Divulgação das fotos: Abertura da exposição de Dorys Daher e Katia Politzer

David Cury e Katia Politzer

“Fronteiras”

Dorys Daher apresenta instalação site specific sob curadoria de André Sheik

“Que baliza você irá ultrapassar hoje?”, instiga André Sheik, curador da exposição “Fronteiras”, quando se refere à instalação site specific que a escultora Dorys Daher apresenta, a partir de 21 de julho, no Centro Cultural Correios RJ. Ao elevar, do chão ao teto, uma barreira com dois lados de materiais e características diametralmente opostas – uma áspera e opaca, outra lisa e brilhante -, a artista propõe simular uma espécie de rasgo no espaço, expondo uma divisa que não se restringe ao aspecto físico e visual. A obra de grandes dimensões (4m de altura, 4,60m de largura e 10m de comprimento) preenche por completo o pé-direito do espaço expositivo, opondo folhas de alumínio polido a tiras escuras de lixa grossa.

Em grande parte de sua produção, Dorys aponta oposições, usualmente apresentadas no contraste de materiais, que tendem a se harmonizar. A artista gosta de observar os diversos lados de uma mesma questão, propondo que muitos deles dependem do ponto de vista de onde se observa. “Nossa perspectiva está condicionada às nossas vivências, às nossas experiências”, defende ela.

Composta por quatro tiras de alumínio polido (1m de largura e 8 m de comprimento, cada) e dezoito tiras de lixa grossa (23 cm de largura e 8 metros de comprimento cada), a instalação será colocada entre as colunas de ferro da sala, fixada por arrebites metálicos nas vigotas de ferro. À medida em que se aproximar da obra, o público será convidado a olhar para cima. Os indivíduos tornam-se singelos diante da instalação e observarão os diálogos propostos em “Fronteiras”, iniciados acima, à distância. Contando com mais do que o dobro da altura da linha do horizonte, a escala não é uma escolha puramente plástica.

Trata-se de outro recurso metafórico, como explica a artista:

“O espaço é o cerne da minha produção escultórica e arquitetônica da artista goiana radicada no Rio de Janeiro. As duas frentes de criação se complementam, possibilitando uma abordagem singular sobre as dimensões estético-sociais que envolvem a escultura e a arquitetura. A ideia é articular criticamente o espaço a outros conceitos geográficos como lugar, território e paisagem, para evidenciar as dimensões que os conectam e diferenciam”.

Como uma espécie de monumento-transitório, a obra de Dorys Daher está contextualizada entre a série de movimentos que vem colocando em xeque a estabilidade das concepções de História que construíram a civilização ocidental a partir da modernidade. Mais virtuais – como as fronteiras – ou menos virtuais – como a arquitetura –, elas vêm condicionando os laços que indivíduos e grupos sociais constroem entre si.

Serviço:

“Fronteiras”
Abertura: 21 de julho, quinta, das 17h às 19h
Visitação: de 22 de julho a 3 de setembro de 2022
Curadoria: André Sheik
Centro Cultural Correios RJ
Galeria II – 3o andar
Endereço: Rua Visconde de Itaboraí, 20 – Centro – RJ
Horário: de terça a sábado, das 12h às 19h
Entrada gratuita
Contatos: dorysdaher@gmail.com

“Triagem”

Individual de Katia Politzer no Centro Cultural Correios RJ apresenta
esculturas em escala humana, além de grandes instalações

“Triagem” é uma antropogonia, criação de figuras com algumas características humanas e histórias imaginárias, tendo o retrato e a cabeça como categorias da imagem. Aqui o que interessa à artista é o debate atual em torno de grupamentos humanos, envolvendo basicamente quatro vetores: movimentos identitários, multiculturalismo, migrações e xenofobia, dados em termos abstratos, refutando quaisquer sintomas de uma politicidade não-artística.

Com esta proposta, Katia Politzer apresenta sua individual, no Centro Cultural Correios RJ, a partir do dia 21 de julho. Ocupando as Galerias A e I no 3o andar, a exposição consiste de instalações (Sitiação, Captura, Motinada e Rasto e Banquete dos Excluídos) e esculturas (Saga, Fortuna e Matroca), inéditas, realizadas a partir de 2020. Materialmente híbridas, (cerâmica, vidro, ferro, tecido, cimento, silicone e poliestireno), variam do pequeno ao grande formato, com peças moldadas em escala humana, utilizando seu próprio corpo ou de modelos. As cabeças, rostos, máscaras e transfigurações de corpos às vezes perdem a configuração humana arquétipa, e se tornam disformes ou desconstruídos, podendo revelar processos psíquicos internos ou talvez anunciando o pós-humano do fim do Antropoceno.

“Triagem é o processo de separação que determina prioridades. Desde o século X, a sociedade contemporânea vem sofrendo grandes mudanças na sua estrutura, fragmentando paisagens culturais de classe, gênero, sexualidade, etnia, idade e nacionalidade, levando a crises e à violência gerada pela intolerância à Diversidade. E também a crises de Identidade, embora a escala do mundo não seja mais a do sujeito individual, mas do coletivo. Reconheço que como mulher branca idosa privilegiada muitas vezes não tenho lugar de fala. Mas, sem tirar o protagonismo de quem tem, me posiciono num mundo contemporâneo em constante mutação, com visão crítica contra qualquer tipo de injustiça e segregação social”, diz Katia Politzer, levantando algumas questões.

“Que mudanças estão acontecendo em quem procura por si? Como incluir na comunidade humana diferentes rostos, corpos, desejos e histórias singulares, muitas vezes condenados à invisibilidade, à inexistência estética e política?”, questiona ela.

Serviço:

“Triagem”
Abertura: 21 de julho, quinta, das 17h às 19h
Visitação: de 22 de julho a 3 de setembro de 2022
Centro Cultural Correios RJ
Galerias A e I – 3o andar
Endereço: Rua Visconde de Itaboraí, 20 – Centro – RJ
Horário: de terça a sábado, das 12h às 19h
Entrada gratuita

Contatos:
www.katiapolitzer.46graus.com
kpolitzer@gmail.com
@politzerkatia

 

Publicação Anterior

Exposição “Solidão dos números primos”, de Mário Camargo abre no Centro Cultural Correios RJ

Próxima Publicação

AFROPUNK Bahia garante festa e “mete dança” com Psirico