Bruno Feros: As ilhas mais charmosas da Galiza

Uma realidade tingida de tons turquesa e esmeralda, baías naturais de águas calmas e rasas, situado no Parque Nacional Marítimo Terrestre das Ilhas Atlânticas, um paraíso de areia, sol, cores intensas e muita história, algumas das melhores ilhas atlânticas da Galiza para desfrutar de umas boas férias.

Ilhas Cíes
Ilhas Ons
Ilha de Salvora
Ilha de Cortegada

Ilhas Cíes

Mapa das Ilhas Cíes – Fotos Bruno Feros

As ilhas Cíes consideradas as mais famosas da Galiza, um paraíso na Espanha, pertencendo as Rías Baixas, na Província de Pontevedra, prefeitura de Vigo, onde é estabelecido pela Junta da Galiza, um limite diário de visitantes, o que a preservam e deixam o passeio mais tranquilo.

Deve-se reconhecer que as Ilhas Cíes têm areia fina, mar azul turquesa e muita natureza intocável. Há ainda a possibilidade de se fazer caminhadas por algumas rotas marcadas que permitem aceder a belos faróis e miradouros impressionantes, sempre acompanhados pelo grasnar de milhares de gaivotas, uma das maiores colónias, com mais de 18.000 casais reprodutores, provavelmente a maior concentração da Europa, as verdadeiras donas deste paraíso. Em suma, uma loucura maravilhosa de cores e paisagens.

É possível passar o dia ou acampar no parque, o único alojamento permitido dentro do arquipélago. O acampamento tem seu próprio restaurante, sendo o maior das ilhas e, embora seja self-service, a comida é caseira e têm bastante variedade de pratos.

Praia das Rodas – Fotos Bruno Feros

No cais onde atracam os barcos, fica o Restaurante Rodas. Também self-service e com um cardápio bem extenso, seu terraço coberto com vista para a Praia das Rodas é maravilhoso. Mesmo que seja só para tomar um café, vale a pena sentar com essa vista.

Para melhor se orientar, é preciso explicar que o arquipélago, que pertence ao Parque Nacional Marítimo Terrestre das Ilhas Atlânticas, é composto por três ilhas: O Monte Faro, Monte Agudo e San Martiño. Os dois primeiros estão ligados pelo impressionante areal da famosa Praia das Rodas, são os que pode visitar graças às linhas regulares de barcos que partem de vários pontos das Rías Baixas, principalmente Vigo, Cangas e Bayona, onde se pode acampar e passar a noite. San Martiño, no entanto, só pode ser acessado por barco particular.

Ilhas Ons

Para começar, deve-se notar que o arquipélago de Ons é composto pela própria ilha de Ons, a principal, com quatro praias, e outras ilhas menores, além de contar com quatro rotas de trilhas oficiais. A principal característica que a diferencia das demais é que Ons é a única ilha habitada do Parque Nacional, e sua população não chega a cem pessoas cadastradas.

Praia de Melide, Foto Mardeons.es

A praia de Melide é a mais bonita de Ons, é a imagem viva do paraíso: areia branca e fina e água azul turquesa, para descansar e dar um mergulho. Conta com uma zona de nudismo e costuma ser bastante popular.

Praia das Dornas, chamada assim pelo nome que recebiam as embarcações dos habitantes desta ilha, das quais ainda se conservam uns poucos exemplares. Está localizada perto do cais e da zona onde se encontram todos os serviços da ilha.

Durante a visita, verá vários núcleos populacionais ao longo das quatro trilhas, sendo o mais importante, O Curro, pois fica próximo ao porto e oferece várias opções de hospedagem, lojas, restaurantes e até uma igreja.

No Camping de Ons, fica num local espetacular da ilha, cercado pela natureza e praias de areia branca, ótima gastronomia e tradições incríveis. Conta com serviços de recepção, cafeteria, lavanderia, parque infantil e alojamento próprio.

Ilha de Sálvora

Ilha da Sálvora - Foto Crucerosriasbaixas.com

Ela tem magia, tem alma, mitos, lendas e o eventual acontecimento histórico marcaram a evolução de uma ilha que foi habitada até à década de 1970. Estas terras testemunharam antigos conflitos entre vizinhos por sua posse, a instalação e exploração agrícolas e pecuárias, grandes catástrofes marítimas, como o triste e popular naufrágio da Santa Isabel.

Para além de todos estes dados, hoje podemos desfrutar de uma bela ilha virgem e muito rochosa, caminhar entre gaivotas pelo caminho que nos leva ao Farol de Sálvora e visitar a cidade velha de Sálvora, as suas casas antigas que outrora albergaram 60 pessoas.

No entanto, a grande estrela da visita é aquela maravilhosa praia de areia branca e águas cristalinas, onde se localiza uma estátua de uma sereia. Esta imagem de cartão postal é difícil de esquecer.

Existem duas formas de se chegar a Sálvora: com um passeio de barco organizado ou por conta própria. No entanto, seja qual for a opção que escolhida, é obrigatória a autorização para visitá-la. Nesse caso, o turista não precisa fazer nada, pois é administrado diretamente pelas empresas de barcos e excursões.

Ilha de Cortegada

Praia da ilha de Cortegada - Foto bluscus.es

Chamada de bosque flutuante, a ilha é separada por apenas 200 metros da costa de O Carril, em Vilagarcía de Arousa, com rotas guiadas, abriga a maior floresta laurissilva de Espanha, uma verdadeira jóia da natureza. Neste belo enclave insular, especialmente frondoso, convivem árvores centenárias com espécies arbóreas nativas como carvalhos, pinheiros ou salgueiros.

Uma série de pequenas lagoas, as ruínas de uma antiga ermida e um cruzeiro fazem parte desta bela área, habitada no passado, criando uma atmosfera mágica e misteriosa. A ilha de Cortegada é a maior de um arquipélago que tem outras ilhas como Malveiras ou Briñas. Quando a maré baixa, surge das águas o antigo Caminho do Carro, caminho que permite o acesso a pé à ilha, outrora utilizado para o transporte de cargas.

Mencionada no século I por Plínio como Corticata, a história passou por ela deixando muitos vestígios: um mosteiro na Idade Média ocupou um terreno onde agora restam apenas uma igreja e um transepto. Até o século XX foi habitada por colonos que cultivavam suas terras e pagavam aluguel ao Paço da Golpelleira. Ainda há vestígios de suas casas entre a exuberância da vegetação, um casarão do século XIX, cavalariças, poços e um hospital construído no século XVII e reaproveitado como lazareto.

Foi no século XX que o povo quis doá-lo ao rei Afonso XIII, mas acabou por escolher Santander para ali estabelecer a sua residência de verão, no Palácio de La Magdalena. Posteriormente vendida, a declaração do arquipélago como parte do Parque Nacional das Ilhas Atlânticas garantirá a sobrevivência da sua floresta laurissilva, permanecendo aberta ao uso público para conhecer a sua história e natureza.

Publicação Anterior

Hoje (04/08) – 5a feira – Tem show FLORES ASTRAIS: TRIBUTO aos SECOS & MOLHADOS no Teatro Claro Rio em Copacabana

Próxima Publicação

Show “Caminhos de Mim”, de Ninah Jo, acontece dia 6 de agosto no Centro da Música Carioca