocar até Lisboa é de trem: de Mem-Martins, por exemplo, até o centro de Lisboa, são 35 minutos e o custo mensal do passe é de 40€. 

Mas atenção! Nem todas as freguesias ficam próximas a estações de trem.

Sintra também possui taxas equilibradas entre as faixas etárias residentes, o que proporciona a manutenção saudável da população do município, bem como seu crescimento favorável. 

Por estar em uma região montanhosa, espere-se conviver com a neblina muitos dias do ano. Mesmo em meses de verão, a neblina pode chegar sem avisar. Além disso, a umidade da montanha faz o clima ser ligeiramente mais frio. Por outro lado, é bem agradável nos meses mais quentes.

A bela Vila possui 11 freguesias, algumas na serra, outras beirando o mar…

Colares, São João das Lampas e Terrugem estão entre algumas freguesias. São duas que margeiam o mar: Freguesia de Colares e União das Freguesias de São João das Lampas e Terrugem. 

Foto do Parque e Palácio da Pena com neblina - Visit Portugal

É em Colares que estão as praias mais bonitas do município, provavelmente do país, como Azenhas do Mar, a praia da Adraga e a famosa praia da Ursa, considerada uma das mais bonitas do mundo pelo Guia Michelin.

Sintra também tem pontos turísticos únicos; como o Cabo da Roca, o ponto mais ocidental de Portugal e da Europa Continental.

Mas não se engane em achar que Colares é apenas praia, lá também fica o Convento dos Capuchos no Parque Natural de Sintra-Cascais, que faz parte dos monumentos históricos da região. 

Foto do Convento dos Capuchos - Sintra - Portugal

Para quem pensa em morar em Sintra, pode significar ter os castelos e palácios como paisagem diária. É aqui que fica a Vila de Sintra e os bairros ao redor. Possui transporte publico, muitas opções de restaurantes, além de bares e agito de turistas.

Foto da aprazivel Vila de Sintra e restaurantes - Visit Portugal

É uma região que tende a ser mais cara pela localização. Além do que mais, há condomínios fechados luxuosos por ali com lazer, área verde e moradias novas. 

Por ser um dos municípios mais populosos do país, a cidade conta com muitas opções de lazer. São parques urbanos, praias, monumentos históricos e shoppings. 

Agora; Imagine uma vila européia, nascida por entre montanhas, imagine uma vegetação exuberante. Agora pense em castelos, palácios, parques, jardins, bosques, conventos, igrejas, capelas. Essa é a bela Vila de Sintra. Cenário romântico e charmoso perfeito para desfrutar de dias inesquecíveis; deixe-se levar por todas as suas atrações e usufrua desse cantinho adorável de Portugal.

Com o título de Patrimônio Mundial, Paisagem Cultural pela UNESCO desde 1992, a Vila de Sintra, outrora escrita Cintra com a letra C, se apresenta com um conjunto de encher os olhos. Todos ajudam a fazer da vila, uma testemunha de vários momentos históricos de Portugal.

Foto histórica da Vila de Sintra - 1905 - Guia Portugal

Com vestígios da ocupação humana desde o período Neolítico e Idade do Bronze. Sintra passou também pela ocupação romana no período antes de Cristo e por domínio muçulmano no século X, sendo reconquistada posteriormente no século XI pelos portugueses. Pela divisão que se faz em Portugal, Sintra é considerada uma Vila, o Distrito de Lisboa. Mas que é sede de um Município, que integra 11 Freguesias (bairros). Dessa maneira o município se estende até o litoral, encontrando o Oceano Atlântico.

Só um lugar único como Sintra, para ganhar citações de escritores como Eça de Queirós, ícone romancista da língua portuguesa do século XIX, que eternizou a vila em romances como o Primo Basílio, A Tragédia da Rua das Flores e a obra-prima Os Maias de 1888.

Castelo dos Mouros

Serpenteando por dois cumes da Serra de Sintra, o Castelo dos Mouros remonta aos primórdios da ocupação peninsular pelos mouros, no século VIII. O Castelo de Sintra, popularmente conhecido como Castelo dos Mouros, localiza-se na vila de Sintra, freguesia de São Pedro de Penaferrim.

Foto do Castelo dos Mouros - Sintra - Portugal - credito serra de sintra

Erguido sobre um maciço rochoso, isolado num dos cumes da serra de Sintra, na Estremadura, do alto das suas muralhas descortina-se uma vista privilegiada de toda a sua zona rural que se estende até ao oceano Atlântico.

É um ponto privilegiado para admirar a vista que se estende desde Sintra até ao mar.

Foto histórica do Castelo dos Mouros - Séc XIX - Sintra - Portugal - credito serra de sintra

Após a conquista de Santarém, o rei D. Afonso Henriques impôs um cerco a Lisboa, que se estendeu por três meses.

Desse modo, cheios de coragem porque a Nossa Senhora estava com eles, no final de cinco dias de percurso confrontaram o inimigo, derrotando-o e conquistando o Castelo dos Mouros. Em homenagem a este feito foi erguida a Capela de Nossa Senhora de Milides (“mil ides”), em Colares.

História

As origens do denominado Castelo dos Mouros, um dos únicos exemplares de arquitetura militar em Sintra, não estão ainda completamente esclarecidas. São várias as teorias aventadas pelos investigadores. Uns defendem que poderá ter tido origem no séc. VII e, conseqüentemente, no período de domínio dos visigodos. O principal fato que sustenta esta teoria é o aparelho utilizado na edificação das muralhas. Contudo, grande parte dos historiadores, atribuem a fundação da fortaleza ao século VIII ou IX e neste caso ao período muçulmano.

Edificado estrategicamente num dos picos mais altos da serra e sobre um afloramento de grandes penedos graníticos, que a norte funciona como uma defesa natural intransponível, o castelo ergue-se pleno de nobreza e excelência.

Durante alguns séculos, e porque deixou de ter serventia, as árvores e os arbustos apoderaram-se dos panos de muralha, em certos casos houve mesmo a derrocada de parte dela. Pastores e gado passaram a ser os vigilantes atentos da ruína em que a antiga fortaleza se encontrava. Contudo, é chegado o século XIX e, conseqüentemente, a estética romântica a sorte do “Castelo dos Mouros” seria alterada.

O espírito sensível, esclarecido e iluminado do rei D. Fernando II , esposo da Rainha D. Maria II , teve um papel de suma importância na sua recuperação.

Os recantos arquitetônicos em ruínas cobertos pela vegetação autóctone eram muito apreciados neste período. Contudo, D. Fernando II, estava determinado a não deixar desaparecer o pouco que ainda existia da fortaleza e, assim, em meados do século XIX, mandou o Barão Von Eschewege avançar com o restauro e consolidação dos velhos panos de muralha e das suas torres devolvendo a silhueta do “Castelo dos Mouros” à luxuosa paisagem sintrense.

No interior das muralhas, assim como na sua envolvente exterior, o rei artista, mandou arborizar toda a área, o que hoje, passados cerca de cento e cinqüenta anos, nos deleita e corta a respiração ao observar a paleta de cores oferecida pela bela vegetação…

Na próxima matéria continuaremos este rico passeio por Sintra e chegaremos ao belo Palácio da Pena. Falaremos da grande importância do Rei D. Fernando II sobre as artes século XIX. Não Percam!

 

Fontes

@aclubtour

Castelo dos Mouros

Guia de Portugal

Sintra – PT

Publicação Anterior

FOTOS DE DIVULGAÇÃO DA PRÉ-ESTREIA DO FILME PLUFT

Próxima Publicação

Grupo Gattu, vencedor do Prêmio Arcanjo de Cultura comemora seus 22 anos e inicia uma nova tetralogia com: VERÃO